:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


.:: post anterior :: :: :: :: navegue pelos posts :: :: :: :: próximo post ::.

Talento grátis para quem vive de mídia

Uma das últimas características remanescentes do jornal diário original é a de servir, involuntariamente, como válvula de escape para pressões e contradições de que o próprio jornalismo não dá conta. Quando esses fenômenos envolvem a publicidade, então, mais evidentes ficam e mais interessantes se tornam.

Eis que temos no Estadão de hoje uma materialização dessa teoria –coincidentemente, em páginas seqüenciais. A primeira é um anúncio de página de uma agência de publicidade. Ilustrado por um gráfico de linhas divergentes, resume a atividade com sinceridade poucas vezes vista: "Propaganda é um produto curioso: a ruim custa a mesma coisa que a boa". E segue o texto, que fala e se trai por si (grifos meus):

Não existe desconto para propaganda de baixa qualidade. Faça o teste: ligue para alguma emissora, revista, jornal ou portal de internet e peça para pagar menos porque a campanha qual você vai veicular não é lá essas coisas. Isso é fascinante no nosso negócio. A idéia que vai mudar a história do seu produto custa o mesmo qual uma campanha que não vai fazer nem cócegas no seu gráfico de vendas. O que faz a diferença entre uma e outra é o talento. E isso, por mais incrível que possa parecer é de graça. Então, por que pagar o mesmo pela propaganda do segundo tipo? Acredite nas grandes ideias. Até porque não vai lhe custar um centavo a mais. Talento muda tudo. Talent.

O que se depreende pelo ato falho tão escancarado, uma vez que o "talento é de graça", é que a a atividade publicitária é remunerada apenas pela mídia que se compra. Mas se esse talento (criativo, supõe-se) é justamente o diferencial, como poderia custar nada? E, por outra, se ele é tão importante a ponto de fazer "mudar a história", de que serve o investimento em mídia que lhe dará suporte? Como uma agência pode financiar grandes ideias, a matéria-prima com que lidam, se não custam um centavo a mais? Seria investindo nas mídias mais importantes, que melhor lhe retribuem a cortesia? Se isso não for uma confissão de incompetência sem tamanho não sei mais o que poderia ser. "Não pague pela criação, pague pela mídia", é a mensagem que se trai, embora se pretenda afirmar exatamente o contrário. Caso para terapia? Certamente, mas há pior.

Passando a página, um anúncio do Cannes Lions, patrocinado pelo mesmo Estadão, ensina aos redatores publicitários: "Você nunca vai ser completamente feliz sem um Leão" (para os menos familiarizados, "Leão" é uma espécie de Oscar publicitário, que apetece mais a profissionais do ramo que a qualquer outra categoria). Ilustra a peça a foto de um casal numa maternidade recebendo um bebê, o pai com expressão fúnebre e um ramalhete de flores nas mãos: ganhou o filho mas não o prêmio. As metáforas adquirem vida própria e não é necessário dizer mais.

É essa gente que produz essas coisas que recebe salários de seis dígitos e de fato forma opinião neste País.
posted at 13:59:06 on 28-03-2011 by Pinto - Category: Eu me envergonho


Comentários

DJ Mamãe Eu Quero wrote:

Forma opinião, Pinto? Só se for aí na tua rua. No máximo, forram o bolso com uma bufunfa de responsa. Pessoa muito próxima a mim anda produzindo trilhas para comerciais - os briefings são coisa de doido. Literalmente.
28-03-2011 14:52:35

g.s. wrote:

briefing aqui nas highlands é só mal ou bempassado.
e eu acho que cria moda sim, quase nada na escrita, santo mec-usaid..., e mais na teve aberta, essa sim, verdadeira fábrica de doido.
28-03-2011 17:35:26

Pedro Guerra wrote:

O problema de ser remunerado pela mídia, e não pelo que se cria, é esse. As idéias não valem muita coisa. No dia que os birôs de mídia entrarem no país - que eu acho que será nunca - o texto vai ser outro. Não se pode culpar uma agência por advogar em causa própria.
29-03-2011 10:23:32

lamaindeed wrote:

Culpar os publicitários é culpar o sofá. São apenas mais uns explorados por este sistema capitalista que está acabando com o planeta e com as mentes de nossas crianças, estimulando o consumo crescente e insustentável. Sem falar na violência e nas drogas. E no Kassab.
29-03-2011 10:35:17

lamaindeed wrote:

Esqueci uma coisa: uma lei da década de 60 diz que a publicidade TEM que ser remunerada pela midia, os tais 20%. Que nem o veículo, nem a agência podem alterar este valor. É claro que td mundo negocia, mas isso é outra hist´øria.
29-03-2011 10:42:03


Incluir comentário

Este post está fechado. Não é possível adicionar novos comentários a ele ou votá-lo