:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Todos

Todos os posts do mês. Para selecionar uma seção, clique no menu ao lado.


.:: mês anterior :: :: :: :: October 2004 :: :: :: :: próximo mês ::.

29 Outubro

18 pontos na carteira e seis meses de internação

Tenho um amigo que sofre de excesso de velocidade mental.

(da série "Doenças da vida moderna", ou "Etiologias urbanas", ou ainda "Cada um sabe onde lhe aperta o sapato")
11:08:49 - Zeno - 10 comentários

28 Outubro

O Ziraldo da era digital

Eu nunca recebi e-mail de penis enlargement.
17:53:44 - Zeno - 6 comentários

Vênias latejantes

Por motivo de gripe maior, um, e de vagabundagem da grossa, outros, o blog passou os últimos dias pós-aniversário sem atualizações. Desculpas à nossa seleta audiência, pois, e, como oferenda mimosa, uma estatística daquelas sem as quais não viveríamos, fruto de complicada operação aritmética: dividindo 798 (a quantidade de textos publicados aqui) por 365 dias, temos uma satisfatória média de 2,186 posts por dia - bem melhor que o desempenho doméstico noturno de boa parte dos membros do blog.
17:52:10 - Zeno - 8 comentários

23 Outubro

Tristeza

Ontem, 22 de outubro, o Hipopótamo Zeno fez 1 ano. Esperamos anciosos (sacou o trocadilho?) as dezenas, quiçá centenas, de posts, emails e telefonemas de congratulações e nada. NADA! Ninguém se dignou a uma mísera menção. Só o Marcos Faraó. E ainda por cima errou a data.
13:49:42 - Sorel - 15 comentários

22 Outubro

Espírito Santo a 12% ao ano

Esteve em toda a mídia desde ontem, mas principalmente no blog Ócio e Ofício: o Papa advertiu aos fiéis que o dinheiro não compra tudo.

Repercussões:

- o Cardeal Imbroglio Calvi, do Banco do Vaticano (o Istituto per Opere Religiosi), desmentiu.

- Paulinho da Viola confirmou.

- Tudo não foi encontrado para dar sua versão.

- a Mastercard estuda ação judicial.

- o Sindicato de Caminhoneiros elege Sumo Pontífice frasista do ano.

- Marta Suplicy diz que já sabia.

- Duda Mendonça não pôde dar declarações.

- Eduardo Suplicy deu declarações, disse que apóia Marta, que ainda acredita na vitória, que ganhou beijo de Joan Baez, que gostou do último (sem trocadilho) disco do Supla, que Heloísa Helena e ele são apenas bons amig...

- Hipopótamo Zeno até agora não entendeu qual é a do Sumo.
19:07:26 - Zeno - 2 comentários

Uma lady

Ontem, no programa do Leão Lobo, assisti a Lady Francisco agradecer, em rede nacional e com lágrimas nos olhos, à sua cachorrinha, já morta, pela 'força' que ela lhe deu quando estava escrevendo sua autobiografia.

Lôco, né?
10:55:46 - Sorel - 6 comentários

20 Outubro

O Inbox, essa caixinha de surpresas

"Normando inventa pílula que perfuma os peidos", nos odores menta ou estragão. [Leia mais!]
12:19:19 - Zeno - 3 comentários

O horror! O horror!

Prepare-se para o dia 8 de novembro. O caos vem aí.
12:09:09 - Sorel - 3 comentários

Astor

O Astor é um bar a la Erich von Stroheim, aquele cujo slogan publicitário, no tempo em que ele ganhava a vida como ator em Hollywood, dizia "The man you love to hate". Confesso que gosto de falar mal do Astor, e sempre dou um jeito de ir lá pelo menos uma vez por semana para, hum, conferir e atualizar minhas maledicências. A comida é excelente, às vezes superlativa. As bebidas preparadas, corretíssimas. Tem ostra. É caro, ou pelo menos mais caro que a média dos botequins freqüentáveis. Tem chope-com-colarinho-falsificado, que virou regra em praticamente todos os bares paulistanos que alardeiam "chope cremoso". A clientela é de quinta, uma gente esquisita, sôfrega de paquera, que desfila seus outonos recauchutados à base de muita acadchimia, pôncio pilates, bronzeamento cremense e iôuga. Saudosistas reclamam que lá funcionava o Marina Grill, bar/restaurante com a melhor janela-de-pôr-do-sol da cidade (à direita da entrada, no canto), imbecilmente tapada depois da reforma que gerou o Astor. Na contabilidade geral, um segredo balança as coisas a favor do bar: de segunda a quarta, às vezes quinta, dá pra pegar uma mesa na parte do baixo, geralmente vazia, pedir a garrafa de Juanito Andarillo Rojo do John Self, aqui do blog, que está lá em sua 17o. encarnação (a garrafa, não o John), refestelar-se no sofá e ouvir a excelente seleta musical-jazzística do som ambiente, coisa impossível na estridência aflitiva do andar de cima

