:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Todos

Todos os posts do mês. Para selecionar uma seção, clique no menu ao lado.


.:: mês anterior :: :: :: :: July 2006 :: :: :: :: próximo mês ::.

31 Julho

Reincidência II

21:52:13 - Pinto - 4 comentários

Mais um motivo pra ficar em casa

O Pandoro fechou. No Leia Mais, artigo publicado ontem na Folha de São Paulo. Na Reclamação, cadê o nosso John Self pro epitáfio digno? [Leia mais!]
21:17:36 - Zeno - 7 comentários

Belém, terra de contrastes

Estimado Zeno, dileto Sorel, querido Mandaca,
Meus caros e meus ácaros,

É com a boca entumescida de jambu e as costas doloridas de tanto comer tartaruga (são baixinhas e curvas, algumas até espinhosas) que vos relato o que segue.

Aqui é tudo quente e úmido. O ar-condicionado não vence, salvo quando cai uma tempestade de deixar aqueles aguaceiros de São Paulo envergonhados, mas aí pra quê?

Por enquanto estou mais perdido que Rodrigo Santoro em 'Lost', mas prometo melhorar.

Hospedo-me num hotel próximo à zona portuária, que parece ter-lhe servido de inspiração. É um pesadelo kitsch, a começar do amarelo-ovo das paredes. Sozinho já seria chamativo demais, mas com aqueles detalhes verde-musgo texturizados, cercados com gesso, torna-se recatado. Há uns símbolos yin-yang dourados que fazem as vezes de moldura para as luminárias, há colunas multicores revestidas de papel de parede imitando mármore, há mais digno de registro. Mas bom mesmo são os vitrais roxo-paixão em meio a tudo isso, fora os detalhes da decoração em si. Não chega a ser uma Daslu, mas... [Leia mais!]
20:19:00 - Pinto - 10 comentários

Belém, Áustria

Como se sabe, tem fulanim que reclama de barriga cheia, mesmo que de água, como nosso destemido Pinto, enviado à terra natal de Jesus e ainda assim cheio de não-me-toques cupuaçuenses. Pois bem, vá morar então em Feldkirch procê ver o que é bom pra tosse. Reproduzimos e-mail recebido nestes dias: "O lugar mais chato que já morei na vida. Você conseguiria viver sem cinema, sem música ao vivo, sem eventos, sem sushi, sem carne boa, sem barzinho bom, sem amigos, sem tudo? Em quatro anos nunca fui convidada pruma casa de um morador 'nativo', dá pra acreditar?".

A vida é assim: Deus dá Joelma, diversão e Parantins Parintins a quem não tem dentes.

(nosso destaque pessoal vai pra uma das manchetes do site linkado: "Inauguração de 56 novas vagas de estacionamento em Feldkirch")
19:49:28 - Zeno - 11 comentários

Fauna amazônica

— Quando foi sua primeira vez?

— Com humanos, foi aos 17.

(crdt : rin-tin-tin)
10:00:00 - Pinto - 2 comentários

28 Julho

Contrapartida

Deu no Glóbulo: Madonna quer privada nova em cada noite de sua turnê pela Inglaterra, além de outras esquisitices.

Não seria o caso de exigir que o bumbum e a xoxeta da cantora também fossem zero quilômetro?
11:53:57 - Pinto - 15 comentários

Sabores do Norte

— Esse tal de cupuaçu tem gosto de sabonete Dove.

— Ué, como você sabe, já andou comendo sabonete...?

— Você nunca lambeu alguém recém-saído do banho, não?
10:00:00 - Pinto - 7 comentários

27 Julho

Reincidência

18:32:15 - Pinto - 3 comentários

Peguei um ita no Norte

A terra onde o babaçu abunda. O lugar onde nasceu Cristo. Uma cidade de pirarucu. O sítio em que os sinos da igrejinha fazem Belém, Belém. Sim, meus amigos, a gloriosa capital paraense é meu abrigo desde ontem e pelos próximos meses, e é daqui que estarei enviando boletins extraordinários no decorrer do período, cometendo estes e outros trocadalhos ainda piores.

Fora que a gravação do DVD ao vivo da minha ídola Joelma, crooner da Banda Colapso, está prometida para os próximos dias. Quem sabe não consigo uma pontinha, uma autógrafo numa foto, um pedaço do aplique da cabela, um sutião ou calcinha jogados a esmo para a platéia?

