:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


Zenices

Pensamentos de Zeno acrescidos de pérolas de igual verve vindas de procedência vária.


.:: mês anterior :: :: :: :: October 2011 :: :: :: :: próximo mês ::.

25 Outubro

Quanto vale o show?

Deu na Folha:

Ingressos para show de João Gilberto estão encalhados em SP


João Gilberto encalhado: a apenas 11 dias de seu show em SP, 1.144 ingressos, ou mais de um terço do Via Funchal, onde ele se apresentará, ainda estão disponí­veis. O eventual fracasso já causa estresse na equipe que organiza a apresentação do pai da bossa nova. As vendas foram anunciadas há mais de um mês.
Os ingressos para ver João Gilberto em SP custam de R$ 500 a R$ 1.000. Os lugares colados ao palco estão esgotados. Mas logo atrás, na plateia 2, mais de 300 cadeiras ainda estavam vazias até a tarde de ontem. Nos mezaninos centrais ainda existiam 189 lugares, por R$ 700.
Já no Rio, onde João Gilberto toca no dia 15/11, os ingressos estão esgotados.

=============================
Diversas possibilidades:

1) O Ceará alavancou as vendas no Rio de Janeiro.
2) Carioca é festeiro mesmo, ainda mais se for para homenagear um conterrâneo.
3) Eike Batista resolveu comprar o show e distribuir entre a famí­lia Cabral, ora essa, que é que tem demais?
4) Em São Paulo, a alta burguesia continua onde sempre esteve: todos os lugares mais caros foram vendidos. Na classe média, a coisa encalhou. E o pessoal que acabou de ser incorporado ao mercado não se aguenta de vontade de ver o João. Mais uma vitória do nosso Lulilma.
5) Paulista tem juízo.
20:28:28 - DJ Mandacaru -

Antes só do que acompanhado em multiplayer

Faz algum tempo que 2/5 da redação andam ocupando secretamente suas noites com mortes, esquartejamentos, tiros de rifle à distância e batalhas infindáveis com zumbis em lugares tão improváveis quanto a superfície da lua ou um cinema abandonado do Terceiro Reich. Mas isso é assunto pra outro dia. O de hoje são estes números, recebidos por e-mail da Eletronic Arts dias atrás (e, portanto, já desatualizados): 9 milhões e meio de pessoas já jogaram a versão beta do novo game Battlefield 3, com 47 bilhões de tiros disparados e o novo recorde mundial para morte por tiro de rifle à distância, 635 metros, o equivalente a 8 quarteirões. Sobre essa mania mundial, tem gente mais qualificada do que nós para comentar: são os podcasts divertidos do pessoal do Gamer Inconstante. Além do conhecimento técnico, eles têm outra vantagem sobre a Terceira Idade do Zeno: uma mãe com cartão de crédito ilimitado. Cliquem e se divirtam.
09:59:39 - Zeno -

24 Outubro

Um pouquindo de Brasil, iáiá

Há algum tempo a região onde moro, na Bela Vista, virou uma mini-cracolândia –como de resto boa parte de São Paulo, mas sejamos específicos neste caso. Até semanas atrás funcionava aqui a garagem dos Chevrolet Captiva que fazem o Street View do Google. Eles, que não são bobos nem nada, picaram a mula há algumas semanas, e desde então o número de pessoas abrigadas sob a marquise da tal garagem só aumentou.

Na manhã do sábado eu passava na calçada em frente no instante em que uma senhora, mais ou menos 60 e poucos anos, bem vestida, com aquela arrogância que só a classe média exala, acompanhada de um possível netinho, ateou fogo com um isqueiro aos despojos que servem de abrigo aos drogaditos. Passando por ali, uma outra senhora, aparência humilde, protestou veementemente: "Que absurdo! Você não tem o direito de fazer isso!". Madame piromaníaca não se fez de rogada: sacou do bolso uma carteira com um distintivo (não pude ver direito, mas arrisco ser da Polícia Civil) e bradou a plenos pulmões, sacudindo a mão no ar: "Olha aqui, ó! Eu posso fazer o que eu quiser!".

A coisa encerrou-se por ali mesmo enquanto pequeno incêndio consumia o montinho de cobertores, andrajos e caixas de papelão. Felizmente seus donos não estavam ali para queimar junto. E infelizmente não fui rápido o suficiente para sacar o celular e registrar o flagrante.

***

Ontem, passeando por uma Oscar Freire engarrafada no domingo à tarde, tanta lojas bacanas cheias de gente bacana, um cidadão de 50 e tantos anos, elegantemente vestido, de óculos escuros e gel no cabelo, com aquela opulência bronzeada que sói à classe AAA paulistana, desfilava no seu Mercedes conversível azul, de capota aberta, baforando um charuto que, pelo tamanho, julguei ser um Doble Corona ou algo equivalente. A alturas tantas ergueu do piso do carro uma garrafa envolta num saco plástico branca aparentando ser uísque, rum ou outro destilado de tom dourado e deu um belo gole, olhando em volta com um sorriso de satisfação.
14:24:54 - Pinto -

.:: mês anterior :: :: :: :: October 2011 :: :: :: :: próximo mês ::.