:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Todos

Todos os posts do mês. Para selecionar uma seção, clique no menu ao lado.


.:: mês anterior :: :: :: :: March 2006 :: :: :: :: próximo mês ::.

31 Março

Diálogos do setor público

— O pessoal da repartição anda reclamando que você não aparece pra trabalhar.

— Ué, sumir pra trepar, tem coisa melhor?

— Trepar e sumir?
16:03:49 - Zeno - 6 comentários

30 Março

El Pampa, tierra de contrastes

Vou-me embora, vou-me embora, Prenda Minha.

(crdt : organizações el pupo, com direito a dedicatória pro pessoal que mora na R. Pelotas)
16:15:00 - Pinto - 1 comentário

O jornal que faz au au

Este blogue já desperdiça um bocado de tempo da redação e de sua condoída nanoaudiência (que insiste em nos visitar sabe-se lá por quê; pressuponho sadismo) exercendo o ombudsmanato de tudo o que não presta no mundo. Por conseguinte, é lícito apontar nossas antenas para a atual campanha do Estadão para arrebanhar leitores da classe C e D que, por acaso, ainda não foram apresentados ao advento da internet, vulgo os mano.

Para quem está fora de SP, um resumo: jinglezinho chato, em ritmo de rap, cantado por um sujeito francamente acometido de cólicas, contrapõe as mazelas do jornal "inho" com as virtudes do jornal "ão" ("inho é nonimato, ão é solução" etc.). O refrão é "ão, ão". Jornal é pronunciado com o R da Zona NoRte (o mesmo de Piracicaba e da fiRma). As imagens exaltam formadores de opinião-ão-ão como Fernanda Syang, Zé Celso, Luciano Huck e outros menos votados, alternando expressões de aprovação e reprovação, sendo que o telespectador não distingue qual é qual.

Afora a concepção errônea de cabo a rabo e a presunção de que os mano, sabendo-os letrados, vão compreender a mensagem binária e distrair seu tempo no buzão com, por exemplo, as mal-traçadas de um César "Blow" Giobbi, a campanha nos lembra de quando o diretor de arte aqui da agença termina de cutucar o mouse do miniMac.

A gente olha incrédulo pra ele e tasca: vem cá, tu acha isso bom?

Aliás, se eu fosse uma madama ali das imediações do Morumbi, daquelas que embargaram a estação do metrô que ia "denegrir" o bairro, cancelava já minha assinatura do Estadão, pela audácia.
13:04:30 - Pinto - 10 comentários

Realismo em uma lição

limpinho e asseado

(crdt: hermana sil, da seita Quino É Nosso Rei)
12:39:41 - Zeno - 2 comentários

29 Março

O mundo é mais complexo do que supõe nossa limitada capacidade cognitiva

análise combinatória

(crdt da imagem: nosso sumido mestre john self)
15:39:49 - Zeno - 3 comentários

Viva o embargo

O garoto nem sempre acerta, mas desta vez a crítica está sensacional: Kléber Mendonça lança uma sugestão de embargo que, endossada pelo insuperável Arnaldo Branco, merece nosso apoio e o de nossa nanoaudiência:

"A crítica brasileira pode estar se repetindo, mas talvez seja ela apenas a portadora das más notícias. Em relação ao modelo que o cinema brasileiro escolheu para "ser comercial e popular", o atual panorama é sombrio via globificação televisionada dos nossos filmes. A produção nacional seria tão mais animadora se abandonasse essa mania de fazer filmes como Gatão de Meia Idade (Brasil, 2006), sub-produto do raquitismo criativo que reflete a total influência de uma televisão de má qualidade no nosso cinema. E isso é, ao que parece, um padrão a ser seguido, vide os números de bilheteria auto-gerados de Se Eu Fosse Você, que já passaram dos três milhões de espectadores.

Gatão de Meia Idade, que não tem a carpintaria de Se Eu Fosse Você (nem terá o mesmo empurrão massificado de mídia), adapta a tirinha de jornal de Miguel Paiva para o padrão TV filmada de diversões brasileiras multiplexadas. O filme parece clamar por algum tipo de embargo federal contra comédias românticas cariocas, gênero que está virando terror.