Mas deixemos de conversa mole. Vou ali comer um tucupi e volto outra hora.
12:35:33 - Pinto - 2 comentários

Wilson vive

Eu não faço a menor idéia do motivo, mas o fato é que I Will Survive virou hino gay na rabeira da década de 70 e adentrando a década de 80. A gravação original pela Quenn of Disco Gloria Gaynor teve um megarevival em 1994, quando foi incluída na trilha sonora do filme “Priscilla, a Rainha do Deserto”.

Na época do YouTube, já começou a gozação. Agora, a segunda geração DJ Mandacaru Inc. descolou uma versão em português: Vai, Wilson, Vai!

Talvez não seja recomendável ouvir no escritório.

Duas freiras estão passeando no parque quando são atacadas por...

Já que nossa seção de cinema se intitula Filmes Esquisitos, segue sugestão de navegação pros tiozinhos e tiazinhas desocupados que lêem este blog: Shocking Videos, site maluco tocado por um fulano ainda mais maluco, especializado em pirataria dvdzística de filmes esquisitos de todo tipo. Uma mostra dos títulos das "seções" dos filmes à disposição para compra: Women in Prison (um gênero clássico, claro, já comentado aqui), Mexi-Madness (cê achava o Cantinflas esquisito? Dê uma olhada lá), Hicksploitation (filmes trash sobre caipiras americanos!), Nunsploitation (sensacional...), e o meu preferido, Nazi Nasties, sacanagem da grossa sempre envolvendo alguém em uniforme SS e com a seguinte advertência no site: "Devido a restrições alfandegárias estes títulos não podem ser enviados para a Alemanha".

(crdt: o meu, o seu, o nosso jonathan rosenbaum)
06:20:00 - Zeno - 2 comentários

26 Julho

Round up the usual suspects

A mente humana é cheia de mistérios, diria William (Bill, pros íntimos) Castle, dublê de filósofo analítico e diretor de filmes B dos anos cinqüenta. Um dos maiores, sem dúvida, é a citação do nosso mui humilde Hipopótamo Zeno em outros blogs, ou mesmo a visita pura e simples, sabe-se lá por que desvio de personalidade ou esperança de recompensa sexual. A eles, pois, pra mó de agradecer com todos os nossos pixels:

A vida em palavras

Mulheres com Legendas

O Livro dos aforismos

Marconi Leal

Club dos Terríveis

Como sempre, fica a recomendação dupla: cliquem, cliquem.
08:26:00 - Zeno - 6 comentários

A pedidos, Seka

Primeira Dama do Pornô

Para a bio da moça, quem diria, tem na Wikipedia e também aqui e aqui.

Para um site batuta sobre pornô, hum, vintage, hum, aqui.
06:21:00 - Zeno - 4 comentários

25 Julho

Copyright, copyleft e copyinthemiddle

Por conta da Teoria da Escada, mencionada num texto abaixo, fiquei pensando que era uma idéia muito boa, e que por isso mesmo ela provavelmente não era minha, e sim do maior provedor de boas idéias da internet brasileira, o meu, o seu, o nosso Almirante Nelson. Como ele me garantiu que não, a Teoria da Escada não é uma criação sua, decidi perguntar à nossa seleta nanoaudiência: onde é que eu li, ou vi, ou ouvi dizer a respeito? Alguém já trombou com ela por aí, em algum surfe desavisado pela internet?
06:58:00 - Zeno - 4 comentários

Carteira assinada

"Esse negócio de ator é muito duro. Os ensaios, as viagens, os horários irregulares, a pressão, decorar texto, a disputa de egos, etc. Mas é muito melhor do que trabalhar."

Robert Mitchum, citado numa entrevista do Domingos "Fora eu?" Oliveira ao Selton "Mais que eu?" Mello.
06:07:00 - Zeno - Comentar

24 Julho

O ser é e o não-ser não sei (parte II)

Para quem, como nós, andou a indagar a pergunta metafísica sobre os cinco que são dois, também conhecida como o mistério do blog Quinteto Irreverente, gostaríamos de copipeistear aqui a resposta dada por eles mesmos a uma singela leitora:

"Uma consulente nos escreve perguntando a respeito da aparente contradição entre a essência quíntupla de nosso quinteto e sua existência dúplice. Parece complicado, mas é bem simples. Eu e Sassaroli somos esquizofrênicos. Cada um de nós tem duas personalidades. Neste momento, por exemplo, a voz que fala em mim é a de um pacato professor que, entre um teorema e outro, resolve dar os seus pitacos neste blog. É ele (eu?) também o responsável pela seção Literatura de Banheiro, onde tem (tenho?) a oportunidade de compartilhar nacos de minha vasta erudição com a torcida do Bangu, que nos acompanha. Sempre que a Lua está em Júpiter, porém, uma outra voz colore alguém em mim, como diria o vate. Convenço-me de que sou uma espécie de avatar de Casemiro de Abreu, sapecando as Quadrinhas ao Gosto Popular, que têm feito razoável sucesso junto ao público menos instruído. O professor, quando as lê, franze o cenho, para não dizer que morre (morro?) de vergonha. Mas não há o que fazer. A primeira coisa que um esquizofrênico tem que aprender é a ser tolerante com os outros habitantes do condomínio.

