:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Todos

Todos os posts do mês. Para selecionar uma seção, clique no menu ao lado.


.:: mês anterior :: :: :: :: December 2003 :: :: :: :: próximo mês ::.

31 Dezembro

Chapa o Coco

"Pra todos aqueles que só mudam de camisa/
mas ninguém percebe porque o pacote são de 3 iguais GG e lisa".

Rapper De Leve, na dedicatória da música "Melancólico Irônico".
07:04:00 - Zeno - Comentar

30 Dezembro

Etilíricas

bar tcheco

ela pressente

eu absinto
08:36:00 - hubbell - 2 comentários

Eu me lembro

Eu me lembro que na faculdade, quando alguém aparecia de pastinha preta com o fecho de fivela, modelo quadradona e de couro mole, dizíamos que era uma Pasta Mamãe Quero Fazer Pós.

(da série "Vestimentas e Acessórios – Terceiro Piso")
07:36:00 - hubbell - Comentar

29 Dezembro

Força Sinistra (1985)

Se você gosta de filmes de ficção científica apocalípticos, destruição em massa, baixo orçamento usado com criatividade, raridades obscuras que não receberam a devida atenção, mocinho banana estilo “o que está acontecendo?”, alienígenas com aparência humana mas que são, em verdade, vampiros espaciais, ver a cidade de Londres ser completamente destruída, cientistas governamentais com interesses escusos, multidões se arrastando pelas ruas, transformadas em zumbis e loucas atrás das pessoas ainda não contaminadas, então este filme é pra você. Como incentivo final e definitivo, tem a Mathilda May, no esplendor de seus 20 aninhos, fazendo o papel de alienígena principal e desfilando pelada pelas ruas de Londres durante boa parte do filme. Mais que isso, só se você conseguir encontrar o raríssimo CD musical que a moça lançou em 1993, como nós fizemos, só pra poder ver as fotos do encarte.
07:39:00 - Zeno - 2 comentários

Clássicos da Literatura Brasileira Revisitados/Oswald de Andrade


Amor

Humordaz
07:03:00 - Zeno - 1 comentário

28 Dezembro

Etilíricas

bar longe

ela não vai

eu monge
08:35:00 - hubbell - Comentar

Eu me lembro

Eu me lembro do primeiro incauto que foi à escola calçando aquelas alpargatas (na época do meu avô se chamavam "alpercatas") azul-marinho de lona e solado de corda, que chupavam as poças d’água pelo caminho e que portanto não podiam ser usadas em dias de chuva ou ameaçando garoa. E que o apelido instantâneo que puseram no troço foi Alpargatas Mamãe Quero Ser Bicha.

(da série "Vestimentas e Acessórios – Terceiro Piso")
07:36:00 - hubbell - Comentar

Microconto rodrigueano

Ele entrou na sala. Puxou a maçaneta com força, para ajustar o trinco emperrado desde o tempo em que ainda usava calças curtas sem se envergonhar. Abriu a presilha do coldre e tirou o revólver que havia recebido de herança do pai. Vasculhou a gaveta semi-aberta da cômoda, pegou uma caixa de munição escondida entre as roupas de baixo e preencheu os dois vazios do tambor. Depositou a arma, acendeu um Fulgor e foi enxaguar um copo imundo na pia. Tinha pudor da sujeira. Lembrava de sua mãe abandonando seus afazeres para ir ter com o vizinho do 201. Viveu na sujeira até a morte dela. Lavou as mãos com creolina, quase histérico. Só então, vendo a água turva girar pelo ralo, lembrou do dia em que o pai chegara mais cedo em casa.
06:33:00 - Sorel - Comentar

27 Dezembro

Sempre o mesmo assunto

"A cerveja e a cachaça são os piores inimigos do homem, mas o homem que foge de seus inimigos é um covarde".

Zeca Pagodinho, abril? de 2003.
07:02:00 - Zeno - Comentar

26 Dezembro

Eu me lembro

Eu me lembro de me fantasiar de Papai Noel para distribuir os presentes das crianças da família. Lembro de uma sobrinha olhando desconfiada e de que eu ainda precisava de uma almofada amarrada à cintura para melhor caracterizar o velhinho.
12:08:42 - Mathieu - Comentar

Etilíricas

bar bom

ela passa

eu não
08:34:00 - hubbell - Comentar

Eu me lembro

Eu me lembro do primeiro sujeito que apareceu no ginásio com um moletom cinza, lançamento da Adidas, no lugar daqueles agasalhos azul-marinho de listras laterais e zíper que todo mundo usava. E que o professor de educação física perguntou se ele havia vindo de pijama pra escola.

(da série "Vestimentas e Acessórios – Terceiro Piso")
07:34:00 - hubbell - Comentar

25 Dezembro

Etilíricas

bar vazio

ela passa

não me viu
08:33:00 - hubbell - Comentar

Mauvaise Graine (1934)

Mais Billy Wilder. No final do ano passado foi lançada nos EUA a versão em DVD do primeiro filme de Wilder, "Mauvaise Graine" (tradução aproximada: moleque da pá virada...), rodado por ele na França em 1934, depois de ter fugido de Berlim e antes de chegar a Hollywood. Não vimos, mas já gostamos.
07:12:00 - Zeno - Comentar

Correios e Telégrafos

"Metade da população dos Estados Unidos é filatelista e a outra metade procura sê-lo".

(da série "Frases tão velhas que nem lembramos mais de onde tiramos")
07:01:00 - Zeno - Comentar

24 Dezembro

Etilíricas

bar etto

ela passa

adeus metal
09:32:00 - hubbell - 2 comentários

Eu me lembro

Eu me lembro do amigo que comprou a primeira jaqueta de couro da turma. E que a danada cheirava quando exposta ao sol. E que por isso nós a apelidamos de toucinho. E que esse mesmo amigo comprou o primeiro tênis-que-imitava-sapato da Adidas (o que hoje seria um corriqueiro sapatênis), marrom, pra combinar com a jaqueta. E que o tênis era tão feio que nós o apelidamos de jabaca. Jabaca com toucinho.