Temos um homem de rabo de cavalo que já chegou aos 40, Cláudio (Alexandre Borges), divorciado e pai de uma filha de 12 anos (Renata Nascimento). O filme explora a relação dele com as mulheres ("comer" ou "queria comer mais") e as conversas de macho com os amigos ("essa, eu quero comer")." [Leia mais!]
15:33:31 - Zeno - 13 comentários

Diálogos artísticos

— Cê pode comprar grafite pra minha lapiseira?

— Que tipo?

— 0,9mm e 2B.

— Também conhecido como "Grosso e mole"...

— História da minha vida.
14:50:25 - Zeno - Comentar

28 Março

Entreouvido na reforma*

— Ah, mas essa coifa é muito cara!

— Precisa ver quanto morreu no chuveirinho de limpar c#%&§º¬½u...!

* O curioso diálogo acima deu-se entre um mestre-de-obras e um peão, vocês não conhecem não!
16:34:07 - Pinto - 6 comentários

Eu me lembro

Eu me lembro que o Lindomar Castilho cantava "Nós somos dois sem-vergonhas".
13:25:06 - Zeno - Comentar

É hoje!

E também maminha, lombinho e chuleta
11:56:00 - Zeno - 3 comentários

27 Março

Maus presságios

Quando o governo põe Mantega na economia não é boa coisa o que vem por aí.

E viva o país da piada pronta.
23:58:36 - Pinto - 3 comentários

24 Março

Padaria marcial

Deu no nominimo:

Justiça condena dois soldados gaúchos por sexo na padaria do quartel.

O chef da guarnição não esclareceu quem foi "pãozinho" e quem foi "forninho".

O balé das baleias

Se você não se importa de azedar o seu fim de semana...

http://noblat.plugin.com.br/tvcaangela20060323-01-001-wm.100.wmv

(Para quem não está ligando o nome à pessoa: deputada Angela Guadagnin, do PT paulista, comemora a absolvição de seu colega de bancada João Magno)

Até tu, Brutus?!

Deu na Inbox:

Sábado, 25 de Março de 2006

CAFÉ COM LEITURA APRESENTA RICARDO SOARES

Leitura de Cinevertigem (ed. Record). Evento gratuito. Das 12 às 13h.

Local do evento: Casa do Saber, Rua Dr. Mário Ferraz, 414 - Itaim. Telefone: 3073-0513.

11:49:56 - Pinto - Comentar

22 Março

A profecia

E né não?

E olha que isso foi publicado em 1971, muito antes de haver Shopping Frei Caneca e adjacências. Não, minto. Adjacências nessa época já havia.
14:14:43 - Pinto - 1 comentário

Miss Mundo

Deu no UOL

"Amadureci. Ser mãe me ensinou a compreender os outros. A fama me
permitiu viajar e assim entender melhor as coisas e o mundo. Hoje
tenho mais respeito e compaixão, e minha maior preocupação é a paz
mundial", confessou Sharon Stone.
10:38:07 - Sorel - 11 comentários

Vampiro Brasileiro

Deu no Estadão

Astronauta brasileiro vestirá uniforme 100% nacional

...O macacão, desenvolvido por Marília Fajardo Oliveira, tem características semelhantes aos modelos usados por pilotos de avião em todo o mundo. “O astronauta também é um piloto. A diferença são as aplicações dos bordados, a cor e o tamanho, feito sob medida”, disse Marília.

“Eles me pediram para fazer um exemplar idêntico ao dos padrões da NASA e eu fui atrás de um tecido que não amarrotasse e que tivesse a cor e toque similar ao modelo americano”, destacou.


