:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Todos

Todos os posts do mês. Para selecionar uma seção, clique no menu ao lado.


.:: mês anterior :: :: :: :: October 2011 :: :: :: :: próximo mês ::.

31 Outubro

A hipnose e o adultério

Algum dia a arte anônima de escrever sinopses de filmes terá seu devido reconhecimento (basta ver o tempo que demorou para que os anônimos que construíram a Catedral de Chartres fossem admirados). Quando este dia chegar, a seguinte sinopse, recebida hoje numa lista de lançamentos em DVD, será justamente aplaudida:

The Mask of Diijon: Eric von Stroheim (Sunset Boulevard) stars in this mesmerizing, classic tale of horror. Von Stroheim plays a hypnotist who tries to have his hypnotized wife kill the man he suspects is her lover. In the dazzling finale, von Stroheim barricades himself in a magician's shop that may be more dangerous than the police outside trying to bring him out.

Lôco, né?

(crdt: newsletter do sempre confiável dvdbeaver)
11:48:03 - Zeno - 3 comentários

29 Outubro

tava aqui todo felizinho

vendo essa beleza aqui:


[Leia mais!]

26 Outubro

Habemus Papam (2011)

Mais um filme programado para a Mostra, que, leio no twitter, anda tendo problemas com a qualidade das cópias. Mas como este é o novo filme do Nanni Moretti, deve estrear logo mais por aqui em projeção decente. Como em Il Caimano/O Crocodilo, o filme tem umas gorduras que poderiam ser facilmente cortadas, apesar da pouca minutagem. Como em qualquer filme do Moretti, tem muita idéia boa, muitos planos bem sacados e piadas em padrão elevado. Não achei que o Michel Piccoli estivesse particularmente bem no papel do papa recalcitrante, mas o resto do elenco segura a onda, com o próprio Nanni à frente fazendo um hilário psicanalista.
10:59:50 - Zeno - 1 comentário

25 Outubro

Quanto vale o show?

Deu na Folha:

Ingressos para show de João Gilberto estão encalhados em SP


João Gilberto encalhado: a apenas 11 dias de seu show em SP, 1.144 ingressos, ou mais de um terço do Via Funchal, onde ele se apresentará, ainda estão disponí­veis. O eventual fracasso já causa estresse na equipe que organiza a apresentação do pai da bossa nova. As vendas foram anunciadas há mais de um mês.
Os ingressos para ver João Gilberto em SP custam de R$ 500 a R$ 1.000. Os lugares colados ao palco estão esgotados. Mas logo atrás, na plateia 2, mais de 300 cadeiras ainda estavam vazias até a tarde de ontem. Nos mezaninos centrais ainda existiam 189 lugares, por R$ 700.
Já no Rio, onde João Gilberto toca no dia 15/11, os ingressos estão esgotados.

=============================
Diversas possibilidades:

1) O Ceará alavancou as vendas no Rio de Janeiro.
2) Carioca é festeiro mesmo, ainda mais se for para homenagear um conterrâneo.
3) Eike Batista resolveu comprar o show e distribuir entre a famí­lia Cabral, ora essa, que é que tem demais?
4) Em São Paulo, a alta burguesia continua onde sempre esteve: todos os lugares mais caros foram vendidos. Na classe média, a coisa encalhou. E o pessoal que acabou de ser incorporado ao mercado não se aguenta de vontade de ver o João. Mais uma vitória do nosso Lulilma.
5) Paulista tem juízo.

Diálogo em tempo de crescimento econômico, com viés de alta para as classes C e D que não param de viajar

-- Rapaz, tô preocupado com a minha fatura do caRtão, depois dessa viagem. Gastei o que tinha, o que não tinha e o que eu jamais terei.

-- Saiu detonando, né? E foda-se pro IOF, né? E mais ainda pro câmbio, né?

-- Mas será que não tem um lado bom nisso? Será que não rola um prêmio, um bônus, um recorde olímpico, tipo "Usuário Com a Fatura Mais Alta do Mês no Brasil Inteiro"?