(da série "Vestimentas e Acessórios – Terceiro Piso")
07:32:00 - Zeno - Comentar

Mais Stendhal

Ou Henri Beyle encontra Aurélio Buarque de Holanda: janotismo e jansenismo são bons vizinhos no dicionário.
07:00:00 - Zeno - Comentar

Microconto alla greca

Ele entrou na ágora. Empurrou a multidão e sentou-se num degrau mais elevado da assembléia. Quando os olhos dos presentes se fixaram nele, abriu a boca e proferiu uma daquelas peças de retórica que faziam sua fama junto aos mais jovens, dispostos a pagar por suas aulas. Pedia a condenação de Narciso por mau uso dos recursos hídricos da pólis, tão escassos agora que a época de plantação de oliveiras se aproximava. Moção aprovada, retirou-se e levou Alcebíades pra almoçar.
06:30:00 - Zeno - Comentar

Pífia(o)

Outra palavra por que tenho especial apreço e que invariavelmente me causa embaraço.
01:26:21 - Mathieu - 4 comentários

23 Dezembro

Etilíricas

bar cheio

ela passa

vento num trigal

(crdt pôla)
14:09:22 - hubbell - Comentar

Billy Wilder

O Telecine Classic, canal 65 da Net, programou para o final de dezembro, com reprises ao longo de janeiro, três filmes de Billy Wilder pouco vistos por aqui: "Avanti... Amantes à Italiana", de 1972, exibido na TV brasileira pela última vez, salvo engano, no final dos anos oitenta, "Beija-me Idiota", de 1964, com uma estranha parceria entre Wilder, Dean Martin e Kim Novak, e "Irma La Douce", de 1963, repeteco da dupla Shirley MacLaine/Jack Lemmon que trabalhara com Wilder em "Se Meu Apartamento Falasse", três anos antes. Torcemos para que os dois últimos sejam exibidos em letterbox, já que os filmes foram rodados em Cinemascope e a única cópia disponível até hoje do “Irma La Douce” era uma lançada pela Warner nos anos oitenta, em VHS, irremediavelmente mutilada.
07:10:00 - Zeno - Comentar

Paradoxo do pobretão cultivado

"Essa gente quer entender de tudo e não tem 1000 escudos de renda!"
Imortais palavras do Duque de Castries que tinham Rousseau e D’Alembert como alvo, citadas por Stendhal n’O Vermelho e o Negro.

(da série "Epígrafes que podem ser usadas contra nós")
06:58:00 - Zeno - Comentar

22 Dezembro

Duríssima Lex

Na Folha de 21/03/94, matéria sobre a prostituição de luxo no Itaim, que começava então a incomodar os moradores do indigesto bairro. Com a palavra, Tenente Argeo, 16o Batalhão da PM: "A vizinhança se queixa, pede pra prender todo mundo. Não dá. Tem muita universitária que faz programa aqui, meninas que estudam direito e sabem mais do que a gente sobre leis. Não é fácil".

Maravilhoso, não?
08:47:00 - hubbell - 1 comentário

Eu me lembro

Eu me lembro de ter esquecido muita coisa de propósito. E eu me lembro de ter esquecido que há um nome clínico pra isso.
07:31:00 - Zeno - 3 comentários

Simplesmente Amor (2003)

De esquisito, propriamente, o filme não tem nada, é só uma besteirada mal-escrita e mal-filmada (as duas atividades by Mr. Richard Curtis, que foi roteirista do “Quatro Casamentos e Um Funeral”). Mas constrangedor, mesmo, é uma seqüência pseudo-humorística em que o primeiro ministro britânico (Hugh Grant, sic) faz uma conferência de imprensa junto com presidente norte-americano (Billy Bob Thorton, sic) e resolve “peitar” o coleguinha, defendendo os interesses e a soberania da Ilha de Albion depois de tantos anos de subserviência britânica em relação aos ianques. Os assessores e jornalistas vibram na sala de imprensa, a população aplaude, todos ficam felizes. Pra piorar, a centelha que pôs fogo na rebeldia do primeiro ministro foi o fato de o presidente americano ter xavecado, numa sala reservada, a assessora predileta de Mr. Grant. Nunca a impotência atual da Grã-Bretanha se mostrou tão claramente como nesta seqüênciazinha rebelde de pica mole.
07:08:00 - Zeno - 4 comentários

21 Dezembro

Promessa literária

"If they ask me, I could write a book"

by Lorenz Hart, sung by qualquer um, mas preferimos a versão de 1956 da Ella Fitzgerald.

(da série "Epígrafes que não sabemos ainda como usar")
06:57:00 - Zeno - Comentar

20 Dezembro

Eu me lembro

Eu me lembro de morar na mesma rua do atual Presidente da República e de cortar o cabelo no barbeiro do Sindicato dos Metalúrgicos, e que isso nunca teve qualquer importância pra ninguém. Continua não tendo, mas de janeiro pra cá me vi no centro de rodinhas em festas contando umas mentiras a respeito. Dão a isso o nome de "fofocas picantes que mostram a mudança dos ares", ou, no jargão, "relevância histórica recém-adquirida".
07:29:00 - Zeno - 1 comentário

19 Dezembro

Microconto pôlaiano

ele desandou p/ dentro do bar alcunhalado "etilírico", na lapa profunda, passando pela porta pivotante parcial/e emperrada – porra de prumo!! abriu a pasta a-treisoitão e sacaneou u’a caneta hidrofóbica das artigas: sus! e lá se vão 2 guardanaupos espalhafatados no balcão do bar, caneta em riste, 2 croquis p/ a eternidd e 1 dia. depôs a danada, pôs fogo num maubôro e se indispôs c/ o garção, ao exigir um copo limpo p/ o escocês.
14:19:29 - Zeno - 3 comentários

Mulhe*es nu*s Lua*a Piova*i fr*e pi*s Par*s Hilt*n

angie
Após centenas de e-mails recebidos (vá lá, dezenas; vá lá, dois, e um veio do próprio blog), resolvemos conspurcar nossa dignidade e abraçar o comercialismo mais deslavado, botando foto de mulher na página principal. A inspiração com pedigree veio, claro, das Certinhas do Lalau, do Sérgio Porto/Stanislaw Ponte Preta. Nossa primeira homenageada é a colombiana Angie Cepeda, cuja exuberância biológica pôde ser vista em “Pantaleão e as Visitadoras”, o filme. Sozinha, e com pouquíssima roupa, fez mais pela boa imagem internacional da Colômbia que o staff completo do Ministério das Relações Exteriores de nosso vizinho andino.
10:15:16 - Zeno - 17 comentários

Procura-se

Estou à procura de um conto onde possa encaixar as seguintes frases: "Fulana tem as mais belas vírgulas de nossa época" e "Seus travessões são insuperáveis". Pago bem. Sigilo garantido. Cartas aqui pro blog.
09:07:40 - hubbell - 3 comentários

