:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Todos

Todos os posts do mês. Para selecionar uma seção, clique no menu ao lado.


.:: mês anterior :: :: :: :: September 2010 :: :: :: :: próximo mês ::.

28 Setembro

Vim, tanta areia andei

Um passinho à frente, dois atrás

Eu não tenho a menor ideia de como a Betty Roché andava, sentava ou caminhava (aliás, Jorjão ainda vai me explicar a diferença entre andar e caminhar). Eu só sei que quando a nêga ficava parada em pé na frente de um microfone a humanidade fazia jus às observações de Darwin. Desde quando ganhou um concurso de amadores no Apollo Theater, até quando assumiu a espinhosíssima tarefa de substituir a Ivie Anderson como cantora da orquestra do Duke Ellington, em 1943, poucos dias antes da estréia do velho no vetusto Carnegie Hall.
Mas gravou pouco, só três discos, antes de afundar no anonimato, o último em 1961. Separei dois procês avaliarem, mas com direito a duas provinhas.


[Leia mais!]

27 Setembro

Eu quero é mais

Da D. Carolina Herrera sobre a Carla Bruni na coluna da Ronia Sacy, hoje no Estadão:

"É uma mulher que sabe andar, sentar, caminhar. É completa".

Depois fica aí a macharada, exigindo mundos e fundos das meninas!

24 Setembro

Toma que o filho é teu

O menino em casa chorando com fome e tu jogando sinuca, Zeno?

Eu não gosto de me meter na criação de filho dos outros.
Mas se o filho fosse meu, eu botava para o moleque ouvir o Count Basie - Basie Meets Bond, de 1965.
A essa altura, havia apenas quatro Bonds na praça: O Satânico Dr. No, Moscou contra 007, 007 contra Goldfinger e 007 contra a chantagem atômica. E foi deles que o Conde pinçou os dez temas do disco e botou nas mãos do Chico O'Farrill e do George Williams pros arranjos.

Em matéria de swing, John Barry não dá nem pra saída.

(crdt: a postagem original é do recente e excelente Minha Vitrola Virtual)
[Leia mais!]

Barba, cabelo e bigode

Lê-se na edição impressa do Estadão de hoje que o Bradesco foi condenado a pagar R$ 100 mil de indenização por ter proibido um funcionário de uma agência na Bahia (não, não era o Franciel) de usar barba no banco. O funcionário dizia que tinha a pele sensível, e o banco dizia que, segundo pesquisas, a "barba piora a aparência e seu uso pode atrapalhar o sucesso profissional". O juiz que proferiu a sentença favorável ao funcionário citou "Jesus Cristo, Charles Darwin, Machado de Assis e o próprio presidente Lula" para rebater o argumento do banco.

Longe de nós querer julgar a competência da bancada advocatícia que defende o Bradesco, mas fica já a sugestão para quando o banco recorrer da sentença: "Excelentíssimo, e quanto a Rasputin, Nero, Cesar Borgia, Charles Manson e o meu cunhado?"
12:43:55 - Zeno - 7 comentários

22 Setembro

O despeito é uma forma de admiração

Já relativamente refeito da traulitada que meu time tomou no final de semana, num 0 a 2 que só serviu para consagrar o bom garoto com crise de identidade do São Paulo, eis que tenho, à minha frente, o boletim com as bilheterias dos filmes que estrearam no último fim de semana no Brasil. Soberano, película invulgar que relata as últimas conquistas do tricolor paulista, foi prestigiado por 18 mil e dez pessoas nos três primeiros dias de exibição, em 50 salas, o que dá uma média de 360 torcedores por cada (sem trocadilho). É pouco, bem pouco, ainda que seja um palmeirense a dizer isso. Pra ficarmos numa comparação injusta, Divino, documentário de 2006 sobre a carreira de Ademir da Guia, ou seja, baseado em apenas um jogador, fez mais ou menos isso apenas com uma sala, ali ao lado do Palmeiras, no Cine Clube Lilian Lemmertz, cujo fechamento recente não tem nada a ver com o pobre do Ademir. Mas voltando: antes que o galhardo torcedor tricolor reclame, pela enésima vez, do pouco engajamento de seus frères d'armes, segue um consolo (sem trocadilho II) estatístico: Léo e Bia, novo marco da cinematografia nacional, escrito e dirigido por Oswaldo Montenegro, teve 206 almas poéticas a visitá-lo nos mesmos três dias. Nada, nada, não é nada, mesmo, mas pelo menos o Rogério Ceni poderia gravar um vídeo promocional (teaser - sem trocadilho III) para dar uma força ao pobre Oswaldo, né não?
10:59:54 - Zeno - 3 comentários

20 Setembro

Relaxa, nano




Se teu negócio é free jazz alemão, nem chegue perto da Jacintha Abisheganaden. Ela canta afinado, tem voz agradável, o repertório é ótimo, mas tudo dentro das regras da lei. Vejam Our Love Is Here To Stay como provinha e o resto do álbum todo com o repertório do Ben Webster.
Ah, sim, o nome: ela é de Cingapura, a mãe é da China, o pai do Sri Lanka. Globalização é isso aí.

