:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Tectum Intuentes

Ociosidade produtiva - textos reflexivos, anotações íntimas, sacanagens e demais ressentimentos.


.:: mês anterior :: :: :: :: October 2005 :: :: :: :: próximo mês ::.

31 Outubro

O patrão manda bem

"Truffaut foi o maior escritor francês das últimas décadas. É, escritor. Eu sempre digo isso para os alunos, e escrevo aqui: 'Depois daquele enrustido do Camus, do hipócrita do Sartre, da chata da Simone de Beauvoir, e daquele veado, o Gide, o único escritor francês que apareceu, e presta, é o François Truffaut'. O azar dos editores é que ele escrevia para o cinema, com uma câmara na mão."

Trecho do conto "Palavras cruzadas", in Discurso sobre o capim. Luiz Schwarcz mostra que não está onde está por acaso.
18:40:00 - Pinto - 4 comentários

25 Outubro

Le pirocón est mort

A Prefeitura de São Paulo vetou a construção de uma torre de 116 metros de altura ao lado do prédio do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista. O projeto havia sido apresentado no ano passado pelo arquiteto Julio Neves, presidente do Masp, como forma de ampliar as instalações e atividades do museu. Parte do acervo seria transferida para um edifício vizinho e sobre o imóvel seria erguida uma estrutura metálica com um mirante. A intenção era concluir a obra em julho de 2006.

Como interferiria numa área tombada da capital, o projeto teve que ser submetido ao Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp), órgão vinculado à Secretaria Municipal da Cultura e composto por sete integrantes. O conselho já havia rejeitado o projeto em fevereiro, mas a proposta foi reapresentada juntamente com um recurso. Nesta terça-feira, o Conpresp decidiu novamente pela rejeição, mas nenhum representante da Prefeitura explicou os motivos.

(crdt : globo online, conforme quisemos aqui)
22:49:01 - Pinto - 1 comentário

20 Outubro

Acabo de ganhar uma TV a cabo

Registro os sinceros agradecimentos aos meus bons amigos da TVA, que liberaram um pacote nec plus ultra aqui pra casa, incluindo as três HBO, o Cinemax, o Boomerang e mais uma penca de canais pra zapear em dia chuvoso. Isso sem eu jamais ter pedido a ninguém, desembolsado um puto ou assinado a bagaça. E sem nem mesmo sequer molhado a mão do tiozinho da antena!

Conforme ficou claro na escolha do novo James Bond: já não se fazem mais gatos como antigamente.
11:00:00 - Pinto - 6 comentários

19 Outubro

Agruras da modernidade

Já que tangenciamos o assunto: nem "Casseta" nem "A diarista". O melhor humorístico de ontem, quase ninguém viu, foi o "Observatório na TV", do incansável Alberto Dines, no qual Marilena Chauí reduziu a pó de traque um certo João Ricardo Moderno (quem?), presidente da Academia Brasileira de Filosofia (hã?), explicando as razões do seu (dela) artigo.

Uma googlada rápida e se vê que a tal Academia, cujo objetivo é popularizar sua raison d'être, parece não existir no mundo virtual; o CV do seu presidente, sim. De minha parte, nunca tinha visto tanto gabarito acadêmico combinar com juízos tão ao rés-do-chão. (Na dúvida, um compacto do programa estará disponível aqui.)

Como mérito, ele vem a ser "notório inimigo" de Ovário de Cavalo, mas para isso não é necessário nem muito Google nem muito estudo.
14:00:00 - hubbell - 7 comentários

16 Outubro

Veja

Sobre o referendo, é muito mais elucidativo do que o que dizem as revistas:
Alvo certo

"Uma em cada doze pessoas no mundo possui uma arma de fogo. A grande questão é como armar as outras onze."
01:18:33 - Pinto - 10 comentários

10 Outubro

Quem parte leva a saudade

Clodovil

Como diria Daniel Piza: uma lágrima para Clóvis Bornay.
12:11:01 - Pinto - 7 comentários

07 Outubro

Forfé

Já que tangenciamos o assunto, foi lançado ontem, na Livraria da Travessa, no Rio, "Opus Dei — Os Bastidores", dos autores Jean Lauand, professor titular de filosofia da FEUSP; Marcio Fernandes da Silva, juiz estadual; e Dario Fortes Ferreira, médico e diretor de um importante hospital de SP.

Segundo o boletim PublishNews, o livro questiona se a seita "está a serviço de Deus ou de manipulações humanas", e acaba denunciando "atitudes abusivas, preconceituosas, castradoras, oportunistas, a partir das quais se conclui naturalmente que a história que o Opus Dei conta de si mesmo absolutamente não coincide com o que os ex-membros relatam sobre ele".

Nota social: nenhuma autoridade do governo paulista, sempre tão antenado com a cultura —taí a Caras que não me deixa mentir, é só folhear—, se fez presente ao evento.
10:00:00 - Pinto - 4 comentários

06 Outubro

Inútil paisagem

aquarela dos eua

Recebi por email e achei digno de figurar aqui, já que ninguém posta mais nada nessa josta.

Reza a lenda que se trata do "lado leste da planície Carrizo, Temblor Range, a cerca de 50 milhas a oeste de Bakersfield, Califórnia". A foto é de 14 de maio, mas não tem crédito nem Photoshop.
11:11:56 - Pinto - 5 comentários

03 Outubro

Para que não acabe em Piza

Tenho estado afastado das bloguices e outras atividades internáuticas, como já deve ter percebido a gentil e fidelíssima assistência cá do hebdomadário eletrônico. Mas como acabei sendo surpreendentemente citado - ou ao menos, meu comentário - pelo senhor de Escarola, sinto-me na obrigação ética de responder.

