:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


A hora do DJ Mandacaru

Velharias musicais sempre fresquinhas.


.:: mês anterior :: :: :: :: December 2008 :: :: :: :: próximo mês ::.

19 Dezembro

Bimbalham os sinos (ou "La pasión segun los hipopótamos")

Como último post do ano gostaria de compartilhar com a nano a trilha sonora da reunião de encerramento de 2008. A redação, contrita, entregou-se docemente à fruição da obra "La pasión segun los hipopótamos", da nossa alma-irmã (adotada) portenha Alberto Muñoz (vão lá no guga). Uma obra tocante, em alguns momentos una lacrima furtiva escorreu, por longos minutos (vinte, para ser mais preciso) pelas fauces do Pinto, só procês terem uma idéia da amperagem emocional da peça (da peça do Muñoz, não do Pinto, diga-se). Depois, ponho o resto da presepada.

Bon année, inté.

01 Dezembro

Um lugar para chamar de seu

A memória cada vez mais rota acha que foi por volta de março de 1973. Eu estava abandonando engenharia na Unicamp e me preparava para voltar a São Paulo.
Dos botecos que a minha turma freqüentava, um era o predileto disparado: o Bar do Alemão, na avenida Antartica. Pela música que rolava, pelo clima camarada que o Pelão havia oferecido àquela molecada cearense, por não ter muita hora pra fechar.
E foi num meio de semana, já umas duas da manhã, que o Eduardo Gudin adentrou o bar com um cidadão de cabelos brancos alisados com brilhantina, o violão envolto numa capa de lonita, não demorou dois segundos para todo mundo reconhecer a figura: Nelson Cavaquinho, que havia lançado no ano anterior um disco que virou um clássico instantaneamente.
O Dagô, pandeirista e dono do bar, se apressou em baixar as portas, mais ninguém do lado de fora e quem estava dentro não tinha a menor intenção de sair. O Nelson tirou o violão da capinha e, com aquele jeito exclusivo de beliscar as cordas com a mão direita, começou o desfile: em primeiro, as mais famosas do disco; depois, tudo que pedíamos, tudo que ele lembrava, tudo que nem sabíamos existir, até que lá pelas oito da matina o Dagô abriu as portas do bar para uma das mais luminosas manhãs que eu já vira.

Acho que foi ali que eu decidi que poderia morar em Sampa.
[Leia mais!]

.:: mês anterior :: :: :: :: December 2008 :: :: :: :: próximo mês ::.