:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


...ou então miojo

Nossas impressões sobre as cozinhas do mundo - a contrapartida sólida da Busca do Graal.


.:: mês anterior :: :: :: :: April 2010 :: :: :: :: próximo mês ::.

14 Abril

Bottagallo

Abriu há três meses, e está sempre cheio. Fica no Itaim, o que de uns bons anos pra cá significa “lugar em que sua presença melhorará muito o ambiente”. É da mesma rapaziada que montou Pirajá, Astor, Pizza Bráz, etc., o que é garantia de combinações societárias curiosas, comida correta, às vezes mais que isso, e serviço profissa, que se estende do sujeito que segura a onda na entrada, mesmo com uma espera imensa (anotem aí, Coelho é o nome do garçom traquejado que dribla a impaciência lá fora), passando por um barman que sabe das coisas (um Negroni e um Vodka Martini não me deixam mentir, embora tenham feito outros estragos) e chegando no pessoal das mesas, solícitos a cada impaciência do freguês. A leitura do cardápio, extenso demais, nos promete um mundo sensacional de petiscos de extração italiana. Minha consorte, que entende tudo de cardápio e de sensacional, diz que falta muita coisa, além de ter ficado puta pelo fato de os caras terem trazido finalmente ao Brasil o tal gnocco fritto, sua ingênua esperança de ficar rica um dia com a idéia (já que namora um blogueiro). E a comida? Bem, nada do que foi provado era inesquecível. Um ovo cozido e empanado diferentão, umas costelinhas de porco OK, um “envelope” de mortadela com taleggio dentro, enjoativo, e um agnolotti recheado de carnes diversas que foi a decepção do almoço. Tem vinho da casa, trazido por eles mesmos da Itália, um rosso de montelpuciano que não fala mal de ninguém e tem preço camarada.

Enfim, leva uns 7 miojos, mais pela organização e pela ousadia de apresentar um cardápio inesperado que pela refeição.

(Depois que nosso Redator Chefe Pinto foi cooptado pela grande imprensa e passou a escrever resenhas gastronômicas mediante pagamento, nossa seção “... ou então miojo” estava às moscas. Continua sem o brilho do Mestre, como se vê acima. Esta é uma reclamação pública. Ouviu?)

(Em tempo: para uma resenha mais ponderada e informativa sobre o lugar, temos sempre a opção do inexcedível Luiz Américo, aqui)
11:42:45 - Zeno -

.:: mês anterior :: :: :: :: April 2010 :: :: :: :: próximo mês ::.