:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


A Busca do Graal

Incursões etílicas que não poupam esforços para determinar a exata localização do Bar Absoluto.


.:: mês anterior :: :: :: :: March 2006 :: :: :: :: próximo mês ::.

02 Março

Onde a pata toma

Não obstante as aleivosias do Pinto, prenhes de conotações zoofílicas, o tio DJ Mandacaru comparece frente a essa distinta platéia para relatar expedição momesca à Serra Gaúcha (grotões tedescos), com o objetivo principal de descobrir o pato perfeito (não, Pinto, Genoíno é outro assunto).
O epicentro da região é a cidade de Gramado, perfeita para foliões convictamente desanimados como o locutor que vos fala. O auge da festa – pelo que pude testemunhar – durou exatos quinze minutos, tempo que um bloco de carnaval levou para atravessar a rua Coberta.
O primeiro pato foi traçado no St. Gaartens, com molho rôti e purê de batatas e ficou na base da pirâmide, com no máximo 7 Graals. O segundo infeliz já alçou novos patamares: no St. Hubertus, com molho de cerejas, delicioso mesmo para quem não gosta de misturar salgados com doces, 9 Graals. O terceiro, no simpaticíssimo Bistrot Brillat, centrão da cidade, na tal de rua Coberta. Aliás, o Brillat é “o” lugar pra quem gosta de ficar caneando e observando o grande espetáculo da raça humana indo pra lá e pra cá. O Brillat nos serviu um confit de pato, que estava no mesmo nível do St. Hubertus e,portanto, leva o mesmo número de Graals.
O quarto e último pato abalou profundamente as convicções atéias do DJ Mandacaru. Se existe, o Grande Cozinheiro do Universo estava fazendo bico no Edelweiss na terça-feira de Carnaval. Uma receita clássica – pato com molho de laranjas – elevada à categoria da perfeição graças a uma execução impecável. 10 Graals, só porque esse é o teto da escala. A bela donna que divide, entre outras coisas, essas expedições comigo há trinta anos, pediu um chucrute garni*, que incluía um kassler grelhado como nunca havíamos experimentado. Para beber, a cerveja Coruja, fabricada artesanalmente em Teutônia, casco escuro de 1 litro parecido com aqueles vidrões antigos de farmácias de manipulação.
De se lamentar em todos esses restaurantes, apenas a feia mania de triplicar o preço dos vinhos em relação ao seu custo no varejo.

*Ao contrário do Zeno, alemão não é minha língua
mater; mete a mão aí, seu Editor.
17:21:43 - DJ Mandacaru -

.:: mês anterior :: :: :: :: March 2006 :: :: :: :: próximo mês ::.