:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


.:: post anterior :: :: :: :: navegue pelos posts :: :: :: :: próximo post ::.

Das vicissitudes da paternidade

Acabo de chegar do tal Natura Nós, mais um festival caça-níquel que usa ecologia como chamariz para pegar trouxas. Como tinha ganho o ingresso e ser pai é participar, caí no conto e fui, já sabendo antecipadamente da roubada; nem por isso menos emputecido.

Vinte e cinco mangos para estacionar a uns 2km do palco, um lamaçal só, 70 mangos do ingresso (que foi ganho, donde) e um sol escaldante, enquanto a chuva não caía, para levar as crianças para ver Partimpim e outros clássicos do gênero. Três horas de produção para quase uma de fruição.

Pois bem. Como nem tudo era ruim, em meio à maior concentração de MILFs por metro quadrado de São Paulo, as gentis promotoras da Natura, cada mulherão que só vendo, abordavam a gente a todo instante oferecendo os produtos da patrocinadora.

Eu estou distraído, quase distensionado e começando a me animar com o show do Pato Fu, e me aborda uma mestiça de oriental de quase 2 metros de altura, dessas com nariz arrebitadinho, e me oferece um lencinho umedecido que ela chama pelo nome:

– O senhor aceita um Banho de Gato?

Lôco, né?

posted at 18:57:08 on 17-10-2010 by Pinto - Category: Zenices


Comentários

Sem comentários


Incluir comentário