Consolo-me com Sassaroli, para quem a vida tem sido ainda mais madrasta. Analista financeiro respeitável, desses que almoçam com a gravata jogada sobre o ombro, é obrigado a conviver com um palmeirense chulo que, sem nenhuma esperança de vencer pelo talento, tornou-se adepto do futebol de resultados. Sua filosofia é simples, e pode ser resumida numa só máxima: "Pouco importa se estamos na primeira ou na segunda divisão. O importante é ganhar."

Seríamos, como você pode ver, cara consulente, um quarteto, não fosse por uma circunstância singular, ocorrida no início deste ano. Sassaroli, que já era esquizofrênico, começou a manifestar sinais inequívocos de mediunidade. No início, pensamos que seria apenas mais uma personalidade, fato assimilável pela ciência psicanalítica, mas logo percebemos que a coisa tinha um cheirinho inequívoco de terreiro. Ele passou a receber o espírito de uma pomba-gira que atende pelo nome de Shirley (pronuncia-se "chirlêi"). Caso inédito no mundo dos orixás, pelo que ficamos sabendo, Shirley é uma pomba-gira homossexual. Com dois rabos-de-galo na cabeça, seria capaz de beliscar a bunda da Madre Tereza de Calcutá. Resolvemos, então, que o que fora concedido ao domínio natural das patologias não deveria ser negado ao sobrenatural, e formamos um quinteto. Por uma questão de comodidade, mantivemos nossos nomes de batismo nos diversos posts."

(para a parte I da série, clique aqui)
07:35:00 - Zeno - 4 comentários

Chi fu

"Aceita cartão?" "Rá rá rá!!"

Pela primeira vez aqui no blog um restaurante é resenhado pela segunda vez. A desculpa é que agora fomos à filial do Chi Fu, na Barão de Iguape, próximo da Editora Ática e de mais um punhado de outros restaurantes chineses parecidos e de uma lan house com um gorila de boate na porta, o que sempre dá asas à imaginação pra adivinhar que modalidade de Counter Strike se joga lá dentro. Com a presença de três membros do blog à mesa, façanha logística comparável à invasão japonesa da Manchúria, começou a disputa gastronômica: porções pantagruélicas (obs do revisor: adjetivo vetado em resenhas gastronômicas: trocar por "caralhais") de mariscos, siris, enguias e camarões vieram à mesa e foram liquidadas mais rapidamente que o tempo que se leva pra falar "Será que a Secretaria de Saúde Pública já visitou alguma vez este lugar?".

Os acompanhamentos do reino vegetal variavam da trivial ervilha torta (obs do revisor: boa aliteração), que envolve complicada operação sintagmática para ser pedida, ao misterioso feijãozinho preto, parente da soja, com três ou quatro grafias diferentes no cardápio e que tem gosto de figo seco, daqueles de festa de natal. Cogitou-se até uma cobertura completa de reinos, com uma possível porção de pedras fumegantes a serem devidamente chupadas, mas este papel foi preenchido pelos siris.

Quanto aos demais quesitos, basta um ah multiplicado: o atendimento, ah, o atendimento, que propicia o divertido jogo de salão "Qual será a garçonete menos mal-humorada?". O uísque, ah, o uísque, um legítimo Old Eight que serve também de desinfetante para a mesa de plástico. Os demais convivas, ah, os demais convivas, com a função acessória de display do cardápio ("Eu quero aquilo ali que eles tão comendo"). A conta, como se pode ver na foto acima, ah, a conta, de longe o que o restaurante tem de melhor. Mesmo que se queira duvidar de um ou outro lançamento (o de 25 reais, francamente, acho que não foi o que pedimos), pode-se sempre acreditar na justeza do ábaco chinês que transforma 102 reais em 129.

Cotação: baixou pra 8 miojos, mas me dá um ábaco desses que eu subo.
06:53:00 - Zeno - 9 comentários

21 Julho

Antes que venha a censura...

...gostaria de declarar que estou indeciso entre Ey-Ey-Eymael, um democrata cristão, e Bivar: não sei qual dos dois acho mais elegante.
19:29:41 - Pinto - 3 comentários

Outro post confessional

Ontem, hora do almoço, consigo um lugar no restaurante lotado e percebo que na mesa ao lado está sentada a Luana Piovani. Penso, enquanto capricho nas garfadas e tento parecer cool cortando um bife: "Puxa, que legal. Hoje deve ser meu dia de sorte".