Bordado? Não amarrotasse? Sou só eu ou você também acha que esse menino corre perigo?
10:31:43 - Sorel - 3 comentários

21 Março

Grandes enigmas urbanos contemporâneos

Afinal, ele fazia o que andam dizendo porque:

a) era padre?

b) era militar?

c) chamava-se Cheregato?
15:30:27 - Pinto - Comentar

Seu prestígio em polegadas

Nós sabemos como é difícil. A pressão publicitária, principalmente no setor de eletrodomésticos, é massacrante. Todos os dias, no rádio, na TV, no jornal, na capa da principal revista semanal do país, nos cartazes dos ônibus e metrô, em todos os lugares há um anúncio coloridíssimo mostrando as benesses das TV's de plasma a módicos nove mil reais ("e está baixando!", dizem seus amigos) e das LCD's, um pouco menores, a minguados sete mil. Sua mulher, a bem-intencionada, agita feliz um folheto com a promoção da videolocadora, que dará um ano de locações grátis se você comprar a nova TV com eles ("não é incrivel, a TV sairá uns dois mil reais mais barata!", e você pensa que existe uma realidade alternativa em que as pessoas gastam dois mil reais por ano nisso).

Você chega em casa, olha pra sua TV de 14 polegadas, menor que o monitor de um PC da década de 80, e se vê num beco sem saída. Como fazer para contentar mulher, amigos, seu gerente do banco, o mercado publicitário, os fabricantes e, mister confessar, seus próprios desejos?

Meu amigo, seus problemas acabaram! Hipopótamo Zeno, em mais um momento Tabajara, tem a solução que contempla todos os bolsos e que, sonhamos, será adotada pelo Governo Federal assim que a poeira da discussão do formato digital baixar. Nosso econômico lema é: "Aproxime Seu Sofá!". É muito simples, com pouco investimento tecnológico e pode ser feito mesmo por mão-de-obra não-especializada. Aplicável a diferentes layouts de sala, permite também que você mesmo escolha o tamanho da sua TV conforme seu coração mandar a cada dia, uma espécie de regulagem pixel-sentimental: "hoje sinto-me um sujeito 52 polegadas" – sem problema, basta puxar os centímetros correspondentes e fazer os ajustes necessários; "meu bem, não quero que você veja a sirigaita do Big Brother com este tamanhão de tela!" – certo, certo, aumente a distância corretamente e encolha a dadivosa.

A campanha "Aproxime seu sofá!" vem com uma tabela cientificamente elaborada por nossos engenheiros com a correspondência Centímetro Arrastado/Polegada da Tela, levando também em consideração outros fatores como largura do sofá, textura da superfície onde se dará o arrasto, resistência dos pés do sofá, cálculo de atrito, densidade atmosférica, luminosidade, o que fazer com a mesinha de apoio da cerveja, etc, etc.

É com o gáudio e a modéstia de sempre que esperamos estar contribuindo (alô, meninas do telemarketing!) para seu conforto e sua economia, nestes tempos de crescimento de PIB tão pequeno e aspirações tão grandes.

Obrigado.
Equipe Hipopótamo Zeno, subsetor Tecnologia.
O Brasil é de Todos. Uma polegada sozinha não faz revolução. Fale com seu médico. Pelé falaria.
11:46:01 - Zeno - 6 comentários

Tutti dixit

11:14:05 - Pinto - 1 comentário

20 Março

Guia Zeno de Profissões com Futuro Promissor

Faixa pendurada numa lodjinha de depilação perto da fiRma: "Temos Design de Sobrancelha". Como é que eu nunca pensei nisso antes?
13:57:45 - Zeno - 8 comentários

Em busca da filiação desejada II

on the rocks

Não é uma biografia irrepreensível, já que o personagem retratado queda, ao final, inexplicado como era no início, antes da leitura. Mas qualquer informação sobre Tarso de Castro é melhor do que nada, mesmo que algumas das histórias sejam conhecidas por quem já leu uma ou outra coisa sobre o criador do Pasquim. Primeiro destaque: Tarso era famoso pelas conquistas amorosas, sempre às voltas com namoradas lindíssimas. A mais famosa, claro, foi a Candice Bergen, que se enrabichou pelo rapaz nos anos setenta. Depois de idas e vindas, e depois de tê-la tratado não exatamente à altura dos dotes e qualidades da moça, ela se cansou e foi buscar consolo nos braços do cineasta francês Louis Malle, famoso pelos filmes da Nouvelle Vague e pela baixa estatura. Tom Jobim, ao saber da história, foi consolar o amigo de birita: "Num esquenta, Tarso, a vida é assim – dos Malles, o menor".)
12:53:33 - Zeno - 7 comentários