-- Rola. Tu ganha um chaveirinho com a inscrição "Otário do Mês a 12%".
20:18:03 - Zeno - Comentar

Antes só do que acompanhado em multiplayer

Faz algum tempo que 2/5 da redação andam ocupando secretamente suas noites com mortes, esquartejamentos, tiros de rifle à distância e batalhas infindáveis com zumbis em lugares tão improváveis quanto a superfície da lua ou um cinema abandonado do Terceiro Reich. Mas isso é assunto pra outro dia. O de hoje são estes números, recebidos por e-mail da Eletronic Arts dias atrás (e, portanto, já desatualizados): 9 milhões e meio de pessoas já jogaram a versão beta do novo game Battlefield 3, com 47 bilhões de tiros disparados e o novo recorde mundial para morte por tiro de rifle à distância, 635 metros, o equivalente a 8 quarteirões. Sobre essa mania mundial, tem gente mais qualificada do que nós para comentar: são os podcasts divertidos do pessoal do Gamer Inconstante. Além do conhecimento técnico, eles têm outra vantagem sobre a Terceira Idade do Zeno: uma mãe com cartão de crédito ilimitado. Cliquem e se divirtam.
09:59:39 - Zeno - 4 comentários

24 Outubro

Um pouquindo de Brasil, iáiá

Há algum tempo a região onde moro, na Bela Vista, virou uma mini-cracolândia –como de resto boa parte de São Paulo, mas sejamos específicos neste caso. Até semanas atrás funcionava aqui a garagem dos Chevrolet Captiva que fazem o Street View do Google. Eles, que não são bobos nem nada, picaram a mula há algumas semanas, e desde então o número de pessoas abrigadas sob a marquise da tal garagem só aumentou.

Na manhã do sábado eu passava na calçada em frente no instante em que uma senhora, mais ou menos 60 e poucos anos, bem vestida, com aquela arrogância que só a classe média exala, acompanhada de um possível netinho, ateou fogo com um isqueiro aos despojos que servem de abrigo aos drogaditos. Passando por ali, uma outra senhora, aparência humilde, protestou veementemente: "Que absurdo! Você não tem o direito de fazer isso!". Madame piromaníaca não se fez de rogada: sacou do bolso uma carteira com um distintivo (não pude ver direito, mas arrisco ser da Polícia Civil) e bradou a plenos pulmões, sacudindo a mão no ar: "Olha aqui, ó! Eu posso fazer o que eu quiser!".

A coisa encerrou-se por ali mesmo enquanto pequeno incêndio consumia o montinho de cobertores, andrajos e caixas de papelão. Felizmente seus donos não estavam ali para queimar junto. E infelizmente não fui rápido o suficiente para sacar o celular e registrar o flagrante.

***

Ontem, passeando por uma Oscar Freire engarrafada no domingo à tarde, tanta lojas bacanas cheias de gente bacana, um cidadão de 50 e tantos anos, elegantemente vestido, de óculos escuros e gel no cabelo, com aquela opulência bronzeada que sói à classe AAA paulistana, desfilava no seu Mercedes conversível azul, de capota aberta, baforando um charuto que, pelo tamanho, julguei ser um Doble Corona ou algo equivalente. A alturas tantas ergueu do piso do carro uma garrafa envolta num saco plástico branca aparentando ser uísque, rum ou outro destilado de tom dourado e deu um belo gole, olhando em volta com um sorriso de satisfação.
14:24:54 - Pinto - 2 comentários

A Caverna dos Sonhos Esquecidos (Cave of Forgotten Dreams, 2011)

