:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


...ou então miojo

Nossas impressões sobre as cozinhas do mundo - a contrapartida sólida da Busca do Graal.


.:: mês anterior :: :: :: :: April 2012 :: :: :: :: próximo mês ::.

23 Abril

Chez MIS

Volto a este augusto espaço para relatar nossa visita ao restaurante do MIS, aberto não há muito tempo, uma franquia do Lorena 1989. Foi assim:

Chegamos mais cedo para aproveitar o museu com as crianças. Era meio-dia, o restaurante acabara de abrir estava vazio, mas quisemos garantir nosso lugar. Tentamos reservar uma mesa para seis pessoas, três delas crianças. Fomos recebidos por um host com cara e modos de SP Fashion Week:

— Nós não reservamos mesas.

Explicamos que aguardávamos alguém, ficaríamos lá fora por quinze minutos, meia hora, apenas. Mas não. Poderíamos deixar a mochila com as mudas das crianças?

— Nós não temos como guardar a mochila.

Tudo bem. Saímos. Voltamos. A mesa estava reservada. Fomos recepcionados por outro host com cara e modos de SP Fashion Week — eles são legiões. Apontamos para a mesa reservada. Ele disse que não era nossa.

— Esta mesa está em nome de Sabrina.

Não éramos nós. Expliquei que tínhamos acabado de sair dali expressamente avisados de que a casa não reservava mesas.

— Só em casos muito excepcionais reservamos. É uma mesa para uma família com duas crianças.

Nós estávamos em três crianças, mas o outro host com cara e modos de SP Fashion Week fez um muxoxo e limitou-se a informar que havia outras mesas disponíveis. Sentamo-nos. Atendeu-nos um garçom com cara e modos adivinha de quê? Fizemos os pedidos, chegaram, exceto o meu, claro, que veio atrasado, provavelmente esquecido, mas veio. Estava tudo muito bom. Um peixe grelhado, uma milanesa, um nhoque. Bebidas corretas, mojitos, bloody mary.

Sobremesas. Havia sorvete de creme. E havia milk shake de chocolate. Minha amiga perguntou ao solícito garçom se seria possível sua filha pedir sorvete de chocolate em vez de creme.

— Não —, ele limitou-se a dizer, encarando as crianças com um certo ar de nojo.

Cafés. Bons, vieram antes das sobremesas demoradas, mas também boas. Preços tão pomposos como o atendimento.

Resumindo, você já entendeu. Uma pena que um espaço tão bacana para um domingão em São Paulo, especialmente para famílias com crianças, tenha a boa cozinha eclipsada por um serviço afetado, mais cheio de regras que um colégio de freiras, o que aquela gente é de fato. Mesmo sem os dez por cento do serviço, que nos recusamos a pagar, a conta ficou alta para o desaforo. E em vez da estadia agradável e da refeição correta levaremos na memória a aula de catecismo das freirinhas menstruadas.

Nota: duas ave-marias e três pais-nossos ajoelhados no Herchcovitch.
08:58:33 - Pinto -

.:: mês anterior :: :: :: :: April 2012 :: :: :: :: próximo mês ::.