:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Tectum Intuentes

Ociosidade produtiva - textos reflexivos, anotações íntimas, sacanagens e demais ressentimentos.


.:: mês anterior :: :: :: :: June 2006 :: :: :: :: próximo mês ::.

30 Junho

Da série: e daí que a Alemanha ganhou?

Começou o jogo e eu não sabia pra quem torcer. É difícil se solidarizar com nosso grande rival portenho, o time da Alemanha é aquela sem-gracice de praxe, enfim, tanto se me fazia. Jogo chato, "tático", no jargão (que é também quando as equipes "se estudam", ai, ai), los hermanos fizeram um a zero e eu continuei indiferente. Mas quando a krukada achou aquele gol ao final, chacoalhando o glorioso Estádio Olímpico, dei pulos na sala e acabei descobrindo que tava torcendo pros alemóns. Veio a prorrogação, o jogo e os jogadores se arrastaram até o fim, vieram os pênaltis e eu vibrei a cada defesa do caloroso Lehmann. No fim, entendi: eu queria mesmo era que os setenta mil crucrutões presentes ao estádio se emocionassem, vivessem a tal "catarse" (atenção, editor, pode cortar se quiser), pudessem contar aos netos e bisnetos que estiveram lá, no Estádio Olímpico ex-nazistão-agora-Jesse-Owens, e viram a seleção deles fazer o milagre de derrotar os calientes argentinos. No jargão, agora filosófico, um cruzamento raro e benjaminiano de Erfahrung, a experiência coletiva normalmente vedada em tempos reificados (perdão), e Erlebnis, a experiência particular, desprovida de sentido ou importância, que é a nossa refeição diária em épocas bicudas e inexpressivas como a de hoje.

Mas o futebol pode nos redimir. Amanhã, quando tocar o hino brasuca antes do jogo, meus olhos vão se umedecer. Se o time, depois, se encarregar de secá-los, o problema é dele, não meu.
15:52:27 - Zeno - 5 comentários

26 Junho

Quiz sobre a Copa

Perguntas que eu gostaria de mandar pra alguma das 73 mesas-redondas sobre a Copa:

— como é que ninguém fala do Rummenigge? Catzo, Copa na Alemanha, festividades e cerimônias oficiais a granel, o mala do Beckenbauer em todos os jogos, desrespeitando regras básicas da física, e ninguém se lembra de perguntar por onde anda o bendito Rummenigge? Fulanim entrevista até o funcionário da empresa telefônica que instalou os cabos de conexão de internet pra que o Ronaldinho Gaúcho jogasse o Fifa Soccer on line, pô!

— alguém sabe por que aquele meliante do Kily Gonzales, dublê de meia atacante e candidato a jogador mais mau caráter que já vi (só perde o título pra outro hermano, o cabrón sanguinário Simeone), não foi convocado pressa seleção argentina?

— e mais uma, pra finalizar: será que só eu estou interessado nisso?
22:51:22 - Zeno - 4 comentários

Para ajudar na escolha do seu candidato

O brasileiro não sabe nem pregar cartaz, como diria Pelé

Votamos com este aqui.
20:41:21 - Pinto - 1 comentário

20 Junho

Nossa homenagem à seleção canarinho

Zico telefonou e pediu uma ajuda a Parreira:

"O Brasil já está classificado, o Japão não, bem que você podia dar u'a mão...".

"OK, Zico, o que você quer? Que eu escale os reservas?", perguntou Parreira.

E Zico, assustado: "Não, Parreira. Os reservas, não!!!".

(tirado do blog do juca kfouri)
13:24:40 - Zeno - 4 comentários

17 Junho

E nossa homenagem à aula argentina de ontem

El fútbol que vuelve loca a la gente

Por Juan Jose Panno
Desde Gelsenkirchen

Hay dos cosas que no se pueden hacer en un clásico comentario de un partido de fútbol: escribir en primera persona y hablar con el lector. No voy a cumplir con ninguna de las reglas y ya sé que usted me va a comprender. Tengo que empezar por contarle que en 1974, en otro estadio aunque en esta misma ciudad, me tocó ver el partido Holanda 4, Argentina 0, un baile humillante, tremendo. Y hasta ahora, cada vez que leía, escuchaba o pronunciaba el difícil nombre de esta ciudad se me cruzaban las imágenes de las camisetas naranjas haciendo circular la pelota ante la impotencia de los de celeste y blanco que la veían pasar y no la podían agarrar, y se me aparecía el recordado maestro Osvaldo Ardizzone preguntando con su voz ronca: “¿Cuándo se acaba de una vez por todas este suplicio?” Pasaron treinta y dos años. Osvaldo ya no está, pero debería saber que el suplicio se terminó, que hubo revancha, que estos muchachos nos regalaron un verdadero desquite.

