:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


...ou então miojo

Nossas impressões sobre as cozinhas do mundo - a contrapartida sólida da Busca do Graal.


.:: mês anterior :: :: :: :: August 2005 :: :: :: :: próximo mês ::.

31 Agosto

Trutas do Rocio

Em primeiro lugar: é Rocio, à moda lusa, e não Rócio como teima a paulistaiada. Trata-se de um criatório de trutas que aproveita o excedente da produção para atrair turistas servindo receitas simples, cujo frescor dos ingredientes e o ambiente paradisíaco determinam a diferença. Um único senão: fica na estrada que finda no radar do Cindacta —aquele que pára o tráfego aéreo do Sudeste inteiro quando resolve dar tilt—, em Petrópolis, serra fluminense. Longe demais de São Paulo, portanto. Mas ainda assim, e talvez por isso, vale a visita.

O restaurante é uma casinha junto a uma quase caverna, no meio do mato, depois de uma alameda de hortênsias e antes dos tanques das futuras refeições. Caseiro e aconchegante como deve ser. Se fizer dia bom, comer nas mesinhas ao ar livre é chique no último. A derradeira vez em que lá estive fazia 4º C e chovia cântaros, mas a truta com mostarda e mel me reconfortou. Vá antes de outubro, de preferência, que é quando os peixes estão na sua melhor forma. Se nem o passeio, a refeição ou o ambiente lhe agradarem —você deve ter um problema; discuta com seu analista—, arrisque uma visita só para ver a Luciana, a proprietária, que além de extremamente gentil, tem aquele sotaque matador dos esses chiados e é uma gata.

Nota: 9,0 miojos, porque nem mesmo um paulistano merece viajar tanto por tudo isso.
22:40:54 - Pinto -

25 Agosto

Casa Portuguesa

Os recentes posts cabecinha me deram fome. Lembrei então de um restaurante ali na Cunha Gago, esquina com aquela rua que margeia o Fnacão e cujo nome ignoro. Não, não é a Pedroso. Em Pinheiros, claro. Lá fica a Casa Portuguesa, mas não se deixe iludir pelo nome óbvio, que os patrícios não são conhecidos por sua criatividade nesse aspecto. Para eles, homem é "Manoel" (ou "Joaquim"), mulher é "Maria", padaria é "Dengosa" e restaurante é "Casa Portuguesa" mesmo. Menos mal. Deixem-nos ser óbvios na nomenclatrura e criativos na cozinha.

Feita a consideração, cabe dizer que é o melhor lugar de SP para comer bacalhau —literalmente falando. OK, pode não ser o melhor, mas àqueles precinhos só lá mesmo. (Se o público-leitor deste blogue gostasse de bacalhau barato não freqüentava o Photo, pensei em escrever, mas não vou!) Bacalhau bom, importado direto. O prato feito no almoço sai a R$12,50 e varia a cada dia. Já foi R$9,00, mas foi objeto de assunto na Invejinha, e aí já viu o desastre: inflacionaram preços e freqüência. Recomenda-se comedimento, unicamente porque ao final há aqueles doces que levam toneladas de ovos e açúcar. Sem drama: você sai de lá e vai flanar pelos sebos da redondeza, dá uma de intelectualóide e pretende esquecer que se entregara à glutonice minutos atrás. Todo mundo há de compreender.

Nota: 9,5 miojos.
16:03:12 - Pinto -

08 Agosto

Bi Gol

Parece jogo com placar de 2 X 0, mas é um daqueles "nomes abecedário" que caracterizam os restaurantes coreanos. Este fica na Aclimação, e foi onde três dos membros mais ativos deste blogue —vocês não conhecem, não— estiveram sábado numa incursão etílico-gastronômica, a tratar de assuntos republicanos e não republicanos. Ao contrário do que esperávamos, a famosa pimenta coreana não se fez tão presente, e o tal do Bul Gol Gui, o churrasquinho adocicado deles, combinou muito bem com o Soju, um surpreendente saquê com cevada e ervas.

Além do indefectível arroz, uma grande variedade de acompanhamentos vai distraindo o apetite enquanto a carne assa sobre uma chapa com um molho aguado. O Kimchi, conserva apimentada de acelga que faz muito bem à memória, me causou problemas para pegar no sono e, portanto, talvez seja mais apropriado ir ao almoço, mas nada que a boa relação custo-benefício não tenha valido a pena. Acostumado à bazófia dos restaurantes populares chineses, achei o lugar um tanto asséptico, mas vai ver foi obra da ocidentalização ou da Vigilância Sanitária.

Nota: 8,0 miojos.
14:23:24 - hubbell -

.:: mês anterior :: :: :: :: August 2005 :: :: :: :: próximo mês ::.