:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Filmes esquisitos

Nós gostamos mesmo é do escurinho.


.:: mês anterior :: :: :: :: March 2010 :: :: :: :: próximo mês ::.

20 Março

ex-fusca e ex-principe

no pau

dou c'uma
putapedra

a pedra pula e some

era um sapo
porr'indabem

uma besta dessa
beijava a vidraça
e virava fusca
e eu
em gracejo
de shakespeare

e num mízero
entreato
16:20:39 - George Smiley -

15 Março

Filmes, filmes e mais filmes

Já que o assunto é cinema, permito-me entrar na seara do Zeno Ewald Filho e sugerir os documentários, categoria em que o Oscar se permite algumas excentricidades. Num cine torrent perto de mim vi The Cove, o vencedor, e Food, Inc., um dos indicados. São dois filmaços que figuram na minha classificação de imperdíveis, e explico por quê.


O primeiro, sobre a matança de golfinhos no Japão, não tem a relevância global do segundo. Mas a maneira como foi filmado, a razão por trás da sua realização os truques utilizados pela produção para burlar a polícia japonesa (e neguinho acha que efeitos especiais são coisa de Avatar, tolinhos...) justificam o prêmio. Terminei o filme às lágrimas e, odeio dizer isso, recomendo com fervor de militante.



Convenientemente, Food, Inc. não levou: nao pegaria bem para a Academia premiar um filme que deixa em péssimos lençois empresas como Cargill, Monsanto, McDonald's e por aí vai. Ao contrário do primeiro, é mais quadradão na forma, mas não menos eficiente em disseminar uma mensagem fundamental. Um dos nomes que embasam o filme, Michael Pollan, é autor de dois livrinhos fundamentais para entender a industrialização dos alimentos: Em defesa da comida e O dilema do onívoro.

O curta de animação vencedor, o argentino Logorama, você assiste em duas partes no YouTube mesmo.
20:48:51 - Pinto -

Dez anos esta tarde

Dica para os cinéfilos que acompanham o blog (alô, Douglas! Abração, Gustavo!): saiu recentemente pela revista francesa Les Inrockuptibles a lista dos 100 melhores filmes da primeira década do século. Duas considerações: 1) dá pra discutir um monte de discordâncias e anuências, e a lista vale principalmente por nos lembrar do filme X ou Y; 2) putaquipariu, já se passaram dez anos?!?

(crdt do link: monsieur sylvain b., que reclamou da ausência de Redacted, do Brian de Palma, na lista. Não tem importância: Cloverfield, que é marromenos a mesma coisa só que muito melhor e sem a chatice do Iraque, tá lá.)
17:38:26 - Zeno -

08 Março

Catadão do Oscar 2010

Não vi Avatar. Ainda. Mas o tal Hurt Locker, francamente, é só bacaninha. Bota inha nisso. A diretora, num sentido não exatamente cinematográfico, é melhor que o filme. Meu preferido era Distrito 9 (resenhado aqui), mas sabia que não havia chance alguma que se premiasse inteligência. Eu até topava o do Tarantino como vencedor, se fosse pelo menos para bater aquela chatice bem-intencionada do Up in the Air. Assim como o Pinto, também respirei aliviado quando A Fita Branca perdeu – uma boa punição ao Haneke por ter incorporado um jeitão Lars Von Trier de ser. Também não vi o argentino vencedor, mas vou, e já gostei de antemão (o candidato peruano a gente tinha resenhado aqui). Eu choro sempre em discursos emocionados, e chorei com os convidados comentando sobre as atrizes candidatas e com o discurso da Sandra Bullock. E o Jeff Bridges, quem é que não gosta dele?

Pra encerrar, sobre a cerimônia, a dupla de apresentadores não funcionou muito, mas teve a melhor piada da noite, a do Steve Martin, com um gesto largo, apontando para a presença de judeus na platéia (o que despertou uma resposta babaca do babaca do Ben Stiller, sobre o clima “nazi” na festa). O maior deslize, evidentemente, foi mostrar a Barbra Streisand às duas da manhã, sem aviso ou prescrição médica anterior.
11:41:03 - Zeno -

01 Março

Kurosawa 100 anos

No próximo dia 23 de março o Japão, os cinéfilos espalhados pelo mundo e até mesmo sua sogra estarão comemorando o centenário de nascimento de Akira Kurosawa, que, se não é o maior cineasta japonês de todos tempos (Ozu, alguém disse? Mizoguchi?), é, sem dúvida, o principal responsável pela divulgação deste junto ao público ocidental, isso desde pelo menos a estréia e a consagração de Rashomon, em 1950. Não sou um sujeito conhecedor da obra do mestre (nas contas rápidas, vi uns 10 filmes, de um total de 32), mas meu palpite para melhor filme vai ou para Céu e Inferno, de 1963, ou para Kagemusha, no fim da carreira, em 1980. Gente que entende muito mais de cinema do que eu recomenda também O Homem Mau Dorme Bem (adoro este título), de 1960, e alguns policiais que ele fez na década de 40. A Criterion, sempre ela, lançou uma caixa de DVD's em homenagem ao centenário, com 25 filmes, sendo 4 inéditos em qualquer mídia anterior. A caixa é de babar, e faz você pensar que seu salário é uma merda, mesmo, porque do contrário você não ficaria baixando filme em resolução ruim feito besta quadrada, como este que vos fala.
19:36:50 - Zeno -

.:: mês anterior :: :: :: :: March 2010 :: :: :: :: próximo mês ::.