Em busca da filiação desejada

pai-de-todos

Não há nada, realmente nada, nas livrarias que valha mais seus suados caraminguás do que o volume acima, o primeiro de quatro previstos, com o Melhor do Pasquim. Não é fac-similar, o que é uma pena, mas já dá pro gasto. Nos próximos dias vamos postar aqui e ali algumas das muitas pérolas, com os direitos autorais evidentemente escamoteados.
12:37:56 - Zeno - 4 comentários

16 Março

Atenção para o mais novo truque da internet

Dando continuidade à nossa série recém-retomada sobre a canalhice masculina, recebemos via Inbox um e-mail Corrente de Santo Antônio que pode ilustrar mais um tópico da discussão, a saber, O Perigo Do Banana Que Quer Se Passar por Canalha. O texto recebido:

"Enquanto fazia um curso em outro país, um brasileiro recebeu uma carta de sua namorada pedindo que ele devolvesse a fotografia dela porque se apaixonara por um outro homem. O garoto ficou arrasado, seus colegas de classe tentaram em vão consolá-lo. Porém, no dia seguinte, ele pediu a todas as suas colegas mulheres (que não eram poucas) uma fotografia de cada uma, enviando-as para a ex-namorada com o seguinte bilhete: 'Desculpe, mas não me lembro qual é a sua. Pegue aí e devolva o resto.' Moral: A dor é inevitável... mas o sofrimento é opcional!"

Bueno, vamos lá. O que podemos perceber de errado na historieta acima? Basicamente tudo. Canalha profissa 1) não viaja pra estudar, a não ser que seja pra fazer o rapa nas coleguinhas multiétnicas da classe; 2) não namora alguém que manda "cartinhas" de alerta de chifre; 3) não fica "arrasado", mesmo porque igual à namoradinha corneadora tem umas vinte dando mole por aí; 4) não tem "colegas mulheres", aliás nem sabe o significado de tal oximoro; 5) só pede foto de mulher se for pra comê-la, não pra fazer fusquinha pra outra; 6) e último, nunca, nunca, em tempo algum, manda cartinha cujo significado implícito seja "Eu estou machucado por dentro mas vou superar você e seguir adiante com minha vida". Se liga, mané! Não caia nessas correntes de internet escritas por mulheres que se fazem passar por Canalhas Descolados. Daqui a pouco tu vai assistir à reprise daquele filme com o Jack Nicholson e a Diane Keaton ("Alguém tem que ceder", é isso?) e achar tudo lindo, só lamentando um pouco porque a Meg Ryan não está também nele.

Mais um Serviço Hipopótamo Zeno para salvar a Metade 2 Neurônio e Um Pastel da Humanidade.
18:42:55 - Zeno - 3 comentários

Ranking Luchino Visconti

Já dissemos em outro lugar que gostamos de todo tipo de ranking. Como homenagem aos trinta anos da morte do mestre Luchino Visconti (1906-1976), comemorados hoje (lembrança do viscontiano de carteirinha carlos f.), resolvemos arriscar uma lista com a filmografia, longas e principais curtas, acompanhada da avaliação boboca de 1 a 5 estrelinhas (em alguns casos, a lembrança do filme data de muitos anos, então seguem já desculpas por alguma avaliação equivocada); eis a lista: [Leia mais!]
13:00:22 - Zeno - 1 comentário

15 Março

A cura do gramatismo

Multiuso

crdt : a de sempre
16:24:09 - hubbell - 11 comentários

14 Março

Os Alckmistas estão chegando

Bom não é Alckmin e sua Opus Dei na Presidência.