1) Escrevi, sim, e reafirmo, que o senhor de Quatro Queijos é um rematado palpiteiro, cujos juízos impressionistas e impressionantes (suponho oriundos de alguma arcana fonte metafísica: o senhor de Alho e Óleo deve ouvir vozes, or something like that. Daimon socrático ou esquizofrenia?) são sapecados sem a menor preocupação com uma tolice na qual se baseou toda a tradição do pensamento ocidental, que atende pelo nome de "argumento". Não temos nem mesmo o recurso banal da informação lastreada em fatos (o que seria o mínimo de se esperar de um jornalista); não creio que alguém que se desse ao trabalho de uma pesquisa no Google fosse capaz de perpetrar sandices da sorte do enforcamento de Cristo (!!!??), do catolicismo (sic) de Bach ou da morte do marxismo e da psicanálise (um lugar-comum do "pensamento" conservador inane, do qual o senhor de Calabresa é lídimo representante). Resumindo: nem lógica nem empiria, para me valer de uma distinção conceitual importante da Filosofia. Está em Leibniz, Hume, Kant e Wittgenstein. Talvez o senhor com Borda Recheada encontre algo a respeito em algum dicionário ou enciclopédia (vide o item final).

2) Escrevi, também, que o senhor de Mussarela é uma cavalgadura; a afirmação foi feita, ao contrário dos chutes, achismos e cavilações estéticas do delfim (de meia-idade) do jornalismo cultural indígena, dans les textes , ou seja, a partir dos brilhantes artiguetes com os quais o senhor de Catupiry nos brinda o espetáculo bizarro de sua megalomania iletrada.
É que é difícil imaginar que alguém não inteiramente demente seja capaz de escrever as aforementioned pérolas sapienciais. Quer dizer, contando, ninguém acredita.

3) A questão aqui, pois, não é tão-somente de pura cretinice. É também de cunho ético, já que picaretagens desse naipe são lidas por pessoas que talvez não tenham discernimento crítico para separar o joio do trigo. Portanto o senhor Napolitana não é apenas um imbecil completo. É socialmente e culturalmente nocivo.

4) Fomos acusados de "inveja" ou algo do tipo (não li a coluna do senhor Siciliana nesse domingo. Aliás, não leio há meses: o grau de cretinice que posso tolerar me impede um acompanhamento mais próximo das obras geniais do senhor de Massa Fina). Eu invejo muita gente: Schubert, Murilo Mendes, Wallace Stevens e Antonio Candido, por exemplo. Tudo é uma questão de padrão, seja ele intelectual, estético ou ético. Já houve tempo em que tais padrões formavam sistema e eram indiscerníveis; talvez tenham voltado a sê-lo, para o pior, a saber, o indigitado é simultaneamente uma besta, não sabe nada de Literatura ou Música ou qualquer forma de arte e é um canalha. Uma espécie de grego da era clássica em negativo, ou com sinal trocado.

5) Para concluir: em livrinho de sua atilada pena, o senhor de Frango escreveu o que julga serem os requisitos básicos para a Bildung de um jornalista cultural. O opúsculo é uma preciosidade, na qual o renomado escritor aconselha que os candidatos a também publicar seus opinionismos esporádicos devem:

1) Ler bastante.
2) Aprender idiomas.
3) Consultar obras de referência de Filosofia, como dicionários e enciclopédias.

Tirante a piada óbvia que seria de bom alvitre que o Moisés redivivo e autor dessa reflexão de extraordinária argúcia cumprisse suas próprias prescrições, o item 3 demonstra claramente a atitude leviana que é característica do sujeito: faça uma leitura perfunctória, escreva aí umas bobagens já que ninguém sabe nada mesmo, vamos nos travestir de críticos virulentos (pero no mucho, que somos filhinhos conservadores e amamos o capital e as benesses de amanuense), and so on.

Era isso. Podemos julgar, creio, e não ao sabor de nossas disposições hepáticas ou do movimento das marés, quem é leviano.
20:47:22 - hunter - 9 comentários

Ceará, terra de contrastes

Como o Sertão andou em voga aqui nos últimos posts, recordei da historinha a seguir. Não declino os nomes por não poder comprovar-lhe a veracidade, mas a repasso pelo preço que me venderam, dando como certo o ocorrido numa localidade rural próxima a Sobral, cidade onde sempre há precedentes para tudo.

Consta que uma comitiva de senadores visitava o local ermo e seco, inspecionando as obras para construção de um açude. Famintos, bateram ao casebre de um nativo e propuseram comprar uma refeição, que consistia unicamente de um ovo frito para cada. Saciaram-se e perguntaram quanto seria o prato:

— Quinhentos reais* — respondeu a humilde dona da casa.

— Puxa vida! Como é caro! Ovo deve ser coisa muito rara por aqui — obtemperou um arguto congressista.

— É não senhor — prosseguiu a mulher. — Coisa muito rara por aqui é senador.

* Os valores foram atualizados para melhor percepção do público.
18:03:06 - Pinto - 1 comentário

.:: mês anterior :: :: :: :: October 2005 :: :: :: :: próximo mês ::.