:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Lixo da Internet

Correntes de Santo Antônio e similares - você deleta e a gente recupera.


.:: mês anterior :: :: :: :: July 2009 :: :: :: :: próximo mês ::.

28 Julho

O bom humor da raça de humoristas do CQC

Somos um país tão carente de ídolos quanto de Justiça. Quando ambas as carências superpõem, eis aí uma combinação perigosa.

Há tempos observo a evolução do humorístico CQC, um programa de matriz argentina, que, disfarçado com verniz moderninho, promove na TV o mesmo justiciamento que os programas mundo cão pelo Brasil afora.

Sim, ocupam aquele espaço de vespertino de ninguém na grade das "praças". Neles, explorando o pouco espaço de programação disponível, cada emissora faz a "crônica policial" que lhe cabe em busca da minguada receita local de patrocínio: expondo pessoas ao ridículo em pegadinhas mais ou menos bem produzidas, fazendo pouco da miséria alheia, "defendendo seus direitos".

O CQC desata a fazer a mesmíssima coisa de forma "inteligente", com um inegável apelo a uma juventude de classe média dos grandes centros, tão despolitizada quanto alheia à repetição desse fenômeno nacional. Seu quadro "Proteste Já" é exemplar: nele, um dos apresentadores (humoristas?) do programa defende "meus direitos" ante um político acusado de corrupção, um serviço público ineficiente, uma empresa velhaca que não cumpre o que promete (e que não se chame Telefônica, não por acaso patrocinadora de Marcelo Tas, o apresentador do programa...). Sempre, claro, com um tom de deboche que denota antes um apelo fascistóide do que propriamente inteligente.

Num dos episódios, um dos apresentadores chegou às vias de fato com um empresário acusado de um trambique qualquer. Um mesmo sujeito faz as vezes de jornalista, humorista, promotor, juiz, galã, "formador de opinião", mobilizador das massas, blogueiro independente e garoto-propaganda de marcas sólidas como Pepsi, Skol, Nokia e Telefônica.

O narigão-de-cera aí de cima é para contextualizar o que segue. Um dos apresentadores do CQC, Danilo Gentili, num infeliz comentário no Twitter agravado por um post em seu blogue, expôs a real mazela desse deboche. A piada infeliz do humorista está aqui, infelizmente sem permalink, sob o título "Um Post Racista" (reproduzido abaixo no Leia Mais por conta disso). O que eu realmente gostaria de ter escrito a respeito o Tulio Vianna já o fez, aqui, explicando como o riso pode servir de arma para covardia. Com um adendo: na sua "bem-humorada" ignorância, Gentili aplica a seres humanos o conceito literal de "raça" (diferentemente do empregado no título deste post, frise-se), algo contestado em qualquer livro de Biologia do Primário, mas incólume nesse tipo de blague.

Tire suas conclusões. O rapaz já se protege de qualquer crítica travestindo-se de humorista, não de justiciador, alegando patrulhamento politicamente correto. Eu ponho minha fantasia de Regina Duarte e digo que tenho medo disso aí. E gostaria muito de saber o que pensam Pepsi, Skol, Nokia, Telefônica e quem mais vier sobre o episódio.

Em tempo: mais, aqui. [Leia mais!]
09:36:15 - Pinto -

25 Julho

ampliando os negócios

zeno gmbh, colaborando no esforço de recuperação da economia mundial, lança novo serviço, dedicado a ampliar o conforto e a segurança do público feminino:

leões de chacras.

solicitações por cartas c/ fotos p/ a redação.
11:12:21 - George Smiley -

21 Julho

Se você não comer, eu me mato

"Não tenho problema nenhum com esse negócio de mãe, complexo, o escambau. Se pudesse, até casava com a minha".

(crdt dos filmes: open filmes, via armustus. vc sabe, o dos arbustos)
09:28:51 - Zeno -

20 Julho

Monsieur Surtaud

Na histeria democrática de defender a Redentora hondurenha, Reinaldo Azevedo (sem link, por favor) agora se refere a Obama como "Barack Hussein", e, como se não bastasse, afirma que quem primeiro denunciou o réu Daniel Dantas foi Diogo Mainardi (perdão, leitores, pela sucessão de impropérios num só parágrafo).

Me faz lembrar o Jon Swift e a discussão que tomou conta da campanha eleitoral norte-americana, ano passado: o sobrenome do meio do candidato.

Sinceramente, o pessoal amigo do blogue que me desculpe, mas lixo eletrônico é aquilo ali.

Em tempo: a continuar assim, sinceramente tô quase torcendo que os tucanos voltem ao poder e patrocinem uma "Segunda Leitura" praquele rapaz sossegar o facho. Afe, cruz!

Reinaldo Azevedo é apenas um jornalista que não passou da Primeira Leitura.
23:24:14 - Pinto -

18 Julho

Liberdade é falar mal da bunda da Juliana (era passar a mão na bunda do guarda)

Todo esse debate de alto nível sobre o affair entre Juliana Paes e Zé Simão atiçou nossos instintos mais primitivos. Republicanos, mas primitivos.

Simão deveria ter entendido que Laetitia é que é Casta, conforme quisemos demonstrar. Juliana castra, daí tome censura. Data maxima venia, deve ser a primeira vez na história do direito que uma bunda processa um macaco.

E, sinceramente, Juliana Paes, nem de frente nem de trás.
20:43:27 - Pinto -

17 Julho

A cabôca Regina Duarte baixou nimim

Disso aqui eu tenho medo.

(via cloaca news)
21:01:32 - Pinto -

14 Julho

O salto de Anabela

22:02:44 - Pinto -

.:: mês anterior :: :: :: :: July 2009 :: :: :: :: próximo mês ::.