Recesso parlamentar

A partir do dia vinte de dezembro de dois mil e três (também conhecido na gíria como amanhã), o blog Hipopótamo Zeno entra em férias e só volta em meados de janeiro. O que poderia ser motivo de alegria para muitos e desespero para o nosso único leitor (e aí, Douglas, belê?!?! Forte abraço!!), transforma-se como num passe de mágica em uma conquista/ameaça digital. Graças a uma sofisticada tecnologia empregada à larga nos mercados financeiros, e graças também ao fato de que um dos membros da direção do blog está afundado até o pescoço nessas duas áreas (finanças e softwares), somos capazes de postar textos pré-datados, isso mesmo, pré-datados que farão a atualização diária do blog sem que nós tenhamos de estar sentados à frente de um computador ou num desses antros insalubres conhecidos como cyber cafés, que, francamente, são lugares que desabonam qualquer reputação construída com as dificuldades sabidas. Como nos cheques pré-datados que fazem acrobacias aéreas país afora, os nossos textos obedecerão à rigorosa ordem estabelecida pelos post-its amarelinhos e digitais que colamos neles. Amanhã já cai o primeiro, havendo fundos ou não.
08:58:26 - Zeno - 1 comentário

Rossellini

Raridade absoluta: a francesa TV5 (canal 30 da Net, canal 665 da DirecTV) programou para domingo, dia 21 de dezembro, a exibição de três trechos do mítico documentário que Roberto Rossellini fez para a TV italiana, "India vista da Rossellini", gravado na Índia no final dos anos cinqüenta e, até onde sei, completamente inédito por aqui. No texto de divulgação da emissora, "ao longo de sua viagem à Índia em 1957 e 1958, Roberto Rossellini filma 'Índia', um documentário de quase 10 horas, um caderno de viagem com tintas humanistas que suscita uma grande admiração da parte dos jovens críticos e cinéfilos franceses no período inicial da Nouvelle Vague". Os trechos exibidos têm 26 minutos de duração e os horários são 4:41, 8:22 e 18:33. Maiores detalhes, clique aqui.
08:44:44 - Zeno - Comentar

18 Dezembro

Eu não me envergonho

Por que precisamos nos envergonhar? Eu não me envergonho de nada. Disse Heidegger, em A Experiência do Pensamento (Zeno, minha participação não poderia olvidar Heidegger): Quem pensa grandemente, é forçado a errar grandemente.
Não me envergonho por errar. Afinal, bando de canalhas, errar não pertence ao dicionário vil.
12:00:16 - bandini - 3 comentários

Eu me envergonho

Eu me envergonho de ter aprendido há pouco tempo que o cachorro pequinês se chama assim por causa, alas, da cidade de Pequim. Escrito assim, em letra de fôrma, fica fácil, mas experimente passar a vida ouvindo "piquinêis" e tente fazer a ligação.
09:24:14 - hubbell - 1 comentário

Eu me lembro

Eu me lembro de ter tentado ser, sucessivamente, goleiro, matemático, desenhista, enxadrista, jogador de vôlei, cartunista, publicitário, advogado, poeta, contista, roteirista, pintor, diretor de cinema, dramaturgo, empresário, micreiro, professor, tradutor, radialista, crítico de cinema, pesquisador e jornalista. Dá gosto de ver tamanha exibição desenvolta de incompetência e indisciplina.
08:14:38 - hubbell - 1 comentário

Seja bem-vindo

Saudamos o mais novo integrante da equipe de redação deste blog, o intimorato Hubbell, que prometeu colaborar, segundo suas palavras, "com uma mão nas costas". Não sabemos bem o que isso significa, mas de qualquer modo eis sua breve bio:

Hubbell: é emocionalmente instável, não crê na nem descrê da humanidade e vive sem emprego desde que ingressou na carreira de adulto. Rabisca uns textos aqui e acolá e gosta de juntar a ex-turma do Bandeirantes aos domingos, para jogar um War animado.
08:05:29 - Zeno - Comentar

Se fosse sólido, comê-lo-ia

Deu no UOL: "Empresas fabricantes de whisky serão obrigadas a estampar nos rótulos as informações nutricionais do produto". Putz, ainda por cima alimenta.
07:07:09 - Zeno - 1 comentário

Empáfia

Adoro presenciar a empáfia. Não há sinal maior da fraqueza de um caráter ou da baixa estatura de um raciocínio. Gosto também da pós-empáfia. Pós-empáfia é o Saddam de barba com um médico americano enfiando um bastão de madeira na sua boca. Mas a empáfia ainda é melhor. Só não gosto da minha empáfia. Quando a vejo, ruborizo. E a desgraçada me visita com razoável freqüência.
01:34:13 - Sorel - 1 comentário

17 Dezembro

Pandoro

A decadência continua lá, a olhos vistos. Mas é a mesma decadência dos últimos dez, quinze anos, o que significa que agora ela já faz parte da família. O caju amigo continua amicíssimo, e depois de beber uns três ou quatro ele também vira parente. Os pastéis de siri nadam de braçada em relação aos concorrentes da cidade. A clientela, bem, a clientela também é a mesma, um grupo perene de sessenta ou setenta sujeitos que têm a mesma idade desde 1975 – dão a esse processo o nome de conservação em álcool. As mulheres desavisadas chegam em duplas ou trios, param na porta do bar, olham aquele mar de barrigas e cabelos ralos e dão meia-volta, assustadas. Um clássico.

Nota: 9 ou 9,5 graals, pelo conjunto da obra desde 1947.
09:38:36 - Zeno - 14 comentários

Saddam e a mala de US$ 750 mil

"É a prova que faltava: dinheiro não traz felicidade".

Belo Menir, no blog portchuga Vareta Profunda (http://varetafunda.blogspot.com/).
09:01:54 - Zeno - Comentar

16 Dezembro

Conexão Seattle - Berlim

Deu no Frankfurter Allgemeine de ontem: a Microsoft começa a investir pesado no mercado europeu de telefonia para introduzir seu sistema operacional Windows também nos celulares. O mercado de sistemas operacionais para celulares é dominado pelos finlandeses da Nokia e pelos ingleses da Symbiam, empresa ligada à própria Nokia, enquanto a Microsoft está presente em menos de 10% dos modelos disponíveis para venda. Segundo estimativas da empresa de Bill Gates, este percentual pode subir para mais de 20% num período de cinco anos, e cada aparelho com o Windows instalado irá gerar uma receita de 5 a 15 dólares relativos à licença de uso do software. Alguém já viu este filme antes?
07:42:57 - Zeno - 2 comentários

Saddam

Tentamos evitar, desde sábado, qualquer referência ao assunto, já que tem gente demais falando a respeito - basicamente, toda a imprensa mundial. Mas como tínhamos uma garrafa de uísque apostada nesta história, sentimo-nos autorizados a dar um pitaco: ninguém acha o fim da picada o Saddam ter sido preso de modo tão chinfrim? Ou melhor: por que é que ele ainda não tinha se escafedido pra Síria e a) moitado por lá, contando com a benesse dos vizinhos camaradas, ou b) usado a Síria como perna inicial para uma rota de fuga que passaria por uma estada aprazível em frente ao Lac Léman, em Genebra, como fazem 10 em 10 ditadores foragidos, e da Suíça para o mundo, para as Maldivas, Bali ou mesmo para Curitiba, que tem gente que fala bem desse lugar? Se até o punguistazinho do PC Farias conseguiu, o Saddamzão não conseguiria? Não custa lembrar que alguns de seus comandados de primeiro escalão (o ridículo baralho, lembram?) já estavam do outro lado da fronteira, e parece óbvio que o grosso das tais armas químicas (se elas existem) deve ter sido despachado também pra lá durante aqueles meses de embromação de idas e vindas de inspetores da ONU. Francamente, Saddam, você nos decepcionou. E nos custou 64 reais do escocês.
07:20:17 - Zeno - 5 comentários

15 Dezembro

Apreciação estética

"Êêê, sô..."