No sé si fue en el cuarto, en el quinto o en el último gol cuando se me apareció Osvaldo al lado del pibe que fui. Y me quebré. Creo que mi compañero Ariel Greco, a mi lado, entendió muy bien y no hubo necesidad de decirle lo que significaba este partido para mí, esta maravillosa tarde de... Gel-sen-kir-chen, ahora lo puedo decir con todas las sílabas y si es necesario con todas las letras. En el brillo de los ojos de mi joven compañero encontré también un espejo. Nunca nos olvidaremos –como todos ustedes que lo vieron por la tele– esta milonga, esta exhibición de fútbol, esta paliza que le dio la Selección Argentina a Serbia y Montenegro. Como aquella del ’74, parecida, pero al revés.

[Leia mais!]
12:06:12 - Zeno - 2 comentários

15 Junho

Clássicos lusitanos revisitados

Dobrada à moda do Porto
Álvaro de Campos (o irmão mais talentoso do Haroldo e do Augusto)

(...)

Sei isso muitas vezes,
Mas, se eu pedi amor, porque é que me trouxeram
Dobrada à moda do Porto fria?
Não é prato que se possa comer frio,
Mas trouxeram-mo frio.
Não me queixei, mas estava frio,
Nunca se pode comer frio, mas veio frio.

Pedi então ao garçon que lha pusesse no microondas,
Na potência máxima, por alguns três minutos,
E caí de boca na tripa.
14:26:09 - Pinto - Comentar

Derrière (um post dedicado à Criss)

Terminado meu banho, lá estou eu na frente do espelho, comentando com meu marido que acho meus seios um tanto quanto pequenos.

Ao invés do esperado "Imagina amor, não são não", ou de uma promessa de cirurgia para aplicar silicone, ele me vem com uma sugestão insólita:

- "Pode parecer estranho, mas já vi funcionar... Se quiser aumentar os seios, pegue todos os dias um pedaço de papel higiênico e esfregue-o entre eles durante alguns segundos". [Leia mais!]
11:00:00 - Pinto - 2 comentários

14 Junho

Depois dos croácios, que venham os curiácios

Prum blog escrito por marmanjos e lido por tiozinhos (segundo a singela descrição de um jovem leitor destes bytes mal programados), ninguém vai cometer alguns pitacos sobre a peleja de ontem? Bueno, pra quicar la pelota:

— a defesa, os volantes e o Dida, que todo mundo perdia o sono por conta, seguraram a onda. E ganharam os Prêmios de "Não tá comigo" o Juan, "Continuo reivindicando o Título de Maior Mascarado do Grupo" o Roberto Carlos, e "Se não der na bola, vai na Cara Feia" o Lúcio. E se o torneio fosse de atletismo, e não Copa do Mundo, eu mantinha o Cafu até o final da disputa.

— o jeito com que o Kaká olha pra bola, pro goleiro, pra bola de novo e bate de chapa, no ângulo, vai redimir umas três gerações de mauricinhos, de evangélicos e de bons-moços neste país.

— o Gordo, que já perdeu o bate-boca no elevador com o Lula, vai ganhar pelo menos o título merecido de "Referência no Ataque". Segue diálogo: "Cê sabe onde fica a tribuna de imprensa?", "Tá vendo o Gordo ali, parado? À direita dele, em frente". Ou: "Como faço pra achar a saída pros túneis?" "Contorna aquele Gordo ali, vira à esquerda e segue adiante".
10:12:54 - Zeno - 8 comentários

Nova aquisição

Um adendo ao nosso pantaleão de blogues batutas: Quinteto Irreverente. Disclaimer: antes de clicar, prepare o saco de risadas
10:00:00 - Pinto - 9 comentários

12 Junho

Trívia

Ah, é? Já que o tema é recorrente, quero ver o DJ Mandacaru disponibilizar aqui uma de Patrick Dimon, cantor de relativo sucesso entre as castas inferiores na longínqua década de 1970, interpretando uma releitura de O Guarani, dele mesmo, Carlos Gomes, intitulada "Pidgeon Without a Dove" ("Pombo sem pombinha", em tradução livre). Da trilha da novela Pai Herói, é claro. Um clássico!

Nada tão perfeito para o dia de hoje.

Como eu me lembro dessas coisas? Fácil. Passei outro dia na feirinha da Benedito Caríssimo e topei com um compacto do rapaz. Não comprei porque a eletrola de casa já não toca há muito, dir-se-á dela um pombo sem pombinha.

