:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


A hora do DJ Mandacaru

Velharias musicais sempre fresquinhas.


.:: mês anterior :: :: :: :: September 2009 :: :: :: :: próximo mês ::.

29 Setembro

Quem tem amigo não morre pagão

Ó, mas nem o Google pra responder tão rápido:
============================
"Várias músicas falam em Quixeramobim embora nenhuma delas seja de estrondoso sucesso:

1) Quixeramobim: "Onde é que tem uma redinha muito boa/ Pra depois do almoço a gente descansar" - autoria de Gordurinha, gravada por Ary Lobo
2) Quixeramobim: "Acho que tudo balança/ tua dança é um balancê, balançá/ acho que tudo é criança/ na lembrança tua trança no ar" - Nonato Luiz e Fausto Nilo, gravada por Fagner
3) Pau de Arara: "Vou me embora por meu Ceará/ porque lá tenho nome/ aqui não sou nada........tinha um amigo meu lá do Quixeramobim que comia gilete...." - Carlos Lira e Vinícius de Moraes
4) Até o Fim (?): "Mamãe contou que eu faço um bruto sucesso/ em Quixeramobim" - Chico Buarque de Holanda

Colaboração do ouvinte Fausto Nilo
============================
Pela transcrição

DJ M

Desafio ao DJ Mandacaru

Agora que o Ceará voltou à cena (nunca ausente de nossos corações), vejo em programa esportivo ontem, hora do almoço (ehh, cambada), entrevista com o atacante Iarley, momentaneamente defendendo as cores do Goiás. À pergunta "Onde você nasceu?", o veterano jogador responde Quixeramobim e é instado pelo locutor a dizer uma música em que apareça, na letra, sua cidade natal. Ele arrisca uma, sem lembrar da melodia, o locutor menciona outra, mais famosa, e está montado o nosso desafio caseiro. E aí, Mandaca, que músicas eu terei de cantar se quiser homenagear a cidade do Iarley?
09:06:30 - Zeno - 3 comentários

28 Setembro

A City Of Hot Nights And Cold Blooded Murder


Quem lembrou do filme foi um colega de uma lista de discussão, a Desafinado, atualmente se recuperando de uma overdose coletiva de Haldol ou algum estupefaciente.

Bom, o filme: Midnight in the Garden of Good and Evil, de 1997, dirigido pelo Clint Eastwood. Mais detalhes e uma crítica acurada sobre a película podem ser solicitados ao nosso editor-em-chefe, que, mesmo não aparentando, já podia ver filmes impróprios até 18 naquela época. O que me interessa aqui é que o filme se passava em Savannah (A City Of Hot Nights And Cold Blooded Murder), quer dizer, igualzinha a Iguatu, só que na Georgia, e é entre outros méritos, lugar onde nasceu Johnny Mercer (assim como foi em Iguatu que nasceu Evaldo Gouvêia, que que há, vão encarar?).

O Clinton, vocês sabem, adora jazz e standards. Não só alugou a casa da família como cenário, mas ainda fez toda a trilha com músicas do Mercer. Segundo esse amigo, nem o filme, nem a trilha podem ser encontrados nas boas lojas do ramo.

Bom, pelo menos a trilha está aqui. [Leia mais!]

19 Setembro

Toma que o filho é teu


Enquanto o VP de TI do HZ não implementa o tumblr aqui do blog, vamos nos virando com a rapina simples mesmo.
O Porco Rosso, dono do Guitar & The Wind, está lendo o Chega de Saudade, do Ruy Castro, e achou que seria bacana montar uma compilação com as canções mencionadas pelo Ruy como precursoras da bossa nova.

Então, seleção, rip, arte e link, tudo do cabra.

Pela transcrição,

DJ Mandacaru [Leia mais!]

16 Setembro

Jesus' Blood Never Failed Me Yet


A história toda está mais bem explicada nas palavras do próprio autor Gavin Bryars:

"In 1971, when I lived in London, I was working with a friend, Alan Power, on a film about people living rough in the area around Elephant and Castle and Waterloo Station. In the course of being filmed, some people broke into drunken song - sometimes bits of opera, sometimes sentimental ballads - and one, who in fact did not drink, sang a religious song 'Jesus' Blood Never Failed Me Yet'. This was not ultimately used in the film and I was given all the unused sections of tape, including this one.
"When I played it at home, I found that his singing was in tune with my piano, and I improvised a simple accompaniment. I noticed, too, that the first section of the song - 13 bars in length - formed an effective loop which repeated in a slightly unpredictable way. I took the tape loop to Leicester, where I was working in the Fine Art Department, and copied the loop onto a continuous reel of tape, thinking about perhaps adding an orchestrated accompaniment to this. The door of the recording room opened on to one of the large painting studios and I left the tape copying, with the door open, while I went to have a cup of coffee. When I came back I found the normally lively room unnaturally subdued. People were moving about much more slowly than usual and a few were sitting alone, quietly weeping.
"I was puzzled until I realised that the tape was still playing and that they had been overcome by the old man's singing. This convinced me of the emotional power of the music and of the possibilities offered by adding a simple, though gradually evolving, orchestral accompaniment that respected the tramp's nobility and simple faith. Although he died before he could hear what I had done with his singing, the piece remains as an eloquent, but understated testimony to his spirit and optimism."

Essa primeira gravação está aqui, em enxutos 26 minutos, para quem não tiver paciência de baixar a segunda versão, feita em 1993, e consideravelmente mais extensa (72 minutos), além de contar com a voz de um velho admirador (et pour cause) da peça, Tom Waits.

Para quem achar que pode ser enfadonho só digo o seguinte: é a música cantada ao final de cada reunião de pauta do HZ. Vocês precisavam ver o ar compungido do Lama.

09 Setembro

Steve jobs e eu me emociono

""LPs eram ótimos - você tinha música, fotografia, notas, ensaios ... a maioria nos deixou quando partimos para os CDs", disse Jobs, de acordo com cobertura ao vivo da "Engadget".
"Isso é o que estamos fazendo com o LP. Você comprou um grande álbum no passado ... você pode tê-lo novamente. Aqui está o 'American Beauty', do Grateful Dead. Um grande disco. Há todos os tipos de conteúdo adicionados aqui, como letras, fotos...", explicou o executivo.
O iTunes 9 inclui o mixer de música Genius Mixer, que gera automaticamente listas extraídas dos catálogos do usuário, de acordo com os critérios de compatibilidade, permite o controle das aplicações do iTunes com o iPod e compartilha os conteúdos com até cinco computadores em uma residência."

==================================
Olha, até pode ser porcaus do vinho que já tomei, mas eu estou quase soluçando com tanta generosidade. Compartilhar conteúdo com cinco computadores na minha casa? Bastando, para isso, que eu compre um iPod qualquer? Brigaduuuuuu, Steve! Valeu, brother! Força aí nesse fígado!

02 Setembro

Branca no preto

Ele tá de olho é na butique dela
Então, tava lá a dona Sathima Bea Benjamin, em pleno inverno de 1963, caitituando o seu marido Abdullah Ibrahim (também conhecido por Dollar Brand), nos botecos de Zurique. Algumas figurinhas carimbadas de jazzistas americanos já tinham passado pelo pedaço - entre eles Don Byas, Dexter Gordon, Kenny Drew, Ben Webster, Bud Powell, John Coltrane e Thelonious Monk - mas naquele fevereiro o maior de todos estava por lá. E a Sathima convenceu o Duke Ellington a dar uma passadinha no Club Africana para ver o trio do marido. Não que ela fosse, assim, uma Paula Lavigne: a moça tinha uma carreira como cantora na África do Sul, de onde também era o marido, ambos autoexilados políticos por um motivo simples, a Bea era branca, Abdullah, preto. A história resumida vocês acham na Wiki e no site dela.
Noves fora, o velho gostou. E, como A&R da Reprise (dono: Frank Sinatra) convenceu os dois a dar um pulinho em Paris para gravar um disco. Mais: achou que cada um deveria gravar o seu. O do marido deu certo: "Duke Ellington Presents The Dollar Brand Trio" foi lançado no ano seguinte e ajudou a estabelecer a carreira do cabra no circuito jazzístico internacional. O da Sathima, os manés da Reprise acharam pouco comercial. Pior: a fita master perdeu-se em alguma margem do Sena. Por sorte, o engenheiro da gravação Gerhard Lehner havia feito uma cópia e foi ela que permitiu o lançamento dessa gema em 1997. O disco "A Morning in Paris" é Del Gran Caray: o próprio Duke, o Billy Strayhorn e o Abdullah defendem o piano. O baixista e o baterista do trio, Johnny Gertze e Makaya Ntshoko, seguram a base, e um violinista maluco toca em pizzicato todo o disco, como se lhe tivessem roubado a guitarra. Mais embaixo, está a relação das músicas. Como de hábito, uma provinha. [Leia mais!]
22:52:16 - DJ Mandacaru - Comentar

.:: mês anterior :: :: :: :: September 2009 :: :: :: :: próximo mês ::.