[Leia mais!]
15:33:01 - DJ Mandacaru - Comentar

14 Setembro

Jabá do bem



Clarice Lima, a Cacá, é uma favorita da casa e manda muito bem. Vamos?
11:46:44 - Pinto - 1 comentário

13 Setembro

Eu tenho vergonha dos anos 70


10 Setembro

A superestrutura é determinada pela estrutura

Eu me lembro de uma história que envolve patrimônios líqüidos, assets, estocagem dinâmica, um curió e vários livros esgotados. Um ex-sogro meu, vocês não conhecem, não, tinha um sítio no interior e estava preocupado com o extermínio da fauna aviária do local, por obra e graça do caseiro que engordava o orçamento vendendo passarinho pelas redondezas. Instado pela onda de preocupações ecológicas tão em moda nos últimos anos, além de uma descompostura camarada dada pelo patrão, o caseiro passou a engrossar as fileiras dos "observadores de pássaros", de conhecida extração inglesa, isto é, aquela gente esquisita que sai pro mato de binóculo em punho e se contenta em olhar passarim, sem a cobiça da captura e venda. Mas a Inglaterra não é o interior de São Paulo, e o pobre caseiro sofria com a síndrome de abstinência pecuniária. Numa conversa à-toa sobre o tempo, a colheita ou os males do berne, ele sempre dava um jeito de encaixar um comentário entristecido: "Olha lá, Seu S., olha agora: quinhentos conto parado ali na cerca, facim facim!"

Dia desses, descobri com a ajuda da insidiosa Estante Virtual que um exemplar normalíssimo da "História da Literatura Latina", da Calouste, que eu devo ter aberto duas vezes a vida inteira, está avaliado em 290 pratas. O "De segunda a um ano", livro com textos do músico John Cage publicado pela Perspectiva e que eu folheei menos vezes ainda, não sai por menos de 200 reais. Gente mais qualificada que eu já disse que a cobiça é um troço insidioso. Agora, cada vez que passo os olhos pelas estantes aqui de casa, vou localizando mentalmente vários "quinhentos conto parado ali na cerca". Resistirei?
11:40:35 - Zeno - 7 comentários

Adivinhe quem não vem para jantar?

Deu na Ronia Sacy, hoje:
=======================
Sonia e Eleazar de Carvalho Filho recebem convidados para um jantar, domingo, logo após o concerto da OSB em homenagem ao reconhecido maestro Eleazar de Carvalho.
=======================
De corpo ausente, certamente.

07 Setembro

O quinto

08:00:00 - DJ Mandacaru - Comentar

03 Setembro

Não sei por que...

...mas eu peguei hoje me lembrando do pão com bromato.
19:33:09 - Pinto - 2 comentários

O quarto



O quinto - e último - só depois do feriadão.
[Leia mais!]
13:53:49 - DJ Mandacaru - Comentar

02 Setembro

O terceiro

20:00:00 - DJ Mandacaru - Comentar

Desça-se um respeitoso véu de silêncio


oquei, vcs. empatamos

como quase nada vale aqui o que baita*, levem essa pelos vossos 'agent provocateur':

y eis que aqui há, claro
um céarêns

iiisso, aqui nas highs mesmo.

y qui cozinha práchuchú.
y qui tem um buteco.

y qui faz o milhor bulindibacalhau questabesta já num viu.
e uma porção de posta de pescada que cheira a acaraú*.
aqui, 400 km padentro.
y pacaray

pois tómen quae sera libertas**:

bar do lira.
que sabe até o qué um bilro.
(pois ele os fazia qdo garoto, umas 'passadera', como diziam e ainda)

y sonhem issos cuma brama orquextra perfeita e umas boazinha,
coisas pras quais quoqué mundo se ajoêia por aí, nesse universão todo.

inté onde eu saiba.
o que não é pouco.

saibam todos os que esta virem:
y cearense recebe freguez q'nem vulcabrás um pé:
benvindo mas não muito

*hoje, jericoaquara.
**franz, se console aqui da 'queda' do nosso coliseu mixtiço...

01 Setembro

poste tamen é curtura, já dizia o isaque

como comprova diariamente nossa nobre o.nano, o asimov tinha razão nessa aqui* :



* em '88, maginasó.
(crdt. tly)
18:53:20 - George Smiley - Comentar

Segundão




Eu achei justa a observação do amigo: "Mané, se tu colocou o único disco do velho que foi lançado em CD, por que não bota os outros, que nunca sentiram o gostinho de um bit?".

Então, taqui o segundo: Moacir Santos - The Maestro, de 1972. No chorus line, Frank Rossolino, Bill Henderson, Clare Fisher, David Duke, Joe Pass, só procêis sentirem o prestígio do cabra. A provinha é Nanã, que vocês podem ouvir como Coisa n.5, lá do outro CD.
[Leia mais!]

.:: mês anterior :: :: :: :: September 2010 :: :: :: :: próximo mês ::.