:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


.:: post anterior :: :: :: :: navegue pelos posts :: :: :: :: próximo post ::.

o mundo gira e a lusitana roda

eu me lembro de ver um artiguinho, ach'que na reader's digest, contando duma filha 'rebelde' que saiu de casa pra cair na vida em l.a., de saco saco cheio dos pais, dois 'hippies' que nada mais faziam a não ser fumar marijuana e cuidar do seu quintal.

a menina tinha virado puta e entrado no pó, tudo muito decididamente.

contava o autor das maltraçadas que a talzinha depois saiu daquela vida e 'se tornou' algo como uma executiva de sucesso, ou coisa parecida...

parecia quase contente o cara, afinal, demonstrava o 'conflito de gerações' do avesso, agora contra a tal da contracultura.

lembro tb. d'outro artiguete contando, na playboy, dum novo tipo de urbanóides, uns poucos anos depois, uns tais de 'young urban professionals', ou yuppies, trabalhadores incansáveis, frios, consumistas, smarts nos negócios, inovadores, os novos queridinhos das empresas, muitos do perfil acima -os mais novos; muitos 'ex-hippies' -os mais velhos.
esses últimos então é que deixavam o narrador contente prá chuchú, quase 'se reconhecendo' nos tais novos valores do mercado.

lembro, ainda um pouco adiante, middle 80's, desse tsunami chegando no brasil, via filhustrada, cum bando de moleque se fazendo de 'durões' da 'cítrica' curtural, falhando m. atrás de m., debaixo duma caetano-camposnização curtural pseudo-paca que era um verdadeiro pé no saco.

lembro dum jornalista velha-guarda, na famosa redação curturá, olhando, atônito, aqueles carinhas de bleiser de veludo e óculos escuros, digitando ferozmente seus ines-quecíveis artigodefinitivo sobre qqer m. da moda.
lembro pq. fiquei horas es(as)perando - sentado ali - um neo-famoso editor, pseudoeta concrético, acabar uma cantada de 5a, numa eventual pretendente à ribalta curturá.
queria eu, ingenuamente, apresentar uma pauta sobre algo, indeed, concreto: o desdesenho urbano que, já então, nos vinha acuando em comdom-ínios, numa espécie de aids existencial.

quar'o'quêr...: urbanismo num é massmerdia, me disse, mais ou menos isso, o malgeninho, ceticínico e bost-mothern que só.

tenho lembrado disso tudo esses dias em que os heróis supra(ex)citados finalmente chegaram lá.

eu achava - nos poucos cacos que conseguia juntar aqui e ali - que isso não podia dar certo, era muito pó, muita expectativa, muita vontade de ser gente grande, muito asphalt jungle p/ pouca indústria, sacumé?

e cada vez que via a dueña thatcher e o don reagan rindo, dava um asco que só tomando várias.
não sabia direito o porquê.
agora sei.
posted at 19:04:58 on 31-01-2009 by George Smiley - Category: Je me souviens


Comentários

DJ Memoriol wrote:

Smiley, rapaz, tu tem que ler o calhamaço do niver da Ilustrada. Mais autocongratulatório que autocrítica de presidente de partido, mas dá um je me souviens de premêra.
01-02-2009 21:24:15

Zeno wrote:

Meu candidato a melhor texto de 2009, desde djá.

E o gráfico das bolinhas da Bloomberg é o melhor da década, fácil.
02-02-2009 11:39:32

sorelyupie wrote:

Antes que eu me esqueça, lendo esse post vi passar 3 gerações de mim mesmo. Crueldade...
03-02-2009 00:02:38

g. smilin-thing but the girl wrote:

like the presidents and millors and francis, i would rather go directly to the fonts, not to the crossers (atravessadores, p/ os neófitos).

and yeah, fishin'man, this was encraved in my ass for decades.
03-02-2009 00:09:05

Flavia wrote:

Oi, Povo do Zeno!

Não encontrei e-mail para mandar esta mensagem em off pra vocês, por isso tomo a liberdade de deixá-la aqui. Tentei outro link, que pelo jeito deu pau, então espero que vocês recebam apenas uma e não 3 mensagens.

* * *

Oi!

Estou ajudando a colocar no ar um blog pela Confecom, o http://liberdadedeexpressao... É um blog que durará apenas este ano e que se destina a informar sobre a Confecom, ser um fórum livre de debates sobre os temas a ela ligados, e disponibilizar informações que as próprias comissões estão com dificuldades de disponibilizar - como mail lists e locais de reunião.

Nós, que estamos montando o Liberdade de Expressão não somos ligados a nenhum partido ou ONG envolvida no processo que já se encaminha e na nossa opinião, já corre o risco de ser uma iniciativa perdida, devido o desconhecimento da população, a despeito dos esforços das ONGs - que são muitos, pelo que podemos observar - de divulgá-la. Isto é compreensível, pois nem todo este conjunto de ONGs pelo Brasil tem a força comunicativa da mídia, que já faz seus esforços contrários, como é o exemplo do seminário da Globo na PUC São Paulo que ocorrerá em breve, e que já está sendo combatido pelo CA dos alunos de comunicação de lá.

Quanto ao Liberdade de Expressão, pedimos que os blogs que discutem mídia indiquem seus posts para serem lá publicados, e pedimos um esforço de divulgação nos blogs, deste blog que quer sim crescer rapidamente, pois o momento é de perigo, já que há a possibilidade de que os movimentos progressistas percam a oportunidade de defesa de novas regras mais democráticas (a comissão organizadora, por exemplo, já está em funcionamento, e o balanço de forças que se conseguiu não é bom: governo, "sociedade civil empresarial" e o "resto" da sociedade civil com números iguais de representantes. mas a análise do contexto indica que nem tudo está perdido, pois a parcela do governo está dividida).

Este blog quer ajudar a divulgar este processo e precisa crescer rapidamente, mas pelos motivos acima apontados.

Por isso, outro pedido é que os blogs apontem a iniciativa do Liberdade de Expressão para que possamos formar uma rede, pois o leitor bem informado dos blogs pode vir a contribuir, e muito, nesta empreitada deste ano, que é a Confecom.
28-05-2009 11:57:35


Incluir comentário