Cumprimento do Amílcar de Castro, em tom baixo, grosso e rouco, enquanto "arrodiava" lentamente um cubo maciço de aço corten, dimensões 3x3x3m, do Richard Serra, depositado no gramado em frente a Neue National Galerie de Berlim.

(crdt c. fanucci/p. pazzanese)
23:45:38 - Zeno - Comentar

Microconto dostoievskiano

Ele entrou na sala. Puxou a maçaneta com força, para ajustar o trinco emperrado. Abriu a presilha do coldre e tirou o revólver. Vasculhou a gaveta semi-aberta da mesa, pegou uma caixa de munição e preencheu os dois vazios do tambor. Depositou a arma, acendeu um cigarro e foi enxaguar um copo imundo na pia. Deitou no divã e fechou os olhos por um segundo. Colocou a mão no coldre e viu que estava sem a arma. Olhou em volta e a viu na mesa. Pegou a arma e vasculhou o tambor à procura das balas faltantes. O tambor estava cheio. Contou as balas da caixa de munição. Já não sabia se algum dia havia usado aquela arma. Levantou-se e saiu. Na rua, andava sem saber para onde até que se viu diante do prédio onde ela morava. Subiu as escadas, ouvindo o barulhos dos vizinhos brigando e rindo. Chegou ao quarto andar e seguiu pelo corredor até o cômodo que ela dividia com a amiga. A porta estava trancada.
10:52:00 - Sorel - Comentar

14 Dezembro

Brinque de Derrida!

No sítio abaixo, você pode gerar textos pós-modernos sobre os mais diversos assuntos, com direito a citações bacanas, bibliografia jeitosa e notas de pé de página com cintura bem fininha. Garantia de incompreensibilidade ou seu dinheiro de volta. Infelizmente, a direção manda avisar que não, não empresta o álbum triplo do Rick Wakeman para acompanhar a leitura em voz alta dos textos gerados.

http://www.elsewhere.org/cgi-bin/postmodern

(crdt pôla)
09:02:08 - Zeno - Comentar

13 Dezembro

Anjo ou Demônio? (1945)

Por falar em Otto Preminger e Dana Andrews, os dois voltariam a trabalhar juntos um ano depois em "Anjo ou Demônio?" (Fallen Angel), de 1945, um filme que passa de vez em quando no Telecine Classic da Net. Com exceção de uma trama whodunit boboca que aparece no terceiro terço do filme, o resto é noir de primeira qualidade: personagens perdedores, diálogos afiadíssimos, uma femme fatale jeca e escrota, boa fotografia (de Joseph LaShelle, que trabalhou depois com Billy Wilder), boas locações de praia e alguns planos que parecem quadros abstratos. E como disse um crítico americano na época do lançamento do filme, Dana Andrews "adds another excellent tight-lipped portrait of a growing gallery". Não conheço melhor definição para canastrão do que esta.
18:08:37 - Zeno - Comentar

Laura (1944)

Depois de ter visto o primeiro copião do filme, o chefão da Fox Darryl Zanuck manda chamar o diretor Otto Preminger e faz uma sutil análise crítica: "Dana Andrews é um amador sem sex appeal, Clifton Webb é viado, Judith Anderson deveria ter permanecido no teatro e o senhor em Nova York ou Viena, onde é o seu lugar."
17:38:57 - Zeno - 2 comentários

12 Dezembro

One more for the road

E hoje é aniversário do Padroeiro Frank Sinatra, nascido em 12 de dezembro de 1915 naquele fim de mundo chamado Hoboken, a Diadema de New Jersey. Como homenagem, vamos requentar a marmita de um comment passado e postar a definição do Gene Kelly sobre o Sinatrão: "Ele era um sujeito muito generoso. Se você admirasse a gravata dele, ele lhe enviaria uma gravata igualzinha. Se você dissesse 'Gostei do seu terno', Frank lhe enviaria um terno. Se você dissesse 'Gostei da sua garota', ele lhe enviaria dois sujeitos, chamados Carmine e Nunzio."
14:16:50 - Zeno - 5 comentários

Existencialismo

(Rubens Rodrigues Torres Filho, da série Quatro Sonetos, 1981)

No fim das contas, que me resta? O sono,
o despejar meus restos na privada,
o querer tudo, não poder mais nada,
não responderem mais se eu telefono.

Ir à cozinha, no meu abandono,
comer um pote dessa marmelada,
voltar ao quarto, pôr o meu quimono,
deitar na minha África sonhada.

Ler um pouco de Sartre, abrir a boca.
Riscar num bloco uma bacante feia.
Ligar o rádio: uma cantora rouca.

Sentir meus olhos grávidos de areia.
Sentir no fundo uma saudade (pouca)
Ir olhar que horas são. Duas e meia.
11:19:33 - Zeno - 1 comentário

Bidimensional

Ninguém gosta dele – e com razão. Nós também não gostamos, e até hoje não descobrimos o que o Mestre Ivan Lessa viu nele. Mas um sujeito que cunha uma autodescrição dessas não pode ser de todo mau: "Sou bidimensional, não tenho profundidade psicológica (...) tenho um aparato psicológico pobre (...) sou binário e elementar". Diogo Mainardi, em entrevista na revista Trip, edição de dez-2003/jan-2004.
11:04:26 - Zeno - 13 comentários

Microconto sveviano

Ele entrou na sala esbaforido, remoendo na cabeça uma chusma de idéias contraditórias. Puxou a maçaneta e fechou a porta uma, duas, três vezes para se certificar. Tornou a fechar mais uma vez. Abriu o casaco, jogou-o sobre o sofá e gritou qualquer coisa para a governanta velha e surda, um traste inútil que se agregara à família nos tempos de seu pai e que ele já não tinha forças para mandar embora. Vasculhou a gaveta semi-aberta da escrivaninha, pegou uma caixa de canetas e preencheu compulsivamente duas páginas inteiras com sua letra miúda. Precisava pôr ordem em seus pensamentos. Talvez, se conversasse com seu médico, ele poderia ajudá-lo – mesmo sendo este um cretino inepto que comprara seu diploma junto ao corrupto Corpo Administrativo da universidade. Depositou a caneta, acendeu um dos seus cigarros prediletos, daquela tabacaria atrás da Piazza Unità, e pensou: amanhã paro de fumar.
10:41:14 - Zeno - Comentar

11 Dezembro

Tradutor de cachorro

Somos antenados. Já percebemos, por exemplo, que o sucesso de um blog é diretamente proporcional ao número de vezes em que são postados comentários envolvendo animais de estimação, com ênfase, ainda não sabemos por que, em felinos de toda espécie. Aqui vai a nossa primeira tentativa no gênero.

