:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


A Busca do Graal

Incursões etílicas que não poupam esforços para determinar a exata localização do Bar Absoluto.


.:: mês anterior :: :: :: :: February 2004 :: :: :: :: próximo mês ::.

14 Fevereiro

Baretto

Você abre o cardápio de petiscos e se assusta com os 760 reais cobrados por uma porção de 100 gramas de caviar sevruga. O beluga, seu velho conhecido e numa curiosa grafia com dois l’s , também figura ali pelo mesmo preço, o que é uma injustiça às ovas maiores deste último. Uns versos do Zeca Pagodinho vêm à mente, você os espanta e verifica que o restante do menu é bem menos flashy e bem mais condizente com as Condições Normais de Temperatura e Pressão de outros bares que você freqüenta, como as irrepreensíveis bruschettas de azeitonas, aspargos e prosciutto que chegam à sua frente e que fazem a alegria de papilas gustativas até menos qualificadas que as suas. É claro que os uísques 8 anos não precisavam custar 19 reais, e mesmo os 36 cobrados pelo Lagavulin cruzaram sem mais a linha que separa o reembolso honesto de custos da mera exibição.

Por curiosidade e insensatez, você pede o drinque que leva o nome da casa, vodka misturada com sucos e licores, e descobre que ele pertence à nefasta categoria dos “drinques para moças”, adocicado e onipresente em todas as mesas onde há pelo menos uma delas. Rápida substituição por uma caipirinha impecável e a noite segue tranqüila, singrando sem adernar. Em relação às instalações magníficas e algo austeras do bar nos tempos em que ficava na rua Amaury (com paredes forradas de um mármore italiano que, no dizer de um amigo, equivaliam ao PIB da Somália) e que fizeram o local ser incluído naquela lista meio estapafúrdia da Wallpaper dos “Vinte Melhores Bares do Mundo”, as novas dependências são um tanto acanhadas e forçam as tintas na ambientação “par delicatesse, j’ai perdu os anos setenta”. Mas o serviço é sempre e invisivelmente extraordinário, e a nova hostess, ainda que não esteja à altura - literalmente - da anterior , é uma loirinha simpática e terrestre vinda de algum lugar entre a praia da Baleia e a de Toque-Toque Pequeno.

Em meio a estas e outras divagações, você é lentamente desperto pela raison d’être do bar: a voz de Carlos Fernando começa a brincar com os primeiros versos de “They can’t take that away from me”, você sorri mentalmente quando ele canta, afinadíssimo, “the way you sing off key”, e também quando pensa que a nova rua onde está instalado o bar em nada lembra a “bumpy road” a que se refere a letra. “It had to be you”, com inflexões inesperadas, vem a seguir e só confirma a boa impressão que os irmãos Gershwin haviam deixado em seus ouvidos. O sofá abraça você com mais camaradagem, as vozes da clientela de quinta diminuem, você finge não ver que a lôra à sua frente acaba de enfiar sorrateiramente na bolsa o mexedor de prata que acompanha os drinques, e nem mesmo os arroubos pedrinhomattarescos do pianista conseguem perturbar aquela benquerença sólida que só uma voz impecável (alguém ainda duvida que ele seja o melhor cantor brasileiro dos últimos e não tão últimos tempos?) e um repertório de standards do cancioneiro brasuca e americano podem proporcionar. Já são duas da manhã, você, definitivamente, é um sujeito melhor, o mundo não é de todo mau e até aquele seu chefe, perdido no insalubre escritório, se lhe aparece como uma boa pessoa. Bem-vindo aos eflúvios do Baretto.

Nota: 10 graals pra cantoria e pra qualidade da bebida, 7 pro décor e 5 pros preços, média de 8 graals, nada mal, mas insuficiente pra botá-lo na nossa exigente e inexistente Lista dos 20 Melhores Bares do Mundo.
11:01:32 - Zeno -

11 Fevereiro

Bar Balcão

O Balcão completou recentemente dez anos de existência e queiram os deuses que ele tenha mais vinte ou trinta pela frente. Alguns sanduíches são sensacionais, o chope melhorou consideravelmente nos últimos anos, o hamburger é primoroso – peraí, não vamos analisar o bar, não, que tem gente aqui no blog mais capacitada do que nós. Só uma observação: é o bar onde mais gastamos dinheiro na última década, e nem somos amigos do dono. O mapa da azaração cultivada, reproduzido abaixo, é da autoria de Celso Pazzanese.

croqui balcão
06:01:00 - hubbell -

08 Fevereiro

barter, o préstito

depois de dar uma geral na sala da comparsa, pintou um carrinho de chá, até então soterrado por quilos de plantas e, claro, pronta/e promovido a bar do lar.
decorado humilde pero galhardamente e inaugurado por um alegre johnnie walker rede (presente da sogrinha feliz, já q. a filha parou de ter asma bebendo - bem q. eu tinha falado q. só podia ser pela companhia, aonde já se viu cana dar asma?), ato contínuo foi batizado: barter, o mordomo ingrêis do miionário minero.
desde então, tem prestado valioso serviço, sempre disposto a fazer algool pela alegria da casa.
precisamos ir lá, vcs. vão gostar do cara.
cotação: 7,5 graals.
14:48:24 - John Self -

04 Fevereiro

Tiro Liro

Na esquina das ruas Cajaíba e Cotoxó, que no dizer do John Self, aqui do blog, era conhecida anos atrás como Cotóxico, pelo perfil heavy user dos que lá habitavam, fica o simpático bar Tiro Liro, inaugurado no ano passado e pertencente ao mesmo clã do ex-Pé Pra Fora e do Dona Felicidade, outro bom bar na Lapa. O ambiente tranqüilão, de bairro, ajuda na camaradagem entre os fregueses, e se você deixar, o Sidney, garçom enturmado, entabula conversa que vai dos cálculos aritméticos envolvidos nas fitas de dosagem das bebidas até a porcentagem de uísque falsificado existente nas danceterias de São Paulo (90%, segundo ele). Dois fatores, no entanto, impedem a ingestão industrial de álcool: o horário do bar, que fecha cedo por causa da vizinhança, e a topografia das ruas do entorno, cheias de aclives e declives que são os predadores naturais dos pobres pés-de-cana desta cidade (donde se conclui que bom, mesmo, é encher a cara em cidade litorânea, onde o único perigo reside naquele troço imenso e aquoso que fica paradão à sua frente, vulgo oceano). A dose do Johnny Red custa honestos dez reais, e se você comprar a garrafa (R$ 95,00), o néctar sai por R$4,75, quase o preço do chope. Bons petiscos, generosa picanha por 19 mangos, e estamos conversados. Dependendo do estado em que você sai de lá, o nome do bar muda pra Xiro Liro Li, Xiro Liro Lá, que funciona também como homenagem ao Osmar Santos.

Nota: 8 ou 8,5 graals, pela simpatia padrão Perdizes.
12:12:05 - Zeno -

.:: mês anterior :: :: :: :: February 2004 :: :: :: :: próximo mês ::.