Nota: 9 graals pro andar de baixo, 5 pro de cima, 8 pra comida e 3 pra fauna. A média aritmética, claro, varia conforme o nível de álcool consumido.
11:56:38 - Zeno - 5 comentários

19 Outubro

Definição de blog

"(...) conversa íntima, indolente, desleixada (...): conta mil coisas, sem sistema, sem nexo; espalha-se livremente pela natureza, pela vida, pela literatura, pela cidade; fala das festas, dos bailes, dos teatros, das modas, dos enfeites, fala de tudo, baixinho, como se faz ao serão, ao braseiro, ou ainda de verão, no campo, quando o ar está triste. Ela sabe anedotas, segredos, histórias de amores, crimes terríveis; espreita porque não lhe fica mal espreitar.
Olha para tudo, umas vezes maliciosamente, como faz a lua, outras alegre e robustamente, como faz o sol; (...) tem uma doidice jovial, tem um estouvamento delicioso: confunde tudo, tristezas e facécias, enterros e actores ambulantes, um poema moderno e o pé da imperatriz da China; ela conta tudo o que pode interessar pelo espírito, pela beleza, pela mocidade; (...) está aqui (...) cantando, rindo, palrando; não tem a voz grossa da política, nem a voz indolente do poeta, nem a voz doutoral do crítico; tem uma pequena voz serena, leve e clara, com que conta aos seus amigos tudo o que andou ouvindo, perguntando, esmiuçando."

Do blogueiro Eça de Queiróz, em 6 de janeiro de 1867.

(crdt r. anderáos, no Link)
13:28:40 - Zeno - 1 comentário

18 Outubro

De pato pra ganso

Deu no UOL: "Milhões de patos são mortos na Ásia para conter gripe do frango".

Lôco, né?
14:17:42 - Zeno - 5 comentários

Link

Temos certeza de que você passou um domingo mais agradável por conta da reforma gráfica do jornal O Estado de S. Paulo. No mesmo espírito de rejubilação, nesta manhã cinzenta de segunda-feira, o blog Hipopótamo Zeno saúda o novo caderno verde-água do jornal, o Link, e pede à nossa seleta nanoaudiência que compre o jornal (uma assinatura, então, ahh) e prestigie um dos novos colunistas de lá, para que, com o aumento da popularidade do moço, ele crie vergonha e salde um dívida uisqueira junto à Direção do blog. Obrigado.
08:25:48 - Zeno - 4 comentários

16 Outubro

Etilíricas

bar esotérico classudo

eu escol

ela brâmane
14:21:40 - Zeno - Comentar

15 Outubro

Funeral em Berlim (1966)

Varig, Varig, Varig

Pra quem viu o filme em uma longínqua madrugada insone (em várias também serve) da TV, a boa notícia é que a cópia em DVD está com imagem excelente e preserva o formato widescreen original, no lugar das costumeiras mutilações da tela cheia televisiva. O filme, o segundo de uma série de três, e o personagem principal, o espião desglamourizado Harry Palmer, foram vendidos à época como antídoto para o escapismo bondiano, mas é curioso perceber que a equipe de realização dos filmes (o produtor Harry Saltzman, o diretor Guy Hamilton, o cenógrafo Ken Adam) é a mesma que cuidava da série 007 – ou seja, ganhavam dinheiro dos dois lados da bilheteria e de um lado só da Cortina de Ferro. Não me lembro muito do livro, lido num pocket meia boca desses de aeroporto, mas não era nenhum John Le Carré da boa fase (embora o autor, Len Deighton, também tenha corrido na mesma raia de Carré nos anos sessenta, a da “espionagem com cara humana”). Mas espionajófilo ou berlinófilo que se preze não vai perder a chance de acompanhar personagens ambíguos, cenários decrépitos e uma trama enrolada que parece não ir a lugar algum – o (bom) cardápio costumeiro dos filmes negros da Guerra Fria. Até os táxis da cidade eram pretos nessa época. E a propaganda da Varig era, suponho, gratuita.
07:10:00 - Zeno - 2 comentários

14 Outubro

Aumente seu vocabulário, ou O melhor da Itália é o italiano

"Infelizmente, Buttiglione perdeu. Pobre Europa, os cullatoni ('afrescalhados') estão em maioria no Parlamento Europeu."

Mirko Tremaglia, ministro italiano, membro da turma da pesada da Aliança Nacional, comentando a não-indicação de seu conterrâneo e fratello Rocco Buttiglione para a Comissão Européia de Justiça, em nota da Agência EFE.