(crdt carlão)
18:03:31 - Zeno - 6 comentários

Já que é assim

Deu na mídia televisiva de ontem: o Excelentíssimo Vice-Presidente José Alencar criticou a letra do Hino Nacional brasileiro, de autoria de Joaquim Osório Duque Estrada, ao dizer que o verso "Deitado eternamente em berço esplêndido" não condiz mais com a atual situação de pujança do país. Sua proposta, segundo ele "com a mais perfeita métrica", seria a substituição do verso em questão por "Desperto vigilante em solo esplêndido" (lembremos que o Excelentíssimo é reincidente no crime poético, já que há alguns meses ele confessou ter cantado a sua nova versão durante o desfile militar de Sete de Setembro). Se a coisa engrenar, gostaríamos de oferecer nossos préstimos ao Excelentíssimo para alterar outros trechos e quiçá outros hinos e símbolos pátrios poeticamente desfavorecidos. Temos várias sugestões guardadas, é só pedir.
17:37:26 - Zeno - 2 comentários

Microconto viscontiano

Ele entrou na sala, adornada com um Gobelin de mais de sete metros que dominava praticamente todo o ambiente. Puxou a maçaneta com força, para ajustar o trinco emperrado desde o século XIII. Abriu a presilha da bainha e sacou a espada imaculadamente limpa. Vasculhou a gaveta semi-aberta da escrivaninha "alla inglese" (uma excentricidade que sua mãe olhava com condescendência), pegou uma caixa de jóias e tirou displicentemente um anel rubro que pertencera a Bianca Maria, sobrinha de Luciano Sforza e esposa do Imperador Maximiliano. Usando o anel como prisma, olhou sem ver a coleção de pinturas "gruppo de famiglia in un interno" que ocupava de alto a baixo a parede em frente da escrivaninha. Depositou o anel com ar pensativo, acendeu um charuto curto e fino e encaminhou-se para a sala de banhos, jogando as peças de roupa pelo caminho. O marquês de P. já o aguardava lá.
09:16:12 - Zeno - Comentar

Microconto kafkiano

Ele entrou na sala. Puxou a maçaneta suavemente, para não fazer barulho. Abriu a presilha da pasta e tirou um maço de documentos. Vasculhou a gaveta semi-aberta da mesa, pegou uma caixa de formulários e preencheu os dois primeiros. Depositou a pasta, acendeu o fogão para esquentar água e foi enxaguar um copo imundo na pia. Bateram à porta.
07:25:52 - Zeno - Comentar

Xanadu (1980)

Um artista em crise era visitado por uma musa que andava de patins na calçada da praia. Para entrar na mágica Xanadu, bastava se atirar confiante em um painel pintado em uma parede (a la Harry Potter). Inesquecíveis são a participação de Gene Kelly tentando dançar com a Olivia Newton John, o encontro de uma big band com uma banda de rock onde trechos das músicas de cada uma iam se alternando até formar uma música só e, finalmente, todo o elenco patinando em Xanadu, que mais parecia a pista do Studio 54, no melhor estilo disco. Vi 9 vezes, 4 no cinema, 2 em sessão corrida.

Lôco, né?
01:30:32 - Sorel - 3 comentários

10 Dezembro

Microcontos

Ninguém pediu. Alguns temiam. Outros se opuseram. Mesmo assim, insistimos e resolvemos inaugurar a subseção Microcontos, uma praga que costuma assolar blogs como o amarelinho das laranjas paulistas tão festejado pelo Maluf em debate com o Covas. Eis os dois primeiros:

Microconto hammettiano
Ele entrou na sala. Puxou a maçaneta com força, para ajustar o trinco emperrado. Abriu a presilha do coldre e tirou o revólver. Vasculhou a gaveta semi-aberta da mesa, pegou uma caixa de munição e preencheu os dois vazios do tambor. Depositou a arma, acendeu um Bull Durham e foi enxaguar um copo imundo na pia.

Microconto chandleriano
Ele entrou na sala. Puxou a maçaneta com força, para ajustar o trinco emperrado. Abriu a presilha do coldre e tirou o revólver. Vasculhou a gaveta semi-aberta da mesa, pegou uma caixa de munição e preencheu os dois vazios do tambor. Depositou a arma, acendeu um Camel e foi enxaguar um copo imundo na pia. Só então, vendo a água turva girar pelo ralo, pensou na garota.
20:03:04 - Zeno - 8 comentários

Periquito ressurgido

É uma avalanche de títulos: desta vez, o Palmeiras sagrou-se Campeão Paulista de Futebol de Mesa, com um massacrante 11 a 5 no último jogo das finais, contra a poderosíssima agremiação do Círculo Militar, o Real Madrid dos botões paulistas.

Para mais informações sobre essa emocionante conquista, clique aqui.

(crdt môa)
14:00:17 - Zeno - 6 comentários

Problemas com o R.G.

Procuro minha identidade perdida
Nos vidros dos carros estacionados.

(Provérbio chinês)
13:12:37 - Zeno - 3 comentários

Indagação filosófico-psicanalítica

"A realidade plausível, aquela que proporciona assuntos banais para as pessoas conversarem, nada significa quando a alma pousa seus olhos nos sonhos. É então que ela se pergunta, onde está o princípio de realidade?"

Horóscopo do Quiroga, Estadão de hoje (10/12/03)

Lôco, né?
09:16:30 - Zeno - 7 comentários

Mal-entendido

Deu na mídia: “A festinha de aniversário de uma criança na casa do odontopediatra Fábio B., domingo, acabou em choradeira geral. Logo depois de as crianças cantarem o parabéns, quando estavam todas eufóricas, chegou um outro grupo de amigos do dentista vindo diretamente da gravação do clipe do cantor Renato Godá. Mika Lins, Beth Prado e a mulher do músico, Beth Coelho, entraram na festa caracterizadas como as personagens do clipe, com maquiagens carregadas e estranhas roupas. O que causou impacto na meninada. Assustadas, caíram todas num berreiro-sem-fim”.