Ontem, dez da noite, saio de uma reunião e dou carona prum colega. Dois quarteirões adiante, blitz policial na rua, camburões e carros, todo mundo de arma na mão. O PM encosta na janela, pede os documentos dos ocupantes e os do carro e pergunta, segurando uma arma prateada e reluzente a 15 centímetros da minha cara: "Vocês têm ficha?". Só hoje pela manhã passou pela minha cabeça a melhor resposta, na conhecida síndrome da escada (aquela em que a frase matadora – perdão – só ocorre quando estamos indo embora), "Por que? O senhor não tem cartão telefônico?". Ali, a seco, só pude balbuciar um "Imagina, não, não" e aguardar, no carro, enquanto ele ia checar num terminal do camburão os dados. Comento com meu carona que nós só estávamos ali, sentadinhos no carro, esperando, por conta da cor da pele e da cara de manés bons-moços, porque do contrário estaríamos de pé, do lado de fora, tomando geral de cima a baixo. Cinco minutos depois, no relógio do PM, duas horas depois, no nosso, ele volta e nos libera, com o obrigado de praxe.

Moral da fábula: uma Luana só é insuficiente prum inverno PCC.
13:28:50 - Zeno - 10 comentários

HZ e a literatura infanto-juvenil de antanho

Motivado pela maledência sobre meus métodos de catalogação (que culpa, pergunto, que culpa tenho eu se o sujeito tem só meia dúzia de livros e os guarda pelo critério "Cor da lombada"?) e por um comentário lá no Quinteto Irreverente (leiam, leiam), decidi utilizar o método Wally de procura aqui em casa e encontrei o livrinho da Isa Silveira Leal, "Glorinha Radioamadora". O livro faz parte da famosa série Glorinha, que, descubro, foi iniciada em 1958 pela autora, logo após ter ficado viúva. Vieram, na seqüência, "Glorinha", "Glorinha e a Quermesse", "Glorinha e o Mar", "Glorinha Bandeirante", "Glorinha e a Sereia" e o dito "Glorinha Radioamadora". Não me lembro de absolutamente nada da história ou da Glorinha, mas tenho a desculpa das mais de três décadas de distância da leitura.

Mas o livrinho traz outras coisas batutas. O nome da coleção, por exemplo, "Jovens do Mundo Todo", organizada pela "Profa. Yolanda Cerquinho Prado" (a editora era a Brasiliense). Nos outros lançamentos, na terceira capa, temos Xisto e o Saca-Rolha (havia uma série Xisto, também, não é?), de Lúcia Machado de Almeida, Pantanal, amor-baguá, daquele repórter que perdeu a perna no Vietnã, José Hamilton Ribeiro, com a seguinte sinopse: "Uma temporada na região mais fascinante e desconhecida do Brasil acaba se tornando, para o menino da cidade grande, uma reviravolta em seu próprio mundo. Primeiro ele encontra uma 'Esperança', muito branca. Depois encontra o amor e, com ele, um grande ideal: salvar o Pantanal Matogrossense, um presente que Deus nos deu e que está em perigo". Outro lançamento da coleção, E agora?, de Odette de Barros Mott, traz outra sinopse curiosa: "Tratado com uma linguagem simples e dura, o problema racial, ainda existente no Brasil, é evidenciado na situação de Camila e na destruição de seu relacionamento com Leo."

Lôco, né?
11:17:29 - Zeno - 9 comentários

20 Julho

Quadrinhas ao gosto impopular

Intrigante esse sujeito Quintana

Ficava acordado até tarde

Admirando o pôster da Bruna

E pensando mesmo no Lombardi
15:30:16 - hubbell - 1 comentário

Roberto Carlos faz senhora gozar

"Fiquei toda babada", disse a sexagenária.

(crdt : aqui e aqui)
11:02:19 - Pinto - 1 comentário

19 Julho

Acerca de estantes (um post confessional)

A propósito do comentário do César Maia (como gestor público, o melhor blogueiro do Brasil) sobre a estante do governador Beócio Neves, que de tão impecável "parecia de novela", aqui vai um post confessional, no melhor estilo Querido Diário.