Bom mesmo é o laquê de Gabriel Chalita e sua Opus... Dândi no Ministério da Educação e Etiqueta. [Leia mais!]
19:39:55 - hubbell - 1 comentário

Espírito de Pinto

Saúde!

Influenza dela.
15:28:51 - Pinto - 2 comentários

Etilíricas

barzinho à beira-mar, com conjuntivite

eu umectante

ela adstringente
13:44:07 - Zeno - 2 comentários

Etilíricas

boteco com conjuntivite

eu embaço

ela lustra
13:40:19 - Zeno - Comentar

Etilíricas

pub com conjuntivite

eu blur

ela oasis
13:38:04 - Zeno - 1 comentário

10 Março

Gatorade

— E aí, cê ta embarcando pra Porto Alegre?

— É, as filmagens começam na semana que vem. Preciso procurar uma academia por lá.

— Academia?

— Não pra freqüentar, lógico. Tu vai duas vezes por semana pra azarar. Num mês, são oito idas que te custaram umas 150 pratas da mensalidade. Digamos que renda em metade das vezes – quatro fulanas. Quero ver se tu acha um método mais barato de azaração.

(retomando uma antiga série do blog, iniciada aqui, sobre os meandros da canalhice masculina)
13:59:49 - Zeno - 1 comentário

Olhai as loiras do campo

brejeirice orwelliana

Juliana Cana, Barro e Mais Um Monte De Outras Coisas Telúricas.
13:36:01 - Zeno - 5 comentários

"Sou um cara assim meio Cênico, meio Fusion, sabe?"

Deu na Inbox, cortesia da newsletter da Tok&Stok, com a vírgula do original mantida: "Qual é seu estilo de Receber? Cinco coleções inspiradoras (...) para que você faça do receber, uma arte admirável. (...) Escolha a tendência com a qual você mais se identifica: Cênico, Étnico, Contemporâneo, Regional, Fusion."

Lôco, né?
13:23:15 - Zeno - 2 comentários

09 Março

Um herói do nosso tempo

Eu não vi, o filme só estréia amanhã, mas minha esposa franco-africana Íris viu na pré-estréia, conversou com o diretor e recomenda como o "melhor filme que vi este ano", tudo bem que estamos em março e os oscarizáveis e oscarizados deste ano, francamente... deixa pra lá:

Um herói do nosso tempo ("Va, vis et deviens")
Direção: Radu Mihaileanu
Com: Yaël Abecassis, Roschdy Zem, Moshe Agazai
Sinopse: 1984. Uma vasta operação leva os judeus da Etiópia para Israel. Uma mãe etíope cristã oferece seu filho para substituir um menino judeu que acabou de morrer. A criança, adotada por uma família de origem francesa ao chegar a Israel, crescerá com medo que seus segredos sejam revelados, descobrirá o amor, os modos ocidentais de viver e a guerra na Palestina.
Prêmios: vencedor dos prêmios Panorama e do Júri Ecumênico no Festival de Berlim 2005; prêmio César 2006* na categoria Roteiro original (além das indicações para Melhor Diretor, Filme e Música).

* e por falar em César, o grande vencedor deste ano (Filme, Diretor, Ator Coadjuvante, Atriz Estreante, Roteiro Adaptado, Música, Fotografia e Montagem) é aquele filminho mezzo simpático exibido aqui no Brasil no ano passado, De tanto bater meu coração parou ("De battre mon coeur s'est arrêté"). Olha, como dizia um amigo de longa data, "Menas, hein?" – não é pra tanto. Alguém mais viu o filme, além de um ou dois membros aqui do blog e da cambada de franceses com quem somos obrigados a conviver on a daily basis, como eles dizem lá na França?

(crdt dica: laurent c.)
13:30:40 - Zeno - 3 comentários

07 Março

Colo-reto-procto

— Não vou a esse médico que ele é alemão.

— E daí?