Esclarecimento importante: o pessoal aqui do blog estava na mencionada festa e não viu nenhuma choradeira de criança. Mas viu, sim, os pais das crianças se perguntarem, ao ver o estranho bando chegar: “Essas aí são as recreacionistas contratadas para a festa?”
09:00:19 - Zeno - 12 comentários

09 Dezembro

A sétima arte jamais será a mesma

O Sorel, aqui do blog, estreou ontem duas novas carreiras, e isso não tem nada a ver com o Maradona: diretor de cinema e ator principal de filme. Como metteur en scène, mostrou savoir faire, nonchalance, esprit e outras palavras francesas bacanas. Como ator, que retina há de esquecer aquele desfile de carnes adiposas que banhou a tela por alguns minutos aterrorizantes? Tem futuro, sem dúvida. Mesmo assim, sugerimos que ele mantenha o emprego atual, que ninguém sabe muito bem qual é, só por garantia.
20:23:07 - Zeno - 4 comentários

Eu me lembro

Eu me lembro de ter ido a uma churrascaria rodízio com um amigo e que, às tantas, pedimos um desconto para parar de comer. Pedido negado, voltamos a comer e a pedir até que fosse aceito. O gerente deu um desconto "para não ter que levar ninguém para o hospital". Honra lavada, ainda pedimos sobremesa e cafezinho.
14:26:19 - Sorel - 3 comentários

08 Dezembro

Nós também temos croquis

O amigo Pôla é autor do croqui de hipopótamo que ilustra o cabeçalho do blog esta semana. Aproveitamos a ocasião para noticiar outros croquis, também de arquitetos e também feitos em meio a garrafas, cinzeiros e garçons que em menos de 1h já sacam quem é o cliente e passam a atendê-lo como se ele fosse o único.

Fotoblog Archipoyesis
Fotoblog Croqui de Buteco
18:19:27 - Sorel - 5 comentários

Eu me lembro

Eu me lembro que todo mundo tinha suas teorias conspiratórias a respeito do “Sistema”. Um amigo mais imaginoso, em tempos de crítica 68 à sociedade de consumo, gostava de perguntar: “Você já reparou que as salsichas vêm em embalagens de seis unidades e os pães para hot dog, em embalagens de quatro?”. E, depois de uma pausa, enfatizava misterioso: “That’s what I’m talking about!”.
12:02:38 - Zeno - Comentar

Uma família feliz

(mais uma “crónica” de fôlego do nosso recém-alçado à categoria de ídolo, o gajo Miguel Esteves Cardoso, ou MEC para os íntimos lusitanos)

Há qualquer coisa de errado na família. A família não funciona. Sei que, como conservador, deveria defender a família. Mas não consigo. A família é indefensável. É um equívoco. É um efeito de economia. A família está a dar cabo das pessoas. E das famílias.
[Leia mais!]
11:43:16 - Zeno - 6 comentários

Vamô pulá

Sexta que vem estréia o novo filme da dupla Sandy e Júnior, “Acquaria”, uma ficção ambientada no futuro, num planeta Terra devastado e com escassez d’água, e que “fala de amor e amizade”.

Lôco, né?
10:59:55 - Zeno - 7 comentários

Pé na boca

Deu na mídia: Donald Rumsfeld foi o vencedor, na semana passada, do Troféu Foot in Mouth, concedido todos os anos a figura pública ou celebridade que tenha cometido a frase mais infeliz ou obscura do ano. Quem organiza o Troféu é a Plain English Campaign, um grupo de ativistas britânicos que advoga o uso não-rebarbativo do idioma de Shakespeare. Numa coletiva para a imprensa, Rumsfeld descreveu assim a busca de armas químicas no Iraque:
"Relatórios que dizem que alguma coisa não aconteceu são sempre interessantes para mim, porque como sabemos, existem coisas sabidas que sabemos; existem coisas que sabemos que sabemos. Também sabemos que existem coisas sabidas que são desconhecidas; quer dizer, nós sabemos que existem algumas coisas que não sabemos. Mas também existem coisas desconhecidas que desconhecemos - aquelas que não sabemos que não sabemos".

Algumas das frases vencedoras dos anos anteriores estão aqui: [Leia mais!]
10:51:13 - Zeno - 2 comentários

07 Dezembro

Consultório sentimental

Um amigo do blog manda correspondência reclamando do que, segundo ele, estaria faltando nestas páginas: se a proposta inicial era a discussão da canalhice em suas diferentes dentições, onde estão figuras como "Jece Valadão, o Cadelão do Nélson Rodrigues, Eurico Miranda, Erasmo Dias e Conte Lopes, Sílvio Santos, Donald Rumsfeld e minhas dez últimas namoradas?" Bueno, vamos lá: alguns não merecem sequer um pixel de escárnio, como a trinca Erasmo, Eurico e Conte; o Jece, mesmo pós-conversão evangélica, e o Cadelão do Nélson estão na mira; Rumsfeld vai aparecer em breve, como vencedor, na semana passada, da edição anual do Troféu "Foot in Mouth"; o Senhor Sorriso Silvio, é mister confessar, está acima de nossas capacidades cognitivas; quanto às últimas dez namoradas, sugerimos verificação urgente da outra ponta do cabo-de-guerra.
12:09:53 - Zeno - 7 comentários

06 Dezembro

007 - Nunca Mais Outra Vez (1983)

Eu me lembro que a Barbara Carrera saía de dentro d'água com tudo aquilo que a graça divina lhe deu e abraçava o James Bond num bar à beira-mar, estilão tropical jamaicano. Ela: "Ah, me desculpe, deixei você todo molhado". Ele, com o copo ainda na mão: “But my Martini is still dry."