Outro dia fui ao recém-ocupado neo-cafofo do companheiro Zeno e dei com suas novas estantes. São esmilingüidas, mas o conteúdo é robusto. Aí reparei que os livros estavam numa certa ordem e fui doutrinado para fazer o mesmo em casa: uma mistura alfabético-cronológica, que supostamente deixaria o leitor mais culto só de admirá-las: sem ao menos abrir um livro, já seria possível saber que Stendhal nasceu antes (ou seria depois? bom, dependendo de onde se olha...) de Goethe, e por aí vai.

Todo pimpão, cheguei no meu recém-ocupado neo-cafofo e quis fazer o mesmo, cautelosamente propondo a idéia à minha "significante-outra" —que é psiquiatra, donde a vida conjugal comigo.

Ela não apenas não topou, como passou a ter certeza de uma coisa e irá investigar uma outra:
1) a certeza é a de que o cara que arruma uma estante assim só pode ser acometido de transtorno obsessivo-compulsivo;
2) ela vai investigar se TOC pode ser contagioso.
20:09:12 - Pinto - 6 comentários

Vote em Alá e veja só no que dá

O sempre batuta Sérgio Rodrigues esmiuçou outro dia desses as muitas possibilidades de grafar o nome do Partido de Deus (Hezbollah, Hizbollah, Hezbolá), em, por assim dizer, língua de cristão.

A gente aqui complementa lembrando que as coisas vão muito melhor quando Deus não toma partido.
19:44:13 - Pinto - 12 comentários

Vai um Colheita Tardia, geladinho?

E deu no boletim diário do Frankfurter Allgemeine (com fotinhos!) que o verão europeu deste ano já bateu todos os recordes de temperatura, mesmo os daquele ano que matou um bocado de velhinhos abandonados, em 2003. Como daquela vez, fica a esperança calhorda: que me perdoem os velhinhos, mas os vinhos da safra 2006 estarão sensacionais.
19:32:10 - Zeno - 5 comentários

Em testemunho da verdade, dou fé

Enquanto é bombardeado somente por se revelar um velhinho priápico, Manoel Carlos, para mim, continua sendo um dramaturgo (?) de quinta e isso passa incólume às críticas. Pode se levar a sério o quanto quiser, ser bombado pela Globo mais que o Parreira durante a Copa, encher aqueles enredos de bosta de Helenas e "mensagens sociais", a buzanfa de dinheiro, o escambau: é de quinta, é um lixo, é a própria Glória Perez de ceroulas.

Não digo que é autor da coisa mais babaca, retrógrada e fora da realidade jamais vista na TV porque: 1) trata-se de uma novela, ora bolas; e 2) a concorrência no meio é feroz em tudo quanto é gênero. E não digo que a novela só se salva pelas participações de grandes atores como José Mayer, Tarcísio & Glória e pela beleza delicada de Ana Paula Arósio e seus 46 dentes porque, do jeito que anda a nanoaudiência aqui, temo que seja mais uma piada não compreendida.

Pronto, falei.

(um desabafo dedicado a todos os meus amigos revoltadinhos da estrela)
16:49:15 - Pinto - 3 comentários

Recomendação HZ de Leitura na Praia ou na Fazenda

mestre dos mestres

Já dissemos antes que este é um blog que fala de pouco de filosofia – para o bem de ambos. Mas um catatau de 600 páginas, recém-lançado pela CosacNaify, merece mais uma exceção à regrinha. É A filosofia e sua história, coletânea de artigos de Gérard Lebrun (1930-1999). Lebrun fez parte da segunda leva de franceses a invadir as praias uspianas nas décadas de cinqüenta e sessenta, num daqueles programas de intercâmbio Brasil-França (a primeira "missão francesa", nos anos trinta, trouxe, por exemplo, Lévi-Strauss, Fernand Braudel, Jean Maugüé, Martial Guéroult e Paul-Arbousse Bastide). Os felizardos que tiveram a chance de ver e ouvir Lebrun em sala de aula lembram-se bem do repertório completo de truques teatrais e bufonarias, do seu português tortuoso que anos de Brasil não conseguiram consertar, e, principalmente, do brilho de uma argumentação expositiva que o transformou num dos maiores historiadores de filosofia do século 20, capaz de, numa mesma aula, fazer um arco de temas e autores que atravessava vinte e cinco séculos como quem faz um passeio no parque. Fora da academia, Lebrun escreveu também artigos memoráveis no Caderno de Leituras do Jornal da Tarde nos anos oitenta, artigos sempre divertidos e mal-humorados sobre temas atuais – num deles, por exemplo, desancava sem dó a Revolução Francesa e a crença de que somos herdeiros deste progresso civilizatório (alguns dos textos do JT foram depois reunidos pela editora Brasilense num volume - esgotado, suponho - chamado Passeios ao Léu). Como o livro da Cosac também é uma coletânea, deve ser possível encontrar petiscos para todos os gostos – do mais filosoficamente técnico ao mais reacionariamente acessível, já que ele adorava posar de antiesquerdista-que-também-não-suportava-os-antiesquerdistas (na linha Groucho de "não quero um clube que me aceite como sócio"). Enfim, na opinião modestíssima da redação aqui do blog, o melhor livro lançado no Brasil este ano – e ainda nem o abrimos.
12:14:21 - Zeno - 10 comentários

