:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


.:: post anterior :: :: :: :: navegue pelos posts :: :: :: :: próximo post ::.

eu aprendi

tentando escrever poemas - todo mundo faz poesia, o brasil é cmpeão de participantes de concursos de poemas, e
um dos menores compradores de livros de poesia do mundo, entendam: fala-se mais do que se estuda, imbecis - e se amerigno vir aqui cobrar 'citation'c sobre isso, manda o idiota - sim, elas são idiotas, pesquisem como foram educados, e e educaram, nos últimos 40 anos - pesquisar na nossa internert, podreprivatriada, noxsa melhor canalhização está em suas mãos.
conosco, rola embratéis, sacumé...

enfim.
qdo se screve aqui, de cara, o que vem pela testa, isso é poesia.
ruim, evidente, mas tem uma diferença:
é a ética.
qdo se pretende escrever sobre tudo, se pretende saber sobre a contradiçaõ desse tudo.
às veiz, na necessidade, falha o portugues, normal.
isso é, hoje o 'jornal', o relato da jornada do dia.
todo poema é, por princípio, sobre a contradição do existir.
não se torce, não somos torcedores, somos quase como repórters.
re-portando o que se passa no dia a dia.
só que 'repórters' dependem de quem lhos pagam.
e somos 'repórteres', sacumé?
(leiam balzac, mt mais divetido que eu sobre isso, e tão atual que deixa a gente maluc@.)
só que livres.
leiam elaes (antigo el@s): os americanos e brasileiros dos 50s, leiam.
nós escrevíamos muito mais bonito, antes.

posted at 02:07:15 on 22-11-2013 by George Smiley - Category: Tectum Intuentes


Comentários

Sem comentários


Incluir comentário