(da série: "Filmes esquisitos" encontra "Je me souviens")
16:50:55 - Zeno - Comentar

Relato de um sobrevivente

Os leitores que acompanharam as peripécias alcoólicas dos bares da Vila Olímpia, descritas neste blog há alguns dias, puderam perceber o traço definidor e derrisório delas: naquele lugar dos infernos, só havia amadores. O que acontece, então, quando o bebedume é arquitetado por profissionais etílicos do calibre de Álvaro P., Celso P., Milton B. e Ricardo K.? Tudo e nada, claro, porque a ingestão industrial de líquidos que durou das nove da noite às quatro da manhã fez com que as lembranças das conversas e dos lugares fossem parar em Dufftown, simpático vilarejo escocês nas cercanias de Aberdeen. [Leia mais!]
11:05:01 - Zeno - 18 comentários

05 Dezembro

Tóchico

Pequena contribuição para um futuro Léxico Explicativo Universal para uso em ocasiões familiares e sociais:

"É tóchico"

Empregado com a mesma prosódia de palavras como "fuxico" e "xexelento", serve para aquelas situações em que se constata A) enriquecimento repentino e misterioso; B) comportamento errático ou excessivamente alegre de parente ou amigo próximo; C) derrota inesperada do seu time; C) dívidas financeiras vultosas e recém-surgidas; D) escapadas vespertinas de sua mulher. Substitui com vantagens o já gasto "É lavagem de dinheiro", por ser mais breve e mais vago, abarcando inclusive a própria lavagem dinheiral.
18:54:29 - Zeno - 1 comentário

O problema do álcool

(mais uma vez, o assunto predileto deste blog, com a contribuição de fôlego e d’além-mar do gajo Miguel Esteves Cardoso – crdt carlão)

Cada vez que ouço falar no problema do álcool - e cada vez ouço mais - assola-me o desejo sincero de beber um whisky. Na verdade, parece-me uma leviandade falar no álcool como um problema. Fossem todos os nossos problemas como esse! (Muito mais grave que o problema do álcool, por exemplo, é o problema da sede.)

Ninguém duvide que o álcool é o lubrificante essencial da máquina social portuguesa. Sem whisky não haveria decisões financeiras ou políticas. Sem vinho não haveria jornalismo. Sem cerveja não haveria música pop. Sem bagaço, o proletariado português, que vive miseravelmente mas ainda não reparou, há muito que se tinha revoltado. O bagaço é a única força viva que faz frente ao PCP. É a única coisa entre nós e o caos.
[Leia mais!]
09:42:09 - Zeno - 7 comentários

Mais um mestre com carinho

E hoje tem estréia do novo filme do Clint Eastwood, Mystic River , poeticamente traduzido por estas bandas do Equador como "Sobre Meninos e Lobos", o que soa como pastiche de livro ruim do John Steinbeck. Clint é o maior cineasta americano em atividade, o único que conseguiu enfileirar, na última década, três obras-primas e seis filmes de primeiríssima linha. Nem Scorsese, nosso placê nesse ranking, esteve à altura, escorregando aqui e acolá em coisas como Kundun e Gangues de Nova York. Alguém perguntaria: e o Altman? Diríamos: Esse já pendurou as chuteiras há muito, muito, muito tempo – mas nenhuma alma caridosa o avisou. E mais alguém: e o Woody Allen? Bradaríamos: saia já do recinto, seu desclassificado, que a conversa aqui é de níver.
09:18:12 - Zeno - 7 comentários

04 Dezembro

Metafísica dos grotões

on' q'eu tô?
pr'on q'eu vô?
quem q'o sô?

(crdt pôla)
20:10:49 - Zeno - 2 comentários

Eu me lembro

Eu me lembro dos desafios acrobáticos e performáticos da romena Nadia Comaneci e da Olga Korbut, da saudosa URSS.

(crdt álvaro p)
19:46:14 - Zeno - Comentar

Finalmente revelado o segredo

Apresentamos a seguir pequenos resumos biográficos dos autores deste blog:

Zeno : casou-se por auto-engano, descrê da raça humana e vive de renda. É hipocondríaco e tem frêmitos de prazer com as oscilações da Bolsa.

Mathieu : nunca casará, gosta de pitchulinhas mas não passa do primeiro beijo (roubado e não correspondido) e não tem um sou pra dar de esmola. Professa o “enfaticalismo” e gosta daquele açucrinha que fica no fundo da xícara de café.

Sorel : não casou, mas quase, descrê da raça humana e vive como agregado. Seu ídolo é Napoleão Bonaparte e seu autor predileto é Gogol, que lê no original apesar de não entender uma porra de russo. [Leia mais!]
16:55:12 - Zeno - 18 comentários

Ao mestre com carinho

"Não sou polígamo. Sou monógamo em série."

Oswald de Andrade

(da série "Epígrafes que nossas esposas não nos deixam usar")
16:38:16 - Zeno - 6 comentários

Aconteceu

Cruzamento da Santos com a Campinas. Ela estava na esquina, era linda, tinha o rosto pintado, estava cercada de veteranos e curtia o seu trote-pedágio (entrar na faculdade não é fácil, ainda mais com aquele corpo). Ela chega perto da minha janela e sorri. Abro o vidro (elétrico) e jogo um soriso de volta.

O diálogo:

- Tio, não quer ajudar na festa, uma moedinha, qualquer coisa...?
- Tio? Que tio? Cê tá louca? Eu... ãh.... eu não...ãh
- Ah... Desculpa... O Sr. não quer ajudar na festa, uma moedinha, qualquer coisa...?
- ...
14:20:30 - Sorel - 9 comentários

03 Dezembro

Eu me lembro

Eu me lembro da capucheta: uma folha dupla de jornal, dois furos nas extremidades, uma linha boa e espaço amplo para a correria.
18:16:39 - Zeno - 2 comentários

Fazer na guitarra plim plim

Só há pouco tempo a ignorância deu trégua e pôs diante de nós a canção "Rapaz da Moda", da dupla Evaldo Gouveia e Jair Amorim (autores de dezenas de sambas e bolerões desde os anos quarenta, "Conceição" é deles, e Altemar Dutra o principal intérprete da dupla), por causa da regravação presente no disco Déjà Vu, do redivivo grupo Metrô, aquele da francesinha Virginie. A gravação original, de Jair Rodrigues em estilão samba rock, pode ser encontrada na Web e é excelente. A letra, divertidíssima, segue aqui: [Leia mais!]
16:31:43 - Zeno - 8 comentários

Mais Vermelho e Mais Negro - ponte aérea Paris/Brasília

"Não é também o amor que se encarrega da fortuna dos jovens dotados de algum talento, como Julien; eles se ligam com um laço invisível a um grupo, e quando o grupo faz fortuna, todas as coisas boas da sociedade chovem sobre eles. Infeliz do homem de estudos que não pertence a nenhum grupo; censurar-lhe-ão até os mais insignificantes sucessos, e a alta virtude triunfará roubando."