18 Julho

O côncavo, o convexo e o obtuso

Gozar ouvindo Roberto Carlos e sair por aí espalhando em horário nobre ("Minha mão ficou toda babada", revelou a velhinha até então anorgásmica) é nada diante das declarações de Alexandre Frota no TV Fama, a minha, a sua, a nossa melhor fonte de informação.

A matéria era sobre o surgimento de um concorrente, cujo nome me escapa, no mercado de filmes pornôs e, en passant, aludia em detalhes à mais rececente produção de Frota, na qual, digamos assim, ele "contraceia" a travesti Bianca, uma personagem tão badalada pela mídia a ponto de incorporar a profissão ao nome: Travesti Bianca.

Comentário do ator: "Nada a ver. Sou um artista, isso não tem nada a ver com minha masculinidade. Taí o Rodrigo Santoro, que fez papel de um travesti no [filme] 'Carandiru' e ninguém fica aí questionando ele".

Isso dito na hora da janta, assim gratuitamente, como quem diz que bateu uma siririca e ficou toda babada, pode sensibilizar a audiência.

Por essas e por outras que o conselho de redação do Hipopótamo Zeno prefere sempre a programação dominical, alternando entre o Gugu entrevistando o PCC e o Faustão servindo sushi erótico.

Ficamos babandérrimos.
10:00:00 - Pinto - 8 comentários

17 Julho

O pobrema do crime

O Toyota Corora é alvo dos meliantes

(crdt : estadão, i presume diário de sp, i am sure, via peter war)
18:32:40 - Pinto - 5 comentários

Pediu a saideira e pegou a estrada

São quase dois tipos diferentes de instrumentistas para o mesmo instrumento. Um é o pianista que toca solo, outro, o que acompanha cantores. Raramente os dois se superpõem na mesma pessoa. Lembram aí do disco do Tony Bennett com o Bill Evans? Pois é, um pianista genial, mas não sabia acompanhar.
Semana passada morreu um que sabia: Bill Miller, que acompanhou o Sinatra por mais de 40 anos.
Pra vocês entenderem melhor: One For My Baby (4,2MB).
13:53:46 - DJ Mandacaru - Comentar

Aristeu é um bom camarada, ninguém pode negar

ele é o cara

(crdt paulo c.)
12:54:24 - Zeno - 5 comentários

Do novo bestiário da mitologia nacional

"Senta aqui e roda"

O saci-pececê.
09:00:00 - Pinto - 2 comentários

Acumule milhas e perca peso

E diz que no meio da crise das companhias aéreas, o sujeito pega o vôo da TAP, se aboleta na classe econômica e fica todo pimpão quando chega a hora do rango. "Jantar", vai falando a aeromoça a cada fileira, com o carrinho à frente, e ele indaga: "Tem opção?", e ela emenda: "Tem duas. Sim ou não".

(crdt nena)
08:33:46 - Zeno - Comentar

16 Julho

Eu me lembro

Eu me lembro da matéria plástica.
12:02:10 - Pinto - 4 comentários

14 Julho

E a gente perdendo tempo com os Black Eyed Peas...

O mundo é das vagaranhas

Pussycat Dolls, Cam, são o futuro!
18:17:25 - Pinto - 10 comentários

13 Julho

Parreira e Marcola sentarão à mesa para discutir

Troco TV de plasma pela cabeça do Roberto Carlos

(Das agências internacionais) Israel oferece ajuda para intermediar as negociações da cúpula do PCC e a da CBF, após mais uma série de atentados da organização criminosa em protesto pela perda da Copa.

(crdt foto: fsp)
09:23:58 - Zeno - 3 comentários

12 Julho

Enfim um bar freqüentável

Little thigh

Fica na Avenida Vergueiro, bucólica artéria da cidade de São Paulo, antigo caminho de tropeiros. Aguardamos ansiosos a expansão da rede, com outros clubes temáticos.
07:33:50 - Zeno - 70 comentários

11 Julho

Juro, esta é a última sobre a Copa

Cês viram isso? Show de bola, garoto!!