Em tempo: Patrick Dimon não morreu. Permanece vivo no coração de cada fã, realizando "shows internacionais em seis idiomas" em lugares seletos por esse Brasilzão de Meu Deus.
15:26:17 - Pinto - 13 comentários

Nova amiguinha

And so this is Criss

Meus caros e meus ácaros, distinta nanoaudiência, respeitável púbico: apresentamos a fácil, porém complexa, Criss, tal como retratada de saída, supõe-se.
09:00:00 - Pinto - 3 comentários

08 Junho

Negócio da China

Expresso SP-Contagem, com baldeações

Ou: Acompanhe a Perspicácia dos Autores deste Blog

O assunto é expertise do Pinto, nosso comentador oficial de fatos cosmopolitas, o último grito da sofisticação, a novidade ou a tendência que ainda não caiu na boca dos amigos jornalistas, etc, mas me atrevo mesmo assim. Duas ou três semanas atrás, passeando, como de hábito, pelas gôndolas do supermercado predileto, o francófilo Carrefour, 72 caixas à disposição, vejo as belezuras aí em cima a módicos 2 reais e qualquer coisa o pacote de 250 grs, 3 reais e qualquer coisa o de 500. "Caray", pensei, "quando a esmola é muita o santo desconfia. Deve ser aquele truque costumeiro de desova de produto quando tá perto da data de validade", o que sempre ocorre com as trolhas importadas em supermercado de pobre. Comprei, mesmo assim, e levei pra casa, pra mó de testar. Excelente, claro, a ponto de anteontem ter voltado lá e comprado todo o estoque disponível, 6 pacotes de café disputados a tapa com uma velhinha aposentada que segurava um folheto de promoções na mão. Chego ao lar, examino contente a aquisição, e o raio da Iluminação cai na cabeça: o troço é feito em Minas Gerais!! Nacionalizaram o Segafredo, dio mio!! Tudo bem que a Itália nunca plantou um mísero pé de café em toda a bota, mas Minas?! E o que é pior: Bairro Cincão (grafado assim mesmo), em Contagem!!! Caray, perifa de Belo Horizonte, ou seja, perifa de algo que als sich selbst já não é grande coisa. Onde vamos parar? De onde viemos? Pra que existir? Respostas no fundo da próxima xícara ou num borrão de emergência a qualquer momento.
13:11:08 - Zeno - 14 comentários

Requentando marmita em louvor próprio

Cada vez que lemos mais uma nota nos jornais a respeito da prisão do injustiçado Edemar Cid Ferreira, lembramo-nos do premonitório texto publicado aqui no botequim em 3 de dezembro de 2004, logo após o anúncio das supostas falcatruas do mecenas:

The waste land, by José Sarney

Voltando à programação normal do blog, destaque para o anúncio de página dupla na revista da Net de dezembro, com fotos de Lorena Calábria e Laurent Suaudeau e o texto abaixo. As notas de pé de página são opcionais:

"O Banco Santos acaba de reinventar a relação cliente-banco (1). A partir de hoje, você tem uma equipe de profissionais (2) que usa inteligência (3) para atendê-lo ao telefone (4). Um Internet Bank (5) claro e objetivo. Um gerente (6) com um grupo seleto de clientes (7), para saber o que você realmente quer (8). E um programa de premiação (9) que leva em conta sua maneira de viver (10). Este é um banco que vai além do banco (11), para estar cada vez mais próximo de você (12). Bem-vindo ao Banco Santos. Seu estilo de vida (13)."

(1) Programa Xilindró de Adesão ao Calote (Proxaca).
(2) Advogados criminalistas.
(3) Dinheiro não-rastreável.
(4) Em horários determinados, na presença de um guarda e com vidro blindado.
(5) Código Morse, para conversar com os vizinhos de cela.
(6) Delegado Adamastor.
(7) Pessoal do Bloco C.
(8) Pacote de cigarros e uma lima escondida num bolo de pistache.
(9) Redução da pena por bom comportamento.
(10) Banho de sol das 9:00 às 10:00.
(11) Possível conversão evangélica.
(12) Túnel de fuga, projeto de Ruy Ohtake.
(13) Calça bege, sem camisa.
11:23:52 - Zeno - 12 comentários

05 Junho

Nós no grafo

Fogos de artifício

Este blogue, tal como visto aqui.

Por indicação dela, sempre.
19:00:00 - Pinto - 6 comentários

04 Junho

Superchupeta

18:48:20 - Pinto - 3 comentários

Gauchismo

Por que cintas caralhas d'água® todo ator de cinema francês tem que ter desvio de septo?
18:38:39 - Pinto - 1 comentário

02 Junho

Jabá aurático

benajmin é bossa nova
07:27:00 - Zeno - 6 comentários

01 Junho

Clássicos revisitados: Machadão versus mercadão

"Marcela amou-me durante quinze meses e onze contos de réis."

Paguei com cartão e ganhei 40 dias até receber a fatura, além de milhas aéreas.
11:02:57 - Pinto - 4 comentários

.:: mês anterior :: :: :: :: June 2006 :: :: :: :: próximo mês ::.