— Daí que eu tenho medo que ele me encare e diga com aquele sotaque: Eu vai currar você!
10:41:11 - Pinto - 1 comentário

06 Março

Prêmio Conar 2006

Nosso candidato antecipado ao título de melhor outdoor do ano (e não foi da lavra de ninguém aqui do blogue):

Esposa carente? Tome Virilon.
15:00:00 - Pinto - 2 comentários

Johnny & June

Two sons of Francis.
14:00:00 - hubbell - 1 comentário

Eu me lembro

Agora que a Bolívia voltou pro mapa da América Latina, mercê do presidente cocalero amigo do Lula, eu me lembro de uma campanha publicitária bolada no início dos anos oitenta, talvez final dos setenta ("quem se lembra dos anos loucos não esteve lá"), por um grupo de abnegados estudantes secundaristas freqüentadores do famoso Trem da Morte (saindo de Bauru, pujante cidade do interior paulista, e passando por Cochabamba – alguém ainda se lembra de Cochabamba? Aliás, passava mesmo por Cochabamba?):

Visite a Bolívia e conheça um golpe de estado
07:39:00 - Zeno - Comentar

Cruzada cívica Hipopótamo Zeno

Agora é tarde. Imbuído das melhores razões, e dentre estas a suprema, o bem-estar da sua família, você comprou o super-ultra-high-end-top-notch Filtro de Água da Brastemp. Aliás, você diz a si mesmo: "nem comprar, comprei, pago só uma taxa mensal!". Muito bem. Excelente. Água pura, livre de bactérias, fungos e impurezas nocivas. Parabéns. Bem pensado.

Acorda, mané! Tu comprou uma assinatura de água!!!! Se já não bastassem as assinaturas do celular, do telefone fixo, da TV a cabo, do provedor de internet, da banda larga, do gás, da luz elétrica, etc-esqueci-mas-tem-mais, agora descobriram uma nova maneira de extorquir caraminguás da rapaziada de boa índole e orçamento apertado. Nossa humilde sugestão: compra um filtro de barro, rapá!, desses xexelentos da sua infância, à venda nas piores feiras livres da sua cidade. Ou aqueles de parede, com refil do famoso "elemento filtrante", que funcionam bem à beça e servem até pra você encher as forminhas de gelo e não beber uísque turvo. Mas não, pelamor, não faça uma assinatura de água. Seu gerente, precocemente careca aos trinta anos, sua mãe, que sempre bebeu água da torneira, seu tio, que limpa com paciência aqueles tubos nojentos de 20 litros, seu cachorro, que sabe-se lá por que só bebe água em potes de alumínio, enfim, todo mundo ao seu redor agradecerá. Pode confiar.

P.S.: Sempre tivemos aversão às cruzadas cívicas feitas por manés para manés, como aquelas que a Rádio Jovem Pan ou a Eldorado promoviam com criativos adesivos de carro nos anos noventa ("Eu já fui assaltado", "Eu me envergonho dos vereadores de SP", "Eu plantei uma árvore no Tietê", etc). Esta é uma delas. Mas como testemunhamos um reluzente aparelho Brastemp recém-instalado na cozinha do Tio Ethan, nosso mais azedo comentarista aqui do blog, pensamos: se ele, o cruel dentre os cruéis, o vil dentre os vis, caiu, então quantas almas boas não cairão?
P.P.S.: O pior dessa história é que um membro do blog, arderá no inferno, ó desalmado, contribuiu para o sucesso do lançamento do produto-arapuca - não Posso INdicar Teu nOme, mas confio na justiça divina.
06:27:00 - Zeno - 3 comentários

03 Março

O pior cego é o que quer ver

Só pra continuar o papo proposto pelo Zeno. O que seria cantado depois da bandeira onírica? Duas, lá no armazém: My Man’s Gone Now (4,4MB), com a Cleo Laine, da opereta Porgy&Bess, gravada em dueto com o Ray, em 1976 (a faixa, por motivos óbvios, é só da Cleo). E, já que livre associação é de graça mesmo, um outro dueto a que nos referimos uns duzentos posts atrás, com o Carlos Fernando e a Marisa Monte, só que agora com o Ray e a Betty Carter, Ev’ry Time We Say Goodbye (4,4MB), gravada em 1961.
Como faixa-bônus, do primeiro disco, essa em dueto mesmo, Bess, You Is My Woman (5,1MB), sei lá, uma espécie de retorno do reprimido.