(crdt blog da redação do uol)
15:15:50 - Zeno - 9 comentários

E duas sugestões finais sobre a Copa

— por que a Globo não contrata um surdo-mudo italiano pra descobrir o que o Materazzi disse pro Zidane antes da cabeçada?

— dentre as muitas frases excelentes desta Copa, minha candidata é a do dito zagueiro, sobre ter ou não ofendido o francês: "Mas eu sou ignorante. Nem sei o que é isso aí, terrorista".
14:26:31 - Zeno - 10 comentários

Apeirokalia

Sandy e Sênior

Num jejum absoluto de imagens belas e, principalmente, de assunto, deixo a distinta nanoaudiência à mercê do registro de priscas eras dos companheiros Sorel e Zeno, quando cursavam a faculdade de Agronomia na Ufscar (Sorel é o japonês e Zeno, o de olhinho-querendo-ser-claro).
13:55:14 - Pinto - 5 comentários

Conforme queríamos dizer

"One of my greatest pleasures in writing has come from the thought that
perhaps my work might annoy someone of comfortably pretentious position.
Then comes the saddening realization that such people rarely read."

—John Kenneth Galbraith, economist (1908-2006), very idol of ours, quoted here.
10:18:20 - Pinto - Comentar

10 Julho

Vitória de Pirlo

Touradas em Berlim

Faça como Zidane: use a cabeça.

CNN News Update: Antes este "terrorista sujo" que aquele "italiano limpinho".
09:25:39 - Pinto - 3 comentários

07 Julho

Um corpinho e um violão

Alguém me disse que tu andas novamente...

Durante as merecidas férias do DJ Mandacaru, que bronzeia o buzanfão nas praias fortalezenses, assumo os picapes e vos deixo na companhia de Carla Bruni (para quem não reconheceu: é esta aqui), cantando Quelq'un m'a dit (4,51Mb de pura travessura).

Numa prova da maturidade e do beletrismo dos membros deste blogue, fica atestado que a moça só entrou aqui depois que a ouvimos sussurrar a referida musiquinha na rádia, e veja lá que não foi na categoria Iluminuras.

A foto é meramente para a distinta nanoaudiência ligar o nome à pessoa.
19:30:09 - Pinto - 11 comentários

05 Julho

Mais sociologia de botequim a propósito do Mundial de Futebol*

Como o esporte bretão é matriz de todo tipo de clichê e metáfora ruins, inclusive a de ser chamado de "esporte bretão", aqui vão mais alguns: pois eu já acho que esse torneio* é a síntese da briga (perdida, aliás) do Estado-nação contra as corporações transnacionais, travestidas de clubes. Por mais que haja um resíduo de patriotismo tribal com as pantomimas, rostos pintados e gritos de guerra de torcedores que crêem incentivar um exército, pelejam no campo merc..., digo, jogadores, unidos por um formidável espírito de corpo, defendendo o mesmo time. No caso, clube. Mais especificamente, bolso.

O que não é de todo mau: em outros tempos estariam destroçados corpos num estádio onde hoje, quase sempre, só se destroçam corações. E talvez as carreiras de alguns diretores de marketing ruins de aposta. Algum preço sempre se paga.

Quem viu Roberto Carlos —que é cidadão espanhol, não custa lembrar— cochichar gracejos no ouvido de Zidane (e quem não o viu enviar um SMS pedindo um gol de falta para Beckham ou gritar com os companheiros de equipe em espanhol durante o jogo) não haveria de se surpreender com tudo isso, muito menos com aquela ajeitadinha no meião.

Que por seu turno —tchan, tchan, tchan, tchan!— rende outra comparação: no Real Madrid ele até joga, mas na seleção Roberto Carlos bota a mão no joelho, dá uma baixadinha...

NdaR: gostaríamos de isentar de críticas o pessoal do marquetingue do Santander/Banespa, que pagou uma baba para contratar meio selecionado canarinho (outro excelente exemplo de metáfora/clichê) e se apresentar como melhor banco do mundo. De fato, para ganhar dinheiro mole não há melhor exemplo.

* Não obtivemos autorização da Fifa para mencionar a marca Copa do Mundo™.
13:00:00 - Pinto - 8 comentários

Mozzarella com Bratwurst

O Gott, warum hast Du mich verlassen?

