:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


.:: post anterior :: :: :: :: navegue pelos posts :: :: :: :: próximo post ::.

bar abierto, plaza serrano ou cortázar, palermo, jul/2007

com uma varanda abrigada p/ 'fumadores' (simplíssimo e esperto plástico grosso montado em perfis de ferro), aquecida e junto a rua, de cara p/ o delicioso movimento da praça, frequencia madura ou ao ponto.

doses que beiram o desonesto (p/ el dueño) do nobre líquido escocês, e uma 'bruschetta de champignons en pan de campo' de correr até o apito final.
acepta-se tarjetas (crédito), salvadoras de la patria pois que c/ dosis do red a 10 pesos (hasta las 20hs, $12 después), madrecita mia....

e c/ vinhos de 30 reais aqui a 20 pesos lá, lembrem de nunca contar isso p/ leitores e/ou repórteres da vesjinha.
prá esses já bas-tam todo o resto.

tabla 'bar abierto' chica:
verduras, quesos, albahaca (manjericão), jamón, rodajas de tomate con ajo, aceitunas negras, perejil (berinjela), rúcula e um pote de iogurte con guacamole.
tudimriba mais 1/2 garrafa depois, uns 60 paus p/2.
rima e soluço comovido incluso.

fora o resto: além do cardápio -barato e sólido: o bife milanes(s)a..., os pudins de-leite puro- tem o nicolas, garoto batuta e garção profissa, levando uma 'praça' (mesas prum só garção) de umas 20, sério, bonito (casado...), brioso, veloz e bom de papo, nunca esquecendo os pormenor do pedido.

concluí que esse brio é o que a crase mérdia miâmica acha 'frescura de argentino': papo de página marron, que palermo é a vila madá de lá, só dá cara e mina inventivo, bunitin e culto prachuchú.
enfim, vimos lhufas de tango, qdo muito um gotan, ficamos submersos nos diseñadores e artisanos locais, recuperei o rock como resistencia (conhecemos um que faz guitarras acústicas, verdadeiras fender, a us$9000, lindíssimas, e que inda toca paca).
e o dueño, além disso, é ator e produtor de teatro.
resulta que (cumé qui arranja aquele cópirraitín azul do pinto, pô) voltamos c/ vontade de voltar.

nota: otcho mi-ojos.
posted at 23:38:38 on 10-08-2007 by George Smiley - Category: ...ou então miojo


Comentários

Zeno wrote:

E por que é que a gente não pede pralgum dono de bar conhecido/amigo uma versão brazuca da tal "tabla bar abierto chica", hein? Tremenda idéia.

Silencio, porém, quanto à descrição do garção, que me parece destoar da biografia de resto impoluta do nosso Smiley - ah, esses ingleses de Eton e seus recreios animados...
16-08-2007 21:01:04


Incluir comentário

Este post está fechado. Não é possível adicionar novos comentários a ele ou votá-lo