"Serviços! Talentos! Mérito! Bah! Entrai para um grupinho!"
13:01:02 - Zeno - Comentar

02 Dezembro

Eu me lembro

Eu me lembro que quando eu tinha 20 e conhecia alguém de 40... bem, deixa pra lá.
19:37:16 - Sorel - 8 comentários

39 verões - a auto-avaliação

Faço 39, não vou ao oculista desde os 29, me casei aos 23, não vou ao médico desde os 17, tenho uma filha de 7 e há 1 ano que penso em fazer análise. Conclusão: pra quem gosta de números primos, sou um prato cheio.
19:06:33 - Sorel - 2 comentários

39 invernos - a auto-crítica

Hoje é aniversário do Sorel, aqui do blog. Como ele mesmo já disse, nas imortais páginas d'O Vermelho e o Negro, “Por que é que eu sou eu?” Em francês, seu idioma pátrio, fica ainda melhor, bien sûr: “Porquoi suis-je moi?”
18:28:08 - Zeno - 2 comentários

Conversa fiada sobre a música brasileira recente em treze teses

1-Comecemos com o corolário: a música popular padece em geral do Princípio da Irrelevância Precoce (PIP).
2-Derivado deste, outro eixo de organização: o Princípio do Pastel de Feira (PPF) - três ou quatro bocados e estamos conversados.
3-Quem se ocupa desse curioso mister que é a música popular não tem, em geral, tanta coisa assim a dizer. Na média, nos melhores casos, um punhado de canções espalhadas nos três ou quatro discos iniciais.
[Leia mais!]
09:24:17 - Zeno - 13 comentários

Coração alado

Manchete mais ou menos lembrada de um O Planeta Diário da década de oitenta: “Fágner, Belchior e Ednardo fazem show beneficente em prol das vítimas dos shows de Fágner, Belchior e Ednardo”.
08:12:45 - Zeno - 2 comentários

Um galo tece a manhã

Acordei tão cedo que até meu despertador estranhou.

(Provérbio chinês)
07:48:44 - Zeno - 1 comentário

Tênis de mesa em multi-ângulo

Depois do Matrix em ASCII, do Matrix versão Porcos na Fazenda, do Matrix Lego, etc, etc, eis o melhor de todos: Pingue Pongue Matrix. É sensacional.

http://www.humornaciencia.hpg.ig.com.br/fc/ppmatrix.htm

(crdt pôla)
07:34:24 - Zeno - 1 comentário

01 Dezembro

Eu me lembro

Eu me lembro de ter anotado algumas pérolas do horário gratuito das eleições de 1994:
"Se você é diabético e bebe guaraná dietético, vote em mim";
"Sou amigo íntimo do Telê Santana";
"Precisamos acabar com essa besteirada de direitos humanos";
"Sou formado em sociologia pela Escola de Sociologia e Política, em direito pela FMU, em administração pela São Marcos e fui goleiro do Pirassununga F.C. durante nove anos";
"Meu nome é Pires: aquele que você lava, enxuga, guarda e volta a usar. Vote em Pires".
18:14:12 - Zeno - 3 comentários

Ascensor para o cadafalso (1958)

Quando Louis Malle botou Jeanne Moreau para vagar pelas ruas noturnas e molhadas de Paris ao som de Miles Davis na trilha sonora, convenhamos, não tinha como dar errado. E ela, ainda por cima, ficava suspirando a todo momento "Julien... Julien..." – e nessas horas o público masculino em peso queria mudar de nome. E ainda tinha o Maurice Ronet como falso culpado hitchcockiano, com a diferença de que ele era realmente culpado, mas de outro assassinato. E como cereja no bolo, uma cena final de arrepiar, capaz de despertar vocações filosófico-fotográficas em qualquer um. [Leia mais!]
10:39:07 - Zeno - Comentar

Milhares de dezembros

“You go to my head
with a smile that makes my temp’rature rise
Like a summer with a thousand Julys”

by Haven Gillespie & J. Fred Coots, sung by um monte de gente, mas preferimos a versão de Mr. The Voice Sinatra no álbum “Nice’n’Easy”, de 1960.

(da série “Epígrafes que não sabemos ainda como usar”)
10:06:55 - Zeno - Comentar

A Bíblia nunca mais será a mesma

...ou "o Exterminador do Futuro encontra Jesus". Não sabemos se essa é nova ou não, mas como a seção Lixo da Internet não tem pretensões de ineditismo, antes o contrário ("Você deleta e a gente recupera"), aqui vai:

http://www.smail.contato.net/videos/terminator.wmv

(crdt sil)
09:46:22 - Zeno - 2 comentários

Rubem Alves IV

Pensamos em criar a primeira enquete do blog, destinada a dirimir, se possível de uma vez por todas, a pendenga que ameaça se instalar nessas páginas. Se as dificuldades tecnológicas permitirem, será postada nos próximos dias, com layout bonitinho e tudo o mais. Mas já adiantamo-la, para que as pessoas tenham tempo, o precioso, para ponderar:

"Em sua opinião, Rubem Alves é
A) um dos grandes nomes da Educação brasileira, com um pensamento radical e antiestablishment que reúne conhecimentos sólidos de filosofia, psicologia e demais ciências do espírito sem cair no jargão acadêmico – pelo contrário, tem veia poética comprovada.

B) uma besta quadrada que não sabe nem por onde a galinha mija e que deveria ser proibido de usar metáforas por no mínimo cinco e no máximo trinta anos, dependendo do bom comportamento e de serviços prestados à comunidade."
09:24:51 - Zeno - Comentar

Rubem Alves III

Após consultas efetuadas no fim de semana, gostaríamos de escancarar uma cisão ocorrida junto aos membros da Direção do blog. Segundo um número significativo de nossos acionistas, Rubem Alves é, sim, um dos desafetos prediletos do blog e há a expectativa de que mais estultices de sua lavra sejam registradas em posts futuros (contamos com a colaboração dos leitores interneteiros), já que, segundo essa facção, é rara a existência, em um único indivíduo, de tantos lugares-comuns aparvalhados sob o disfarce de pensamento “radical” para consumo de pobres pedagogas e psicólogas desavisadas. Como diria um amigo deste blog, Rubem Alves é, sem sombra de dúvida, “motivo de xoxota”.
Pensamos até em criar uma seção especial para casos como o dele, intitulada “Cretinos que Amamos”, uma série de pequenos perfis que seria inaugurada com o Rubem em questão e acrescida a seguir de outros luminares nacionais, como Oswaldo Montenegro, Daniel Piza, Humberto Gessinger, Fernanda Young, Boris Casoy, Raul Gazzolla, Carlos Heitor Cony, Miguel Falabella, Jô Soares, Regina Casé and so on. Infelizmente, problemas de storage junto ao nosso servidor (estouraria nosso limite de 40 terabytes) nos impediram de levar o projeto adiante. Também não conseguimos uma unanimidade, dentre os membros da Direção, quanto à lista definitiva de cretinos. Outros ponderaram, ainda, que seria uma perda de tempo (o precioso) ocuparmo-nos com indivíduos de índole tão soez. Mas estamos de olho em vocês.
(postado por Zeno Cosini, depois de alguns dias desplugado por força maior – sem trocadilho)
09:15:51 - Zeno - 4 comentários

.:: mês anterior :: :: :: :: December 2003 :: :: :: :: próximo mês ::.