:: home :: posts passados :: etilíricas :: je me souviens :: microcontos ::


.:: post anterior :: :: :: :: navegue pelos posts :: :: :: :: próximo post ::.

Atenção: o post abaixo é patrocinado

Oi, meu nome é Zeno e eu queria fazer um depoimento: adorei essa história de postar uma única música, que é o que vou fazer novamente aqui.

Oi, meu nome é Zeno 2 e eu queria fazer outro depoimento: faz uns meses que as pessoas que convivem comigo sabem dessa minha nova obsessão e têm a maior paciência com ela: a melhor coisa que vi este ano, neste ingrato terreno cinéfilo de filmes ruins e gordurosos, foram os poucos segundos de um comercial do Bradesco Seguros (!?!), em que um cachorro-caído-de-mudança (quem lembra do ditado "Mais perdido que cachorro caído em mudança" levante a mão) zanza pela casa nova, cheia de funcionários da empresa de mudança, em meio a objetos e situações desconhecidas, um ser-aí-jogado-no-mundo heideggeriano em busca de um Sentido. Uma voz em off, no comercial, vai nos dando a vida interior do cachorro, suas constatações, suas dúvidas, etc, até que surge a fórmula mágica: "Cadê minha casinha? Cadê minha bolinha? Cadê meu ossinho?". Depois ele reencontra a família e temos o final feliz de praxe. Mas essa fórmula acima virou bordão aqui em casa, um tremendo substituto do já gasto "mimimi": cada vez que meu filho, por exemplo, começa a reclamar de alguma coisa, é brindado com as frases iniciais, "cadê minha casinha? etc", e a discussão se desfaz em risos. De quebra, o tal cachorro deveria ganhar o prêmio de Melhor Interpretação Dramática do Ano, pela seguinte cena: ele está zanzando, pára em busca de proteção, toma vários encontrões dos funcionários, esconde-se embaixo de uma mesa, mas a mesa é retirada logo em seguida. Pois bem, aqueles centésimos de segundo em que a mesa é retirada e ele se abaixa alguns centímetros, assustado, foram o maior Momento de Verdade que vi este ano.

Oi, meu nome é Zeno 3 e queria fazer um último depoimento: anos atrás uma alma caridosa me brindou com a discografia do White Stripes, mas, sujeito indisciplinado que sou, nunca ouvi o troço direito, vou pinçando uma música aqui, outra acolá, passo uns meses obcecado com uma, a ponto de decorar a letra (The Denial Twist), esqueço outras no caminho. Até ontem. Ontem, o glorioso Jack White me mostrou, em termos musicais, o que é essa sensação vivida pelo cachorro acima e por tanta gente que conheço. Eu, inclusive. A música chama-se "Little Room", tá no disco White Blood Cells, de 2001, e você pode baixá-la aqui. A letra, tão simples que mereceria vencer, junto com o comercial, algum Prêmio de Parcimônia Artística a ser inventado, pode ser conferida no Leia Mais abaixo.

E um Feliz Ano Novo pra todos nós, em quartos grandes ou pequenos.

Little Room

Well you're in your little room
And you're working on something good
But if it's really good
You're gonna need a bigger room

And when you're in the bigger room
You might not know what to do
You might have to think of
How you got started sitting in your little room

Da da da
Da da da...
posted at 12:31:35 on 27-12-2013 by Zeno - Category: Filmes esquisitos


Comentários

Sem comentários


Incluir comentário