(crdt: sempre ele, Daniel Paz, no Página 12)
08:51:09 - Zeno - Comentar

Mr. Arkadin/Confidential Report

Melhor que o Ronaldinho Gaúcho

Vale cada caraminguá, principalmente se for para curtir a ressaca da Copa: por 50 doletas, no site da Criterion, por 40, no site da Amazon , ou por 217 reais na minha, na sua, na nossa CD Point, pode-se levar pra casa a demente edição especial que a Criterion preparou para o filme "Grilhões do Passado", do Orson Welles. O pacotão vem com três DVD's, cada um apresentando uma versão/corte diferente do filme + um livro (!), o romance que Welles teria escrito (ou não) a partir do roteiro do filme e de uns scripts para uma série de rádio inglesa. Mesmo quem não conhece o filme, e no ranking dos melhores filmes do Welles ele não deve figurar lá em cima, já deve ter ouvido falar da cena em que Welles, mais uma vez fazendo um papel-maior-que-a-vida, recita num baile de máscaras a fábula do escorpião e do sapo ("Mas por que você me aferroou?", pergunta o sapo quando os dois estão afundando no rio, "I can't help it; it's my nature", responde o escorpião). Há muitas outras falas memoráveis, (cito de memória - sic) "Infelizmente a atividade criminosa tem estado nas mãos de amadores há mais de dois mil anos", ou a minha preferida, a fulana pergunta prum sujeito "Você se lembra de mim?", e ele responde "Nunca me lembro de uma mulher bonita. They're too expensive". Somente o imbróglio da autoria do livro citado e das diferentes versões dá para alimentar várias noites de cinefilia insone, sem contar que os extras, ah, os extras, são de babar: entrevistas com um monte de gente, incluindo um ótimo depoimento do ator Simon Callow (de Quatro Casamentos e um Funeral), que tem um livro sobre Welles publicado, cenas não incluídas em nenhuma das versões, três episódios da série radiofônica, comentários em áudio do queridinho aqui do blog, o maior crítico americano em atividade, Jonathan Rosenbaum (que está prestes a lançar um livro sobre o Welles), etc, etc, cliquem-nos-links-e-vejam-por-conta-própria-etc. Como não poderia ser diferente numa edição da Criterion, a qualidade da imagem nos 3 DVD's é espetacular, e ainda de quebra você resolve de uma vez por todas como é que se pronuncia um dos títulos do filme: é Mister ArkÁdIn, e não Arkadã. No Leia Mais abaixo, o longo artigo de J. Hoberman que está no folheto dos DVD's e que é das melhores coisas que li sobre Welles nos últimos anos. [Leia mais!]
00:12:42 - Zeno - 6 comentários

04 Julho

E mais duas notas sobre a Copa

— por conta dos problemas da Varig, a delegação brasileira foi obrigada a embarcar em Frankfurt num vôo das Aerolíneas Argentinas.

— na newsletter da TV5, consta o seguinte apelo: "Les footballeurs ont besoin, plus que jamais, de votre soutien". Depois a gente diz que todo francês é boiola e ninguém acredita.
12:17:27 - Zeno - 6 comentários

03 Julho

Abaixo os intermediários

Esse negócio de não-sei-das-quantas fashion week é coisa de quem não trepa.

Vivas então à Shaï, que cortou as delongas e botou seus modelos pra tirar a roupa e praticar aquilo que o Zeno chama de "intercurso carnal" mesmo, em vez de ficar ali naquela sublimação insossa da passarela, dos flashes, dos vips e do discurso vazio. Circo por circo, é muito mais eficaz como comunicação de idéia e muito menos tedioso como espetáculo.

Disclaimer: cuidado ao clicar no linque que é à vera e tem pra todo gosto.

(crdt : cordelie kaël, agora in altrove)
22:42:08 - Pinto - 4 comentários

Cuidado com a língua

Mimo de textinho sobre a nova carteira (em paulistanês, "carta") de motorista, garimpado no vetusto Jornal do Commércio:

No novo modelo haverá mais espaço para as observações, como obrigatório uso de lentes corretivas e vedada atividade remunerada, na parte traseira.

Atividade remunerada na parte dianteira pode.
15:00:00 - Pinto - 2 comentários

1, 2, 3, 4, 5 e 6

A taça do mundo é dele

Você não achava mesmo que ia dar com aquele timinho medíocre, achava? Em compensação, Patrick Dimon é que é hexa: canta em seis idiomas.
10:00:00 - Pinto - 9 comentários

01 Julho

No buzanfã de la patrie

Cucurrucucú paloma

Le jour de coq est arrivé.

(CNN News Update: 1. o chato não é só não vencer jogando bonito, é perder jogando aquela beleza; 2. não vamos esquecer que o mal do futebol brasileiro termina em "eira" (Parreira, Teixeira); e, 3. O galo da foto não se chama Zagallo, o colecionador de camisetas.)
19:30:00 - Pinto - 4 comentários

.:: mês anterior :: :: :: :: July 2006 :: :: :: :: próximo mês ::.