:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Tectum Intuentes

Ociosidade produtiva - textos reflexivos, anotações íntimas, sacanagens e demais ressentimentos.


.:: mês anterior :: :: :: :: June 2010 :: :: :: :: próximo mês ::.

18 Junho

Vai sem Deus, Mestre



De que adianta falar de motivos, às vezes basta um só, às vezes nem juntando todos.
— José Saramago, ✩16/11/1922, ★18/06/2010.
20:04:19 - Pinto - 1 comentário

10 Junho

A Guerra era fria, mas hoje, ao sol, é bem quentinha

Uns, como o nosso George Smiley aqui da casa, puderam viver na pele as emoções e contra-emoções da Guerra Fria que dividiu durante meio século porcos capitalistas inescrupulosos pra cá, comunistas comedores de criancinhas pra lá. Outros, como este que vos escreve, só dispunham de um único truque para sentir-se em meio àquela atmosfera de conspiração, gin barato, décor opressivo e iluminação de boate: pegar qualquer vôo europeu que tivesse como destino o aeroporto de Tempelhof, em Berlim. Mesmo o mais intimorato brasileiro descia as escadas do avião pensando “Isso aqui não tá me cheirando bem!”, e fazia mentalmente a lista de delitos que cometera desde a tenra idade, só para não ser pego de surpresa pelas ôtoridades alemãs do controle de imigração. O aeroporto, desde que fora reformado pelos nazistas na década de 30 (a propaganda da época dizia “O maior prédio, em área, da Terra”), trazia esse jeitão de Lugar Histórico Onde Coisas Importantes Acontecem, e o bloqueio ferroviário, rodoviário e marítimo imposto pelos russos em 1948 só aumentou a fama e a importância do lugar – e eu já surpreendi muito marmanjo ao explicar que a nossa Ponte Aérea RJ/SP deve seu nome ao bloqueio de Berlim e ao uso de Tempelhof como escape, mas isso é assunto para a Deutsche Welle.

Com a queda do Muro, a queda de meus cabelos e a queda da economia européia em geral, Berlim ficou com o mico orçamentário na mão de três aeroportos em sua área central (o histórico Tempelhof, o novo e horroroso – dos anos 70 – Tegel, e o aeroporto que ficava do lado oriental, Schönefeld). Conversa vai, embromation vem, resolveram unificar a bagaça com a construção de um novo, super hiper, verba miliardária, empreiteiras felizes, aeroporto central fora da cidade, ao sul, e Tempelhof foi fechado oficialmente no final do ano passado. Agora, há poucas semanas, inauguraram – bela idéia – um parque onde ficava o aeroporto, com direito a passear de bicicleta pelas pistas de pouso, desfilar de skate no meio do controle alfandegário e comer o seu salsichão sentado naquele gramado histórico. Se você quiser ver um bando de alemães se divertindo a valer na inauguração (200 mil pessoas no primeiro fim de semana!), clique aqui. Se você quiser sugerir ao Kassab que faça o mesmo com Congonhas, escreva pra ele, que nós não temos – ainda – contato direto com o moço solteiro sem filhos.
20:49:25 - Zeno - 5 comentários

.:: mês anterior :: :: :: :: June 2010 :: :: :: :: próximo mês ::.