02 Março

Dormonid a preços imbatíveis

Last night you were dreaming
And I heard you say
"Oohh Johnny"
When you know my name is Ray

(crdt Ray Cego Mas Não Surdo Charles, "I believe to my soul")
18:50:06 - Zeno - 1 comentário

Onde a pata toma

Não obstante as aleivosias do Pinto, prenhes de conotações zoofílicas, o tio DJ Mandacaru comparece frente a essa distinta platéia para relatar expedição momesca à Serra Gaúcha (grotões tedescos), com o objetivo principal de descobrir o pato perfeito (não, Pinto, Genoíno é outro assunto).
O epicentro da região é a cidade de Gramado, perfeita para foliões convictamente desanimados como o locutor que vos fala. O auge da festa – pelo que pude testemunhar – durou exatos quinze minutos, tempo que um bloco de carnaval levou para atravessar a rua Coberta.
O primeiro pato foi traçado no St. Gaartens, com molho rôti e purê de batatas e ficou na base da pirâmide, com no máximo 7 Graals. O segundo infeliz já alçou novos patamares: no St. Hubertus, com molho de cerejas, delicioso mesmo para quem não gosta de misturar salgados com doces, 9 Graals. O terceiro, no simpaticíssimo Bistrot Brillat, centrão da cidade, na tal de rua Coberta. Aliás, o Brillat é “o” lugar pra quem gosta de ficar caneando e observando o grande espetáculo da raça humana indo pra lá e pra cá. O Brillat nos serviu um confit de pato, que estava no mesmo nível do St. Hubertus e,portanto, leva o mesmo número de Graals.
O quarto e último pato abalou profundamente as convicções atéias do DJ Mandacaru. Se existe, o Grande Cozinheiro do Universo estava fazendo bico no Edelweiss na terça-feira de Carnaval. Uma receita clássica – pato com molho de laranjas – elevada à categoria da perfeição graças a uma execução impecável. 10 Graals, só porque esse é o teto da escala. A bela donna que divide, entre outras coisas, essas expedições comigo há trinta anos, pediu um chucrute garni*, que incluía um kassler grelhado como nunca havíamos experimentado. Para beber, a cerveja Coruja, fabricada artesanalmente em Teutônia, casco escuro de 1 litro parecido com aqueles vidrões antigos de farmácias de manipulação.
De se lamentar em todos esses restaurantes, apenas a feia mania de triplicar o preço dos vinhos em relação ao seu custo no varejo.

*Ao contrário do Zeno, alemão não é minha língua
mater; mete a mão aí, seu Editor.

Aviso à praça

Às dezenas de leitores que continuam a se achegar diariamente aqui à procura de informações sobre a milagrosa dieta do Dr. Atkins: nós temos razões para crer que Dr. Atkins não morreu de colapso cardíaco.

Acreditamos que ele passa bem e incógnito. Apenas emagreceu o suficiente para não mais ser percebido pelo olho gordo da concorrência do mercado de dietas.

E deverá novamente vir a público no Dia do Torresmo Final.
10:30:00 - hubbell - 1 comentário

01 Março

B.O.

O pessoal da redação ficou contristado e envia a solidariedade ao secretário Andrea Matarazzo, que teve seu Rolecão "perdido" próximo à sua residência. Não pode.

— Fui roubado por dois assaltantes com pistola automática, dentro de um Audi A3, aqui nos Jardins — declarou ele à TV, grifo nosso.

Plenamente de acordo, a redação acha que essas coisas só deviam acontecer da Vila Carrão pra lá.
11:15:40 - hubbell - 1 comentário

Entreouvido na livraria

— Sabe onde guardar os livros do Chalita?

— Onde?

— Dentro do armário.
10:30:00 - hubbell - Comentar

.:: mês anterior :: :: :: :: March 2006 :: :: :: :: próximo mês ::.