Mais cinema de verdade: tá na programação da Mostra de SP o novo documentário feito por Werner Herzog sobre a descoberta de uma caverna francesa, a Grotte Chauvet, com mais desenhos rupestres do que a já inacreditável Lascaux (que, aliás, foi fechada ao público há um bom tempo, já que o turismo estava danificando as pinturas - foi construída uma réplica!, ao lado, para ser visitada...). A Chauvet nem foi nem vai ser aberta: o governo autorizou uma equipe diminuta liderada pelo Herzog para realizar quatro sessões de filmagens do local e c'est tout. Nem entra em discussão se é um bom documentário ou não, porque o que é registrado, as imagens da caverna, são deslumbrantes. O fio condutor encontrado pelo Herzog é batuta, de que as imagens nas paredes são ao mesmo tempo os sonhos e a memória daqueles homens, mais ou menos o mesmo que o próprio Herzog (e o cinema, e a pintura, e a música, etc) faz com o seu filme em relação aos homens de hoje. Os paleontólogos e arqueólogos entrevistados dão uma ou outra escorregadela, como por exemplo a tentação de atribuir significados a imagens que têm por volta de 30 mil anos, mas isso é compensado pelo uso maravilhoso do 3D, a primeira vez que vejo uma real razão de se usar a tecnologia (fora dos desenhos animados), e é incrível que não se tenha pensado nisso antes: os volumes das paredes da caverna se tornam táteis, e as pinturas muito mais visíveis. De quebra, o epílogo do filme, sobre crocodilos albinos (!) que vivem numa estufa artificial gigantesca, construída próxima à caverna e abastecida com o vapor gerado por uma usina atômica ali por perto, é tão bem sacado que eu não vou cometer a gafe de explicá-lo.

O trailer do filme, pra despertar o cro-magnon dentro de você, está aqui.
12:04:05 - Zeno - 8 comentários

21 Outubro

Há esperança, inclusive para nós

Hoje é a estréia americana (depois de ter sido exibido em Cannes e ter faturado o prêmio da crítica) do novo filme do Aki Kaurismäki, o melhor antídoto que conheço para a doença larsvontrier diarreias que tem acometido esta cidade nos últimos tempos. O trailer é sensacional:

Le Havre.

O primeiro que conseguir baixar o filme num Cine Torrent próximo ganha um beijo meu, pelo esforço. E, no trailer, já há meu candidato a melhor diálogo de cinema do ano: "Doutor, não há esperança?", "Milagres acontecem", "Não onde eu moro".

P.S.: Como bônus, segue a divertida lista que o Kaurismäki fez dos 10 melhores DVD's lançados pela Criterion.
19:42:22 - Zeno - 4 comentários

Os dois de ontem






08:44:46 - Lama - 2 comentários

12 Outubro

a tinta vermelha



vejabem:
eles foram "proibidos de usar amplificação", assim repetem o que é discursado p/ que os detrás, algumas dezenas de milhares ali, já, (fora o resto), possam saber (/sabor, sapoere) o barato do papo.

prestenção: é uma anti-missa.
não é o que parece.

muito bom isso, 'imaginação no poder', 'proibido proibir' etc.
era verdade, afinal, normal demorar um pouco p/ funcionar.

mais no
[Leia mais!]
00:06:03 - George Smiley - Comentar

08 Outubro

chega, basta, fora!

me lembro dela
essa frase tal e morta
ines quecível
e irritante musa,
logo após lê-la.

-já então de sacocheio de sacocheios:
desde muleques cercado dissos-

caiu de cara
o pensamento:
coisa de canastrão isso:

coisa de moralhistas;
daqueles tipos de
metralhas lacerdistas.

nem me importei donde vinha,
era uma merda
e pronto.

nunca procurei a origem
imbecil como sempre
uma merda de intelectual
um protoeta
um quase ou um talvez.

e isso só voltava quando
algum ou alguma
vinham c/ mais uma indignação
porque sempre tinha uma:
que canseira...

agora me volta
tudo isso e
por trás do espelho:

um povo inteiro
que )quase( sempre
se creditou
no melhor dos mundos
desacredita=se

vemos eles )quase( voltarem
às suas origens
de vanguarda dos explorados
-grande história essa-

e cai na rua
e sentado -isso é que é duca-
se resolve a defenderse
contra si-mesmo
e suas crenças-crédito:

http://occupywallst.org/
15:12:57 - George Smiley - Comentar

.:: mês anterior :: :: :: :: October 2011 :: :: :: :: próximo mês ::.