(Jemesouveio rápido: sou do tempo em que Buttiglione era apenas o nome de uma comédia italiana chinfrim, dessas de madrugada sessão coruja, em que os créditos eram exibidos ao som de uma tropa de soldados que cantava "Buttiglione, Buttiglione!!")
09:16:34 - hubbell - 7 comentários

13 Outubro

O Congo e a Sétima Arte

Por conta do entusiasmo pelo último filme de Michael Mann, Colateral, resolvi ir atrás do filme anterior de Mann, "Ali", de 2001, que acompanha a carreira do boxeador desde os tempos de Cassius Clay até o estabelecimento da lenda Muhammad Ali. Vendo o filme, descubro, ou recordo, já não sei, que a famosa luta entre ele e George Foreman aconteceu no Zaire, (ZaÍr na pronúncia francesa bacanuda dos rapazes de lá), e foi promovida com terceiras intenções pelo ditador Mobutu, um daqueles nomes que permanecem na memória escolar de quem tem 40 anos ou mais (idem para Papa Doc e Baby Doc, Rafael Trujillo, etc). Dias depois, a GNT reprisou o documentário de 1996 sobre a mesma luta, "Quando fomos reis", que mostra cenas impressionantes dos bastidores da luta e um pouco do cotidiano da população em Kinshasa, a capital do país, cenas que foram depois aproveitadas por Mann na biografia de Ali. Acontece que o Zaire, desde 1977, já não chama mais Zaire, e sim República Democrática do Congo, que foi também o nome do país entre 1964 e 1971. Pra complicar, da Independência, ocorrida em 1960, até 1964, o país se chamou apenas República do Congo. Acontece que o herói da Independência foi Patrice Lumumba, biografado num filme extraordinário chamado "Seduto alla sua destra" (“Black Jesus”, na edição americana em DVD), do mestre Valerio Zurlini, com o johnfordiano ator Woody Strode no papel do líder revolucionário preso e torturado na cadeia pelo novo regime militar que assume o país. Acontece que, antes de ser independente, o país foi colônia belga, pelo menos desde 1878, com o nome de Estado Livre do Congo, que depois, em 1908, foi alterado para Congo Belga. Acontece que o Congo Belga é o cenário de algumas das melhores e mais horripilantes histórias de Joseph Conrad, como há de lembrar o leitor do "Coração das Trevas" e o espectador do "Apocalipse Now". Acontece também que o primeiro projeto que Orson Welles propôs para a RKO, antes de "Cidadão Kane", foi justamente uma versão em câmera subjetiva da novela de Conrad. Por fim, quem leu o melancólico livro "Os anéis de Saturno", do escritor alemão W.G. Sebald, não esquece tão cedo as ignomínias cometidas pelos belgas quando estiveram por lá arrancando o couro literal dos nativos congoleses – é voz comum descrevê-las como a mais sangrenta exploração colonial do séc. 19. Do curto-circuito acima não resulta nenhuma conclusão, como se poderia esperar, mas dá pra entender um pouco melhor a atitude entusiasmada dos moradores de Kinshasa ao verem Muhammad Ali apanhar, apanhar, apanhar durante oito assaltos pra depois, com grande estilo, derrubar com um nocaute sensacional o grandalhão Foreman (sim, o mesmo das grelhas, mas isto é uma outra história).
19:12:24 - Zeno - 6 comentários

Cata-corno Google*

Os leitores mais antigos do blog devem se lembrar de um post escrito em homenagem à atriz Angie Cepeda, colombiana que abrilhantou o filme "Pantaleão e as Visitadoras" e que mostrou, por A mais B, que não só Deus é colombiano, e não brasileiro, como ainda por cima é ex-funcionário do Pablo Escobar. Pois bem, o título do post era "Mulhe*es nu*s Lua*a Piova*i fr*e pi*s Par*s Hilt*n", uma brincadeira com os sites pornô da Web que listam tudo quanto é palavra, hum, picante, para poder aumentar a linkania do Google e ganhar mais visibilidade. A brincadeira, porém, acabou dando certo demais e com ela veio a aporrinhação: não há semana que passe sem que algum punheteiro entre no blog atrás de foto de mulher pelada, vídeo de sacanagem, freiras nuas amarradas em barcos da classe laser e demais mimos eróticos. Aproveitemos então a oportunidade para reiterar: nós não vendemos, doamos ou negociamos fotos, vídeos, pôsteres ou apetrechos vibratórios de qualquer freqüência. Não temos nada contra, já visitamos até serviços dessa natureza, mas nossa aspiração, aqui no blog, é mais elevada que a mera lubrificação do teclado com substâncias viscosas e fecundantes. Obrigado.

(*a expressão é do André Dahmer, das excelentes tiras dos Malvados, que costuma encimar suas historietas com expressões do tipo "terapia pela internet", "como driblar radares", "material para pesca", etc.)
17:30:50 - Zeno - Comentar

Que mané apontador.com.br

Lembra daquele apartamento ajeitado que você teve na Rue Ordener, número 100, em Paris? E daquele estudiozinho charmoso na Calle de Prim, 15, em Madri, onde você deu novos significados sexuais à agitação da movida madrileña? Pois bem, já há algum tempo é possível matar a saudade destes e de outros endereços europeus bacanas com o site Pages Jaunes, que fotografou cada um, repito, cada um dos prédios e construções de 21 cidades na França e na Espanha e botou tudo à disposição na rede. É possível ainda checar, em cada rua, a vista que se tem dos dois lados (se você quiser atravessar com cuidado), ver o prédio imediatamente em frente ao endereço buscado, os prédios vizinhos e outras mumunhas citadinas mais.

(crdt sil)
16:41:07 - Zeno - 3 comentários

07 Outubro

Adicional por insalubridade - parte 2

O pesadelo da Sala 07
(Parte 1 aqui; crdt ms)
12:49:01 - Zeno - 4 comentários

05 Outubro

etilíricas fêmeas

bar bonébermudão

eu veuve clicquot

ele skol & schin
13:19:24 - John Self - 1 comentário

Etilíricas

bar assimétrico

eu chivas regal

ela batidão

(crdt bndes)
11:41:00 - Zeno - Comentar

03 Outubro

mais eleitolíricas, ou as delícias do voto ñ-útil

6 pó falá o q^. quizé, prámim hoje 'tá tudo bom.
a melhor festa ñ é carnaval, q. nada.
é eleição.
acho mt. bonito ver todo mundo (quase) em paz, indo resolver devagarinho o q. puder.
é devagar, m/o, q. a gente chega lá, é só ter um pouquinho de paz-ciencia (cf. leonel), afinal, catzo, são uns 470 anos de elitismo etc. q. tem de se superar.
sô'cê for ver direito, o nosso perfil político q. se vê desenhando nessa eleição vai de centro-esquerda, e nacional -no jeito daqui, claro:
um partido, progressista, de base intelectual-popular vai se enraizando nacional/e; vai, natural/e, se prostituindo no acordo histórico da nossa socie// anti-revolução-burguesa-contratualista, e vai se corrigindo como pode -mt. cordial/e; um outro, grupo de intelectuais uspaulistanos típicos, vai tendo q. dar, finally, satisfações públicas de seus atos políticos c/ a coisa (o conheci/o) pública...

fora o resto, q. se vai superando voto a voto, q. nem uns zumbis q. ainda insistem por aí: dedilhar aquela doce eletro-urna, ouvir aquele tininho, me dá a agradabilíssima sensação de q. vou enfiando uma acha de lenha no coração(...) de alguns senhores das trevas q. me encheram o saco por quase toda minha vida consciente.
p/ mim, humilde/e -dada nossa história coletiva-, já é um prazer q'eu nem te conto.
22:54:57 - John Self - 8 comentários

eleitolíricas, ou o pogréssio e o porvir de milho

deu no ig:
Eleições 2004: Gretchen é presa em Goiás por fazer boca-de-urna

ñ, ñ é o q. vcs. pensam.
e ela ainda pegou a coordenação de campanha do cara.
e tudo isso no goiás, é mole?
e pensar q. vi aquilo tudo só terra bravia e gado, sô...
22:17:49 - John Self - 6 comentários

02 Outubro

Etilíricas

bar acadêmico

eu pós-doc

ela iniciação

(crdt cnpq)
11:39:59 - Zeno - 1 comentário

01 Outubro

xii...

rapazes, tratem de ir se virando...

(crdt john self)
12:09:21 - Zeno - 4 comentários

Fuja Logo e Demore Para Voltar

A Direção do blog costuma receber, de tempos em tempos, reclamações de amigos de boa alma preocupados com o desperdício de espaço e público aqui no Hipopótamo Zeno: "Por que vocês não falam de literatura, de filosofia, de coisas mais sérias e relevantes, enfim?". O post sobre o livro do Conrad foi para tranqüilizar essas poucas vozes, mas elas insistem. Como nossa preferência é sempre pelo meio-termo, aconselhados que fomos pelo Estagirita, seguem uns pitacos sobre um romance policial recém-publicado pela Companhia das Letras e com o curioso patrocínio do Ministério Francês das Relações Exteriores: Fuja Logo e Demore Para Voltar, da bela – a julgar pela foto da contracapa – Fred Vargas, "historiadora e arqueóloga medievalista nascida em Paris, em 1957", ou seja, ainda dá um caldo. [Leia mais!]
07:09:00 - Zeno - 9 comentários

.:: mês anterior :: :: :: :: October 2004 :: :